Adele dominou os Grammy (e partiu um ao meio para dividir com Beyoncé)

Mike Nelson / EPA

-

A cantora britânica venceu cinco prémios na 59.º edição dos Grammy, incluindo os três principais: melhor álbum (“25”), melhor gravação e melhor canção do ano, ambos com o tema “Hello”.

Adele foi a grande protagonista da 59ª edição dos Grammys, que aconteceu esta noite de domingo no Teatro Microsoft de Los Angeles, na Califórnia.

A cantora e compositora britânica, de 28 anos, conquistou os três Grammys principais – Melhor Álbum (“25”), Melhor Gravação e Melhor Música (com o tema “Hello”), num total de cinco, sendo a primeira artista da história a vencer as três categorias pela segunda vez.

No entanto, na hora de receber o prémio para Melhor Álbum do ano, reconheceu que essa honra deveria ter sido atribuída a Beyoncé e dedicou-lhe a vitória. Como? De forma polémica, bem ao seu estilo, partindo a estatueta ao meio.

“Eu não posso aceitar este prémio. Estou muito honrada, muito grata e lisonjeada. Mas a artista da minha vida é Beyoncé e, para mim, este álbum, ‘Lemonade’, foi tão monumental e tão bem pensado, tão bonito e cheio de alma”, afirmou.

Como se tudo isso não bastasse, Adele tirou mais um trunfo da manga. A britânica foi uma das artistas que subiu ao palco e, visivelmente emocionada, pediu para reiniciar o seu tributo a George Michael. A cantora parou mesmo de cantar “Fastlove”, tema do cantor que morreu no dia de Natal do ano passado, e atirou ao público lá presente: “Desculpem. Não posso estragar isto para ele”.

O cantor Prince foi outro dos músicos homenageados, com Bruno Mars a interpretar à guitarra “Let’s Go Crazy”.

David Bowie, que morreu em janeiro de 2016, foi distinguido a título póstumo com quatro prémios. O artista britânico impôs-se nas categorias de melhor atuação rock, melhor álbum de música alternativa, melhor design de capa de disco (partilhado com o diretor artístico Jonathan Barnbrook) e melhor álbum de música clássica (em conjunto com Tom Elmhirst, Kevin Killen, Tony Visconti e Joe LaPorta), todos pelo seu último disco, “Blackstar”.

Produtor português vence Grammy

No início da cerimónia, o produtor André Allen Anjos venceu um Grammy de Melhor Gravação Remisturada, tornando-se assim no primeiro português a ser distinguindo com um destes prémios de música.

Anjos, que em 2005 trocou o Porto pelos Estados Unidos, venceu na categoria de Melhor Gravação Remisturada com um “remix” do tema “Tearing me up”, de Bob Moses.

“Há dez anos iniciei este projeto no quarto do dormitório [da universidade] e nunca pensei que estaria aqui. Isto é de loucos”, afirmou, ao receber o prémio.

O produtor português é um dos fundadores do coletivo RAC (Remix Artist Collective) e esta foi a sua segunda nomeação nos Grammy.

Em 2014, o fadista Carlos do Carmo foi distinguido com um Grammy Latino de Carreira, atribuído pela Academia Latina de Artes de Gravação e Ciência.

Referências a Donald Trump

“Este é precisamente o momento para os artistas meterem mãos à obra”, disse a cantora norte-americana Jennifer Lopez, citando o escritor afro-americano Toni Morrison, embora sem referir o nome do Presidente norte-americano. “Não há tempo para o desespero, (…) não há necessidade para o silêncio nem espaço para o medo”, acrescentou.

O apresentador James Corden invocou o Presidente norte-americano logo na abertura da cerimónia: “Vivam tudo ao máximo, porque com o Presidente Trump não sabemos o que vem a seguir”, disse.

A tirada política mais forte coube, no entanto, ao grupo de rap A Tribe Called Quest (ATCQ), com o músico Busta Rhymes a juntar-se em palco para cantar a música “We the people” no Teatro Microsoft de Los Angeles.

Rhymes chamou “agente laranja” ao Presidente norte-americano, em alusão ao seu cabelo, mas também a um químico utilizado pelos Estados Unidos durante a guerra do Vietname. “Quero agradecer ao Presidente agente laranja por perpetuar o mal por todos os Estados Unidos”, disse.

