Agência que inventou a Internet vai criar super-soldados sem medo

A DARPA, divisão científica do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, está a coordenar os esforços de diferentes laboratórios de biotecnologia para criar medicamentos avançados e terapias bio-eléctricas que permitam suprimir o medo num soldado em missão arriscada.

A Defense Advanced Research Projects Agency, divisão científica do Pentágono, que desenvolveu nos anos 70 a Arpanet, rede pioneira percursora da Internet que hoje conhecemos, tem sido responsável por alguns dos mais inovadores projectos militares norte-americanos.

Entre outros projectos tão arrojados quanto estranhos, a DARPA está presentemente a usar o seu orçamento de 3 mil milhões de dólares para desenvolver veículos militares super-velozes que se conduzem sozinhos, robots espiões que comem plantas para recarregar as baterias, patogénios que lutam contra armas biológicas invasoras do organismo, e plataformas aéreas para aterragem e reabastecimento de drones.

Segundo o Christian Today, a DARPA propõe-se agora criar um programa terapêutico, à base de drogas medicinais e tratamentos bio-eléctricos, para tornar realidade uma velha ideia da ficção científica: o soldado sem medo.

Nesse sentido, a agência organizou uma conferência com diferentes laboratórios científicos seus associados, e desafiou-os a encontrar novas tecnologias avançadas que permitam manipular o sistema nervoso de soldados em combate.

Segundo Doug Weber, director do programa científico da agência, controlar o sistema nervoso dos soldados passa por manipular o seu sistema imunitário e controlar os níveis de pressão arterial e de libertação de adrenalina.

“Conter o medo e a ansiedade é especialmente útil para soldados em combate que tenham que lidar com ambientes particularmente stressantes”, explicou Weber aos laboratórios.

A DARPA está particularmente focada em estabelecer comunicação directa com o organismo dos soldados e controlar a entrega de informação ao seu sistema nervoso.

“Em vez de medicamentos, poderemos vir a usar circuitos electrónicos implantados no corpo para regular os níveis de stress”, diz Doug Weber, “seria um modificador do estado de espírito”.

Além da aplicação em situações de combate, o programa poderá vir a mostrar-se útil no tratamento de casos de stress pós-traumático em soldados de regresso a casa.

Efectivamente, é trágico o número cada vez mais frequente de soldados que sobrevivem à guerra apenas para sucumbir em casa ao pânico – e a uma overdose de medicamentos anti-psicóticos.

“Se conseguirmos isto”, garante Weber, “estaremos a mudar as regras do jogo”.

AJB, ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Já dizem à boca cheia que fazem supersoldados. Mas não o dizem que os fazem HÁ IMENSO TEMPO! Hipócritas.
    Ainda é mais triste saber que milhões e milhões são gastos em guerras, quando podia ser usado para dar casa e comida a muita gente. Entretanto os EUA têm uma dívida gigantesca… Falidos há muito tempo, mas dinheiro para a guerra há sempre…
    Já mete ranço tanta guerra.

  2. O soldado sem medo não se agacha para se proteger das balas, não se coíbe de avançar sobre campos possivelmente minados e não receia pela vida dos seus camaradas ou de civis.

    Vai ser um sucesso! 😉

RESPONDER

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …

Caso BPN. Relação condena dois dos absolvidos e agrava penas a outros dois

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta quarta-feira dois dos três arguidos absolvidos no processo principal da falência do BPN, Ricardo Oliveira e Filipe Nascimento, e agravou as penas a dois dos 12 arguidos …