“Administrador de grupo do WhatsApp” tornou-se um dos trabalhos mais poderosos na política

O WhatsApp tem-se tornado uma verdadeira arma política usada por vários partidos. Um chat de grupo de parlamentares britânicos mostrou ser crucial para o rumo que o Brexit tomou.

Quando o parlamento britânico pediu ao Governo, em 2019, que publicasse as mensagens que os principais funcionários estavam a enviar uns aos outros sobre o Brexit por meio de aplicações de mensagens de texto, e-mail, Facebook e mensagens, chamou a atenção para o grau em que autoridades eleitas estão a evitar os canais oficiais nas suas comunicações.

A pressão veio em setembro, quando as tensões sobre o Brexit eram altas e havia preocupações de que o Governo estivesse a ser desonesto nos seus motivos para suspender o parlamento por cinco semanas — uma medida que acabou por ser considerada ilegal pelo tribunal.



Claramente os parlamentares pensavam que estavam a ser compartilhadas nestas plataformas informações importantes que o público precisava de saber. O Governo recusou-se a cumprir o pedido. O incidente mostra como as aplicações de mensagens passaram a desempenhar um papel importante nas operações — e como permitem que funcionários e políticos evitem o escrutínio.

Grupos políticos estão cada vez mais atentos ao potencial de serviços de mensagens como o WhatsApp e o Telegram para operar comunidades fechadas.

O surgimento do European Research Group (ERG) dentro do Partido Conservador do Reino Unido é um exemplo disso mesmo. Esta é uma organização para membros conservadores do parlamento que estavam entusiasmados em deixar a União Europeia muito antes do referendo de 2016 e, posteriormente, pressionaram o Brexit.

Logo após o referendo, os principais líderes do ERG reuniram-se num chat de grupo do WhatsApp. O então presidente daquela que ainda era uma organização pouco conhecida, Steve Baker, tornou-se administrador do grupo.

Quando a existência do grupo de WhatsApp foi revelada, quatro meses depois, o ERG estava a tornar-se cada vez mais influente dentro do Partido Conservador. Alguns argumentam que as suas ações ajudaram a frustrar as tentativas de Theresa May em conseguir o seu acordo para o Brexit. O ERG votou repetidamente para bloquear o seu acordo, negando-lhe os votos de que precisava.

Isto foi uma conquista e tanto para uma organização composta em grande parte por bancadas de apoio. Às vezes, nem é totalmente claro para o público em geral quais políticos são membros do ERG, mas eles foram capazes de exercer influência significativa sobre o seu partido sem precisar de revelar as suas operações publicamente.

Isto foi, em grande parte, graças a redes fora do alcance dos mecanismos tradicionais de análise, como o grupo de WhatsApp. Os membros do grupo ERG WhatsApp descreveram o seu chat como uma maneira “extremamente eficaz” de se organizarem.

Muitos grupos semelhantes do WhatsApp existem agora no parlamento. Eles unem parlamentares de diferentes partidos, que variam de fações trabalhistas a conservadoras. A comunicação num grupo do WhatsApp permite ainda que se organizem além dos limites do partido, ajudando-os a desafiar a orientação oficial do partido em questões importantes.

O administrador que vê tudo

Este novo tipo de organização política afeta a distribuição do poder dentro dos partidos e movimentos. Uma nova geração de agentes, portanto, exerce um poder significativo.

Os administradores tomam decisões sobre quem adicionar ou remover de um chat de grupo e, frequentemente, qual conteúdo é compartilhado. Isto significa que, se um grupo for grande o suficiente, um agente de partido de nível relativamente baixo pode tornar-se uma figura importante.

No sentido tradicional das estruturas partidárias, Steve Baker, por exemplo, não é um político de destaque no Reino Unido. Mas como administrador do grupo ERG WhatsApp, ele pode controlar quem está dentro e quem está fora de um grupo de discussão que desempenhou um papel crucial na direção tomada no Brexit.

Os administradores de redes sociais podem tornar-se vozes líderes em comunidades de protesto, mesmo quando esses movimentos são apresentados como “sem líder”. No entanto, movimentos sociais não são os mesmos que representantes eleitos. Eles não precisam de estar em conformidade com os mesmos regulamentos de transparência e responsabilidade que se aplicam aos políticos eleitos.

Um universo encriptado

O conteúdo dos grupos online influentes também costuma ser tão invisível quanto as pessoas que participam deles. Isto acontece porque as plataformas de mensagens como o WhatsApp são criptografadas e projetadas como espaços extremamente privados.

É claro que pode haver benefícios na criptografia. Os movimentos de protesto dependem dessa segurança para se protegerem da ameaça representada por Estados não democráticos. Mas os políticos eleitos não devem abusar deste recursos.

Caso contrário, a sociedade corre o risco de perder o controlo das comunicações do Governo relacionadas com assuntos importantes, como o Brexit. O histórico pode ser excluído ou oculto nos servidores da empresa privada. Embora os memorandos confidenciais de Downing Street sobre a prorrogação tenham sido divulgados, estas comunicações digitais permanecem fora de alcance.

O outro problema aqui é que os assuntos do Governo são cada vez mais tratados nas plataformas de comunicação de empresas privadas. Que poder isso concede ao Whatsapp e à sua empresa-mãe, o Facebook, sobre as comunicações dos nossos Governos?

Ainda se sabe relativamente pouco sobre como as plataformas de mensagens estão a remodelar as operações internas dos partidos. A menos que atentemos para essas dinâmicas internas, as organizações-sombra dentro dos partidos vão continuar a influenciar a política sem responsabilidade.

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …