Afinal o bom colesterol pode aumentar o risco de ataque cardíaco

Um novo estudo da Universidade de Cambridge mostrou que algumas pessoas com níveis naturalmente altos de HDL, o chamado “bom colesterol”, estão em maior risco de ataque cardíaco.

Os médicos agora estão a questionar-se acerca dos efeitos do uso de medicamentos para aumentar os níveis de HDL em terapias destinadas a reduzir o risco de doenças cardíacas.

Durante décadas, foi transmitida a ideia de que, a bem da nossa saúde, devíamos evitar alimentos ricos em colesterol LDL – por exemplo, manteiga, bacon, banha de porco, óleo de palma – e comer alimentos que aumentam o “bom” colesterol HDL – por exemplo, nozes, peixe, azeite, abacate.

A verdade, no entanto, pode ser muito mais complicada do que isso.

Para uma parte da população, o “bom” colesterol pode na realidade aumentar o risco de doenças cardíacas.

O novo estudo, publicado a semana passada na revista Science, é mais uma prova de que a ligação de causalidade entre a doença cardíaca e colesterol é fraca, e que há outras questões importantes a considerar.

A investigação representa mais um argumento para reflectir sobre o uso de medicamentos que aumentam o HDL, como o torcetrapib, para tratar doenças cardíacas.

Ao longo dos últimos anos, inúmeros ensaios clínicos têm mostrado, repetidamente, que estas drogas simplesmente não funcionam como prescrito.

Simplesmente, não há “bom” colesterol

Os investigadores estudaram quase mil indivíduos com uma mutação num gene chamado SCARB1. Esta falha genética afecta cerca de 1 em cada 1.700 pessoas, e aumenta os níveis de colesterol bom.

Portanto, em teoria, essas pessoas deveriam estar naturalmente bem equipadas para evitar doenças cardíacas.

No entanto, de acordo com a análise, na verdade têm um risco aumentado (em 80%!) de doenças cardíacas.

Este é o mesmo nível de risco cardíaco associado com o tabagismo.

“Descobrimos que as pessoas que transportam uma mutação genética rara que causa níveis mais elevados de ‘bom’ colesterol estão, de forma inesperada, em maior risco de doença cardíaca”, observou o autor principal do estudo, Adam Butterworth, em comunicado.

As descobertas sugerem que a forma como o HDL é tratado no corpo é mais importante do que simplesmente os níveis da substância no sangue.

Para alguns médicos, como o cardiologista Tim Chico, da Universidade de Sheffield, que não esteve envolvido no estudo, a nova pesquisa não é uma surpresa.

“Apesar de haver drogas que podem aumentar os níveis de HDL, elas não reduzem o risco de doença cardíaca”, explica TIm Chico ao Gizmodo.

Já as estatinas, que reduzem o colesterol ‘mau’, são claramente benéficas em pessoas com risco alto de doença cardíaca”, acrescenta.

E a razão é simples: o mau colesterol continua a ser mau.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. mais uma notícia sensacionalista e enganadora
    só aumenta o risco nessas pessoas raras com essa deficiência genética!

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …