Acesso ao Ensino Superior para alunos do profissional não implicará mais exames

Antoninho Perri / Unicamp

A alteração do acesso ao ensino superior para os alunos com origem nos cursos profissionais, por concursos locais nas instituições, não vai obrigar a exames adicionais e deve ter apenas por base as notas e as competências adquiridas pelos estudantes.

Segundo avançou o Jornal de Notícias na terça-feira, citando a agência Lusa, a garantia foi dada pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, no parlamento, durante uma audição regimental na comissão de educação e ciência.

No encontro, o ministro disse aos deputados que o Governo, “em diálogo com as instituições e após discussão com o conselho nacional do ensino superior”, está a “conceber uma 3.ª via” de acesso ao ensino superior para estes alunos – além do concurso nacional de acesso, que obriga a exames nacionais a disciplinas fora dos seus currículos, e dos cursos superiores profissionais (CTESP).

“Mas não é para ter mais provas, foi essa a grande inovação face ao sistema que esteve em discussão e que os próprios institutos politécnicos solicitaram que não fosse posto em prática. É fazer concursos locais usando apenas as aptidões, as competências e as notas que eles têm no seu percurso profissional, à semelhança do que se passa com os alunos do científico humanístico, que não fazem mais nenhum exame”, afirmou Manuel Heitor.

E acrescentou aos deputados: “São os seus exames na via científica e humanística que lhes dão acesso ao ensino superior”.

Os concursos locais terão ainda que ser registados na Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) e só depois serão definidas as vagas alocadas a cada instituição. Segundo explicou o ministro, deverão ser fixadas em 10 a 15% do total de vagas no concurso nacional de acesso, mas o processo de decisão só deve ficar fechado em meados de maio.

Manuel de Almeida / Lusa

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor (dir.)

No final de março, o Expresso noticiou que o Governo estava a preparar alterações no regime de acesso ao ensino superior para os alunos do ensino secundário profissional com efeitos no próximo ano letivo, permitindo que estes – com planos curriculares específicos dos seus cursos mais práticos e profissionalizantes – possam entrar num curso superior sem fazer exames nacionais.

A ideia avançada na altura passava por substituir os exames nacionais em disciplinas que, muitas vezes, não faziam parte dos seus currículos, mas que são prova de ingresso nos cursos superiores, por concursos locais. É dada, assim, a possibilidade às universidades e politécnicos de definirem critérios e provas de acesso específicas para estes alunos.

Na terça-feira o ministro excluiu que as condições de acesso nos concursos locais passem por aplicar provas ou exames.

Em entrevista à Lusa no início de abril, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos, recusou que as alterações a ser preparadas possam ser uma via de acesso facilitista para os alunos do ensino profissional.

O responsável sublinhou que existem outras formas de medir os conhecimentos à entrada para os cursos que não passam por exames, e que já são aplicadas em regimes especiais de acesso como o ‘maiores de 23’, um regime específico para adultos.

TP, ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. É uma espécie de autoestrada para a licenciatura e posteriormente para o doutoramento. Isto terá sido inspirado numa figura icónica do PS?!

  2. Bem… Se os cursos profissionais já são o que são… e os alunos destes cursos são o que são… Esta medida é para quê? E os meninos não podem fazer dois exames nacionais porquê??? Ah pois! Não conseguem!

  3. Há algo que escapa a quem conhece as escolas; os alunos do profissional partilham o currículo de português com todos os do regular, assim, por que razão não podem realizar essa prova para acesso ao superior em equidade, pelo menos parcial, com os colegas do regular? Não se compreende, a não ser que se assuma que, globalmente, estes alunos têm problemas ao nível da leitura, interpretação e expressão escrita… Deverão as Universidades ministrar cursos dispensando o domínio destas competências básicas? Quais são, afinal, as razões que sustentam esta medida?

  4. Falar assim é fácil, mas nota-se que não esteve no ensino profissional, eu estive, e a minha esposa no ensino regular, eu quis seguir Electrotécnica e Telecomunicações, pois seria benéfico para depois entrar em Engenharia Electrotecnica, e todas as disciplinas que não sejam relevantes ao curso, são menos aprofundadas que no ensino regular, como matemática, inglês, português, fisica e quimica…e isto pude comprar com a minha mulher, pois ela dava coisas que eu nem sabia o que eram….não deitem areia nos próprios olhos!

    Ensino profissional prepara para uma futura profissão, o ensino regular prepara para os exames nacionais e que possam depois escolher o curso superior que quiserem…

  5. O melhor colega que tive, oriundo do ensino prof., onde tinha tirado 20 a algumas discipl., chegou a reprovar 10 vezes a uma das discip. de matemática, em engenharia!

RESPONDER

Incêndios na Austrália permitiram descobrir canal mais antigo do que as Pirâmides do Egipto

Depois de a vegetação ter sido devastada pelos incêndios em Victoria, na Austrália, investigadores descobriram que este sistema de canais é significativamente maior do que se pensava. Desde setembro do ano passado que a Austrália enfrenta uma …

Sírios estão a vender os seus bens pessoais para que os filhos possam comer

O coordenador do projeto Médicos Sem Fronteiras na Síria diz que muitas famílias estão a ser forçadas a vender os seus bens pessoais para que os filhos possam comer. Bombardeamentos aéreos na Síria são uma constante. …

Casa Branca prepara medidas para travar "turismo de parto"

A Casa Branca prepara-se para endurecer as medidas que permitem a emissão de vistos para mulheres estrangeiras que vão aos Estados Unidos dar à luz para que os seus filhos recebem automaticamente cidadania norte-americana. A …

Eletrões e quarks podem experimentar consciência, defende professor

O filósofo Philip Goff defende, num livro que publicou recentemente, uma teoria milenar que sustenta que todas as formas de matéria - incluindo os eletrões e até os quarks - podem experimentar consciência. Tal como observa …

Lego lança réplica da Estação Espacial Internacional

A Lego anunciou um novo conjunto para todos os entusiastas de exploração espacial. A Estação Espacial Internacional está a muitos quilómetros de distância da Terra mas, agora, quem quiser pode ter uma reprodução nas sua …

HBO anuncia sátira de animação sobre família real britânica

A plataforma de streaming HBO encomendou uma série de comédia do género de "Family Guy" em versão realeza, inspirada nos membros mais famosos da família real britânica.  De acordo com a AFP, a série vai chamar-se …

Salário mínimo sobe para 950 euros em Espanha

O Governo de Espanha anunciou, esta quarta-feira, um aumento do salário mínimo nacional para 950 euros. A ministra do Trabalho e da Economia Social, Yolanda Díaz, anunciou, esta quarta-feira, a subida do salário mínimo para os …

O Relógio do Juízo Final avança 20 segundos. Faltam 100 para o Apocalipse

O Boletim de Cientistas Atómicos anunciou, esta quinta-feira, que o Relógio do Julízo Final está mais próximo do apocalipse. Especialistas avançaram o relógio 20 segundos para alertar líderes e cidadãos de todo o mundo que …

Juiz que pediu escusa por ser benfiquista continua com o caso dos emails

O presidente do Tribunal da Relação do Porto decidiu julgar improcedente o pedido de escusa do juiz. Em causa estava o facto de ser adepto do Benfica. Segundo o jornal Público, o juiz desembargador Eduardo Pires, …

Portugal piorou no Índice de Perceção de Corrupção

Mais de dois terços dos países, juntamente com muitas das economias mais avançadas do mundo, estão estagnados ou mostram sinais de retrocesso nos seus esforços de combate à corrupção. Segundo o Índice de Perceção de Corrupção …