Mais de 500 mulheres assassinadas em Portugal nos últimos 15 anos

Tânia Rêgo / Agência Brasil

Mais de 500 mulheres foram assassinadas nos últimos 15 anos em contexto de relações de intimidade em Portugal, e só neste ano já morreram 28, algumas baleadas, outras estranguladas ou espancadas, a maioria vítima de violência doméstica.

Os dados são do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA), da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), e constam do relatório preliminar que é esta sexta-feira apresentado, em Lisboa, e que traz a realidade das mulheres assassinadas em Portugal desde 1 de janeiro até ao dia 12 de novembro.

Nesse período, e tendo como fonte as notícias publicadas pela imprensa nacional, o OMA contou 28 mulheres assassinadas em contexto de relações de intimidade ou familiares, além de outras duas mortas em diferentes contextos, e 27 tentativas de homicídio.

Contas feitas, significa que, em média, houve três mulheres assassinadas todos os meses e uma média de cinco mulheres vítimas de formas de violência extrema.

“No que concerne à relação existente entre vítimas e homicidas, à semelhança dos anos anteriores, continuamos a verificar que 53% das mulheres assassinadas mantinha uma relação de intimidade presente com o homicida ao passo que 21% já tinha procurado romper com essa relação”, lê-se no relatório.

Acrescenta que “as relações de intimidade – presentes e anteriores – representam 74% do total de femicídios noticiados”. Por outro lado, ao ser feito o cruzamento entre a incidência do femicídio com a presença de violência doméstica nas relações de intimidade, presentes ou passadas, e relações familiares, foi possível constatar que a maioria (71%) das mulheres assassinadas foi vítima de violência nessa relação.

“Nesse sentido, em 71% das situações é muito provável que alguém próximo tivesse conhecimento de tal violência”, refere o OMA, que aproveita para defender que é urgente implementar programas de prevenção primária.

Esta percentagem corresponde a 20 casos onde se constatou existir um contexto de violência doméstica, dentro dos quais houve 12 em que existiu denúncia, ou seja, processo crime anterior à prática do homicídio.

Os filhos das vítimas

O OMA registou a existência de 45 filhos/as das mulheres mortas, sendo que 26 eram filho/as da vítima fruto de uma relação anterior e 19 eram filhos/as comuns da vítima e do homicida. No total, 16 eram menores de idade, o que leva a UMAR a pedir uma atenção especial para as crianças vítimas dos crimes de género e, em particular, para as crianças que ficam órfãs.

A caracterização da vítima mostrou que o grupo etário que registou mais femicídios foi o das mulheres com idades entre os 36 e os 50 anos (43%), imediatamente seguido pelo grupo etário acima dos 65 anos (21%), sendo que metade das vítimas estava inserida no mercado de trabalho.

Um dado que leva a UMAR a defender a necessidade de aumentar a proteção a estas mulheres e a criação de “estruturas especificas com métodos, instrumentos e respostas especializadas e ajustadas às especificidades das mulheres idosas, sobretudo em zonas mais afastadas dos grandes centros urbanos”.

Já o homicida tem idades entre os 36 e os 50 anos (32%) e entre os 51 e os 64 anos (25%), e a maior parte (57%) estava empregado.

O mês de janeiro destacou-se como aquele que registou o maior número de ocorrências (sete), seguido dos meses de fevereiro, agosto e outubro, com três mortes cada um, não tendo, ainda, sido registado qualquer homicídio em novembro.

“A residência continua a ser o espaço onde a maior parte dos femicídios foram praticados (71%), seguido dos crimes na via pública (18%)”, refere o relatório, acrescentando que a maioria dos crimes aconteceu ou durante a noite ou pela manhã.

A maioria das mulheres (13) foi morta com recurso a arma de fogo, mas houve também oito casos de mulheres esfaqueadas, três espancadas, três estranguladas ou uma morta por asfixia. Na distribuição geográfica, Lisboa surge à frente com sete casos de mulheres assassinadas, seguindo-se Braga e Setúbal, os dois com quatro casos cada.

33 pessoas mortas por violência doméstica em 2019

Numa conferência de imprensa na Presidência de Conselho de Ministros, em Lisboa, para fazer o balanço das medidas apresentadas em agosto de prevenção e combate à violência doméstica, Mariana Vieira da Silva revelou que, de janeiro e até ao dia de hoje, tinham sido mortas 33 pessoas em contexto de violência doméstica.

Tendo por base as estatísticas da Polícia Judiciária em matéria de vítimas de homicídio voluntário consumado em situação de violência doméstica, a ministra adiantou que entre essas 33 vítimas estão 25 mulheres adultas, uma criança e sete homens.

Antes, a ministra tinha revelado que até ao final do mês de setembro tinham sido assassinados 21 mulheres, uma criança e seis homens, o que permite aferir que no prazo de cerca de um mês e meio morreram mais quatro mulheres e um homem.

“O nosso objetivo é passar a ter uma publicação trimestral desta informação com um conjunto de dados”, anunciou Mariana Vieira da Silva.

Revelou também que entre janeiro e setembro deste ano, comparando com o período homólogo do ano passado, houve “um aumento de mais de 10% das ocorrências participadas à PSP e à GNR”, além de um “aumento da capacidade de resposta da rede nacional de apoio às vítimas de violência doméstica, que tem hoje uma subida nos atendimentos na ordem dos 23%”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Chris recebeu um transplante (e o ADN do doador instalou-se em partes inesperadas do seu corpo)

Chris Long recebeu um transplante de medula óssea como tratamento para o seu diagnóstico recente de leucemia mielóide aguda e síndromes mielodisplásicas - duas condições raras que prejudicam a produção de células sanguíneas saudáveis. Quatro anos …

Startup do Porto "ganha" 6 milhões de euros para criar os gémeos digitais dos humanos

A startup portuguesa MyDidimo conseguiu um investimento de 6 milhões de euros, graças a um grupo de empresas portuguesas e de fundos comunitários, para apostar no desenvolvimento da tecnologia que permite criar "gémeos digitais" de …

A "ilha dos deuses" do Japão vai cobrar bilhete de entrada aos turistas

Depois de locais como Veneza, em Itália, e a ilha dos dragões de Komodo, na Indonésia, também Miyajima, a "ilha dos deuses" do Japão, irá cobrar bilhete de entrada aos turistas. A ilha localiza-se a uma …

LASK 3-0 Sporting | Derrota rouba primeiro lugar ao leão

O Sporting foi à Áustria perder por 3-0 com o LASK Linz, terminando o Grupo D da Liga Europa no segundo lugar, ultrapassado precisamente pelo seu adversário desta quinta-feira. Com muitas alterações em relação ao …

Eintracht 2-3 Vitória SC | Reviravolta épica no adeus europeu

O Vitória de Guimarães fechou da melhor forma uma campanha europeia que não tinha sido a mais feliz até então, pese as boas exibições que foi somando, sem consequência nos marcadores finais. O Vitória de Guimarães, …

Argentina concede estatuto de refugiado a Evo Morales

O ex-Presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou esta quinta-feira à Argentina procedente de Cuba, onde esteve para realizar uma consulta médica, e deverá permanecer no país, confirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros argentino, Felipe Solá. "Evo …

Conselheiro de Trump criou perito fictício para discutir a China (e até o cita nos livros)

O principal conselheiro em política comercial da Casa Branca criou uma personagem fictícia, com um pseudónimo, para lançar discussões sobre o conflito comercial sino-norte-americano. De acordo com o jornal norte-americano New York Times, que avançou a …

Ataque a base militar no Níger faz mais de 70 mortos

Pelo menos 73 soldados nigerinos morreram num ataque a uma base militar em Inates, perto da fronteira com o Mali, na noite de terça-feira. De acordo com os números do exército do Níger, pelo menos …

Nem vegans, nem vegetarianos. É a dieta flexitariana que está a ganhar terreno em Portugal

Cerca de 9% da população portuguesa adoptou uma alimentação veggie, apostando no consumo de vegetais. Mas a nova tendência não são nem os vegetarianos que excluem a carne e o peixe da sua alimentação, nem …

Caretos de Podence elevados a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO

Os Caretos de Podence foram declarados, esta quinta-feira, Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO. A decisão foi anunciada na Assembleia Geral da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que decorre até sábado, em …