“Todos os negros, vocês devem partir; todos os pobres, vocês devem partir; todos os mexicanos, vocês devem partir; todos os muçulmanos e homossexuais, as pessoas detestam a vossa forma de estar e enquanto pessoas do mal devem partir“, cantaram os rappers, criticando a ordem executiva anti-imigração de Trump e o muro que pretende construir na fronteira com o México.

Os rappers entoaram repetidas vezes “We the people” [Nós, o povo], e terminaram a atuação a gritar “Resist! Resist! Resist!” [Resistam! Resistam! Resistam!], enquanto pessoas de várias etnias subiam ao palco.

A atuação de Katy Perry incluiu algumas mensagens políticas e a apresentação do preâmbulo da Constituição norte-americana.

A gala desta noite contou também com uma declaração pró-Trump. A cantora Joy Villa chegou coberta com uma capa branca, que depois tirou para revelar um vestido justo azul e branco com o slogan “Make America Great Again” estampado na frente, e a inscrição “TRUMP” na cauda em cor prateada.

Na sua conta de Instagram, Villa, mais conhecida pelas suas declarações na passadeira vermelha do que pelas suas atuações, disse: “Toda a minha plataforma artística é sobre o amor”. A declaração foi repudiada em comentários no Twitter e Instagram.

Ao prestar homenagem ao ícone do jazz e do soul Al Jarreau, que faleceu no domingo, o músico Gregory Porter, laureado com um Grammy, disse que “o jazz é a música da liberdade e Al a sua encarnação”.

Lista dos premiados

Álbum do ano: “25”, Adele.

Gravação do ano: “Hello”, Adele.

Revelação do ano: Chance the Rapper.

Melhor canção do ano (prémio compositor): “Hello”, Adele e Greg Kurstin.

Melhor performance pop a solo: “Hello,” Adele.

Melhor álbum pop: “25”, Adele.

Melhor álbum pop tradicional: “Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin”, Willie Nelson.

Melhor performance duo ou grupo pop: “Stressed Out”, Twenty One Pilots.

Melhor álbum de dança/eletrónico: “Skin”, Flume.

Melhor canção rock: “Blackstar”, David Bowie.

Melhor álbum rock: “Tell Me I’m Pretty”, Cage the Elephant.

Melhor álbum de música alternativa: “Blackstar”, David Bowie.

Melhor álbum R&B: “Lalah Hathaway Live”, Lalah Hathaway.

Melhor álbum urbano contemporâneo: “Lemonade,” Beyoncé.

Melhor álbum rap: “Coloring Book”, Chance the Rapper.

Melhor álbum country: “A Sailor’s Guide to Earth”, Sturgill Simpson.

Melhor performance country a solo: “My Church”, Maren Morris.

Melhor álbum jazz vocal: “Take Me to the Alley”, Gregory Porter.

Melhor álbum jazz instrumental: “Country for Old Men”, John Scofield.

Melhor compilação de banda sonora para visual media: “Miles Ahead”, Miles Davis & vários artistas

Produtor do ano, não clássico: Greg Kurstin.

Melhor vídeo de música: “Formation”, Beyoncé.

ZAP // Lusa / Move

PARTILHAR

RESPONDER

A maior parte dos produtos de maquilhagem está contaminada com superbactérias perigosas

Nove em cada 10 produtos cosméticos atualmente em uso estão contaminados com superbactérias potencialmente prejudiciais, incluindo E. coli e Staphylococci. Beauty blender, rímel e brilho labial são os produtos que contêm os mais altos níveis …

NASA gravou acidentalmente a explosão de um cometa a aproximar-se do Sol

Astrónomos usaram dados do telescópio espacial TESS para estudar a explosão de um cometa durante a sua aproximação ao Sol. A investigação resultou num artigo publicado em novembro na revista científica Astrophysical Journal Letters. Foi a …

Objeto de Hoag é uma galáxia dentro de uma galáxia (que está dentro de outra galáxia)

Se observar atentamente a Constelação da Serpente poderá ver uma galáxia dentro de uma galáxia que, por sua vez, está dentro de outra galáxia. Este grande mistério do Universo é conhecido como Objeto de Hoag. Descoberto …

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …