Modelo matemático de Alan Turing explica os misteriosos “círculos de fada” da Namíbia

Stephan Getzin / University of Göttingen

Os impressionantes padrões de vegetação dos “círculos de fada” australianos surgem de acordo com a teoria de 1952 enunciada pelo célebre matemático britânico Alan Turing.

Em 1952, quando o matemático britânico Alan Turing publicou o seu artigo teórico inovador sobre a formação de padrões, provavelmente nunca tinha ouvido falar dos “círculos de fada” australianos. Porém, com a sua teoria, lançou as bases para gerações de físicos tentarem explicar padrões altamente simétricos como ondulações de areia em dunas, riscas de nuvens no céu ou manchas no pêlo de um animal.

Agora, os ecologistas forneceram um estudo empírico para estender esse princípio da Física aos ecossistemas de terras áridas com “círculos de fada”.

Uma equipa de investigadores da Alemanha, Austrália e Israel levaram a cabo um estudo de campo em profundidade nas vastas áreas desabitadas da Austrália Ocidental, onde crescem plantas em disposições circulares – chamados “círculos de fada”.

Os cientistas usaram tecnologia de drones, estatísticas espaciais, mapeamento de campo baseado em quadrantes e registo contínuo de dados de uma estação meteorológica de campo.

Usando o drone e uma câmera multiespetral, os investigadores mapearam o “estado de vitalidade” – com que intensidade crescem – das ervas Triodia em cinco parcelas de um hectare e classificaram-nas como de alta e baixa vitalidade.

O trabalho de campo sistemático e detalhado permitiu, pela primeira vez em tal ecossistema, um teste abrangente da teoria do “padrão de Turing”.

O conceito de Turing era que, em certos sistemas, devido a perturbações aleatórias e um mecanismo de “reação-difusão”, a interação entre apenas duas substâncias difusíveis era suficiente para permitir que estruturas fortemente padronizadas emergissem espontaneamente. Físicos já usaram esse modelo para explicar os padrões de pele em peixes-zebra ou leopardos, por exemplo.

A modelagem anterior tinha sugerido que esta teoria poderia ser aplicada a estes padrões de vegetação intrigantes e, agora, existem dados robustos de várias escalas que confirmam que o modelo de Alan Turing se aplica aos círculos de fada australianos.

Os dados mostram que o padrão de lacuna único dos círculos de fada australianos, que ocorrem apenas numa pequena área a leste da cidade de Newman, emerge de feedbacks ecohidrológicos de biomassa-água das ervas.

Os círculos de fadas – com quatro metros de diâmetro, crostas de argila do intemperismo e do escoamento de água resultante – são uma fonte de água extra crítica para a vegetação. Os aglomerados de ervas aumentaram o sombreamento e a infiltração de água ao redor das raízes próximas.

Com o aumento dos anos após incêndios, fundiram-se mais na periferia das lacunas de vegetação para formar uma barreira para que pudessem maximizar a absorção de água do escoamento do círculo de fada. A cobertura vegetal protetora das ervas pode reduzir as temperaturas da superfície do solo em cerca de 25°C na hora mais quente do dia, o que facilita a germinação e o crescimento de novas ervas.

O matemático Alan Turing

Assim, os cientistas encontraram evidências tanto na escala da paisagem como em escalas muito menores de que as ervas, coma  sua dinâmica de crescimento cooperativo, redistribuem os recursos hídricos, modulam o ambiente físico e, portanto, funcionam como “engenheiros do ecossistema” para modificar o seu próprio ambiente e lidar melhor com as condições áridas.

“O intrigante é que as ervas estão a projetar ativamente o seu próprio ambiente, formando padrões de lacunas simetricamente espaçadas. A vegetação beneficia da água de escoamento adicional fornecida pelos grandes círculos de fada e, assim, mantém o ecossistema árido funcional, mesmo em condições muito duras e secas“, explicou Stephan Getzin, do Departamento de Modelagem de Ecossistemas da Universidade de Göttingen, em comunicado.

Isto contrasta com a cobertura vegetal uniforme observada em ambientes com menos stresse hídrico. “Sem a autoorganização das ervas, essa área provavelmente tornar-se-ia um deserto dominado pelo solo descoberto”, continuou Getzin.

O surgimento de vegetação padronizada semelhante à teoria de Turing parece ser a forma da natureza de administrar um antigo défice de escassez permanente de água.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Journal of Ecology.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Perdi-me entretanto… Onde está a Namíbia? Só se fala do deserto australiano…
    Antigo défice de escassez!??? Falta de água parece não haver…

RESPONDER

"Já vimos este filme". Catarina Martins receia austeridade pós-bazuca (e está preocupada com a TAP)

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse temer a austeridade que possa surgir após a prometida bazuca de fundos europeus e confessou estar “muito preocupada” com a TAP. Em entrevista à TVI na noite de segunda-feira, …

Portugal continental atinge 4 milhões de doses administradas. Processo está a ser mais rápido do que o previsto

Portugal Continental vai atingir esta terça-feira as quatro milhões de doses de vacinas administradas. Segundo a task force, o processo está a acontecer mais rapidamente do que o previsto. De acordo com um fonte da task …

Descoberta nova espécie de tartaruga que viveu no final do Cretáceo

Em 2015, paleontólogos descobriram em Madagáscar um fóssil excecionalmente bem preservado, que agora se confirma ser de uma nova espécie de tartaruga, que remonta ao final do Cretáceo. A antiga tartaruga era uma espécie de água …

Pelo menos onze mortos na sequência de um tiroteio numa escola da Rússia

Dois indivíduos não identificados efetuaram esta terça-feira disparos numa escola na cidade de Kazan, no centro da Rússia, informaram agências de notícias, que citam fontes oficiais. Pelo menos onze pessoas morreram, avança a AFP, que cita …

Pedido de insolvência da Groundforce não implica despedimentos. Mas salários de maio estão em risco

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) recebeu a garantia do Governo de que não vão acontecer despedimentos na Groundforce depois de a TAP ter avançado com um pedido de insolvência da empresa. "Foi-nos …

#Estrumegate. Matos Fernandes admite "linguagem desajustada", mas Galamba continua debaixo de fogo

O ministro do Ambiente admitiu esta segunda-feira que o seu secretário de Estado adjunto e da Energia usou "linguagem desajustada" para criticar um programa de informação, mas considerou que o próprio João Galamba o …

Reforma das Forças Armadas. Cravinho critica “manobras escusas” de “agremiação”

O ministro da Defesa acusou esta segunda-feira ex-chefes militares de “manobras escusas” para “perpetuar a influência” nas Forças Armadas, declarando não se intimidar em relação às reformas legislativas em curso, mantendo a expetativa da aprovação …

Cientistas treinaram abelhas para detetar covid-19 em poucos segundos

Cientistas holandeses têm estado, nos últimos tempos, a treinar abelhas para serem capazes de detetar casos de covid-19. De acordo com o comunicado da Universidade de Wageningen, nos Países Baixos, que trabalhou com a start-up InsectSense, …

EUA autorizam vacina da Pfizer entre 12 e 15 anos. Imunização pode arrancar esta quinta-feira

A Food and Drug Administration (FDA) autorizou a administração da vacina contra a covid-19 da Pfizer a crianças de 12 a 15 anos. A imunização de jovens pode arrancar já esta quinta-feira. Agora que a Food …

Rio critica estratégia de “ostracizar” extrema-direita (e prefere traçar “linhas vermelhas”)

O presidente do PSD, Rui Rio, criticou nesta segunda-feira a estratégia que considera estar a ser seguida na Europa de “ostracizar” a extrema-direita, admitindo ser preferível aceitar o apoio desses partidos, mas sem “nunca permitir …