Mais de 45 milhões de franceses escolhem hoje quem passa à segunda volta

Wael Hamzeh / EPA

Marine Le Pen em visita ao Líbano

Mais de 45 milhões de eleitores escolhem, este domingo, os dois candidatos que passam à segunda volta das eleições presidenciais, com as sondagens a indicarem que o confronto decisivo vai opor Emmanuel Macron a Marine Le Pen.

As sondagens mais recentes publicadas sobre as presidenciais francesas colocam Emmanuel Macron (centro) à frente de Marine Le Pen (extrema-direita), com 24% e 22% respetivamente, e Jean-Luc Mélenchon (esquerda) e François Fillon (direita) empatados com 19%.

Macron lançou-se na corrida presidencial francesa projetando a imagem de um político novo e descomprometido, “nem de direita nem de esquerda”, e tornou-se no favorito para derrotar a candidata da extrema-direita.

O ex-governante, de 39 anos, nunca foi eleito e demitiu-se do cargo de ministro da Economia (2014-2016) do Governo do Presidente François Hollande para apresentar a candidatura.

Noutras sondagens é a líder da extrema-direita francesa a aparecer no topo da lista. O partido de Le Pen, a Frente Nacional, foi o mais votado nas europeias de 2014 e nas regionais de 2015, com 25% e 28%.

Por outro lado, as sondagens também indicam de forma consistente que Le Pen, de 48 anos, até pode ganhar a primeira volta, mas perde na segunda.

Às eleições presidenciais francesas apresentam-se onze candidatos.

Na sondagem do instituto Ipsos para a rádio France Info, a seguir aos quatro primeiros (Macron, Le Pen, Mélenchon e Fillon) surge o socialista Benoît Hamon, com 7,5% das intenções de voto. Os outros seis candidatos – Philippe Poutou, Nicolas Dupont-Aignan, Nathalie Arthaud, Jean Lassalle, François Asselineau e Jacques Cheminade – obtiveram percentagens abaixo dos cinco pontos.

Ameaças não estragam expetativas de “mais participação” eleitoral

Hermano Sanches Ruivo preside a mesa número 41 da escola La Sibelle, que tem duas mesas de voto onde estão inscritos três mil eleitores, e para o vereador-executivo da câmara de Paris esta é uma eleição “diferente das precedentes”.

“Temos o sentimento que vamos ter mais participação porque está muito mais renhido. A própria mobilização é dessa forma mais consequente. Agora, é um dado adquirido, a abstenção é um partido em França, essa noção em que uma série de pessoas dizem ‘Eu não quero participar’ é de facto uma realidade”, afirmou à Lusa.

O franco-português explicou que face a uma “outra fase do terrorismo e da vida da democracia”, foram reforçadas as medidas de segurança, os membros das mesas de voto foram formados para uma maior vigilância e há um segurança à entrada desta escola do 14.º bairro de Paris.

Pela primeira vez, as eleições presidenciais acontecem num período de estado de emergência instaurado após os atentados terroristas de 13 de novembro de 2015 e o voto decorre três dias depois do ataque na avenida dos Campos Elísios, tendo sido mobilizados para todo o país mais de 50 mil polícias e guardas, apoiados por sete mil militares.

“Tentamos claramente ter a maior segurança possível, não colocando uma espécie de pressão, de medo sobre a própria população. Aqui, as equipas estão formadas, temos um número de alerta que devemos acionar logo que possa surgir [um problema]”, afirmou Hermano Sanches Ruivo.

O franco-português acrescentou que “o segurança na entrada faz um primeiro trabalho”, depois os membros das mesas de voto devem vigiar com algum cuidado”, há “equipas militares e equipas de polícia que vão todo o dia passar pelas diferentes mesas de voto” e há “o plano Vigipirate que implica que militares vão passando com alguma regularidade pelos diferentes espaços”.

Willian Litolff, com o cartão de eleitor número 977, entra numa das cabinas de voto e instantes depois sai com o envelope em direção à mesa da urna, onde é feita uma última verificação da sua identidade, assinando depois as folhas de presença e inserindo o voto na caixa transparente, seguido de um sonoro “A Voté” (“Votou”).

“Foi uma escolha difícil, mas decidi há alguns dias. Desta vez havia quatro candidatos próximos e hesitava entre dois. Então, escolhi Mélenchon porque é uma esperança para França, ainda que talvez não passe à segunda volta”, afirmou o jovem à Lusa, à saída da sala.

Michel Mourachoff, de 72 anos, já tinha feito a escolha “há muito tempo” e preferiu Emmanuel Macron porque “é o que se quer ocupar de todos os franceses e é preciso renovar as equipas”, mesmo que admita não gostar de tudo o que consta do seu programa.

Philippe Debrun, de 78 anos, contou que “não foi nada uma escolha difícil” e votou François Fillon: “Ele tem um programa bem feito. Se não passar à segunda volta, vou votar por eliminação porque não quero que vença Marine Le Pen”, indicou.

Mesmo se os diários franceses indicam que a primeira volta das presidencias se realiza sob a ameaça terrorista, Jeannette Kremen, de 61 anos, disse não ter medo de ir votar porque também pode “ser atropelada ao sair de casa”, afirmando que até hesitou em exercer o seu direito de voto mas “por falta de solidez dos candidatos”, tendo acabado por deslocar-se “porque o voto foi uma luta de séculos”.

“Votei Mélenchon porque penso que é preciso passar a uma sexta república porque o Governo francês é uma democracia monárquica. É preciso que alguém dê um pontapé a isto durante cinco anos e que acabe com todos os podres que tem havido nos últimos 30, 40 anos na vida política francesa. Não concordo com a saída da Europa, mas não acredito que o faça porque tem de consultar o povo francês”, indicou.

As mesas de voto abriram às 08h00 (07h00 em Lisboa) e encerram às 20h00 em Paris e nas grandes cidades, fechando uma hora mais cedo nas outras localidades.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

As pessoas que comem mais gordura láctea têm menor risco de doença cardíaca

As pessoas que fazem uma dieta com maior teor de gordura láctea têm um menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares, revela um novo estudo. Uma equipa internacional de cientistas estudou o consumo de gordura láctea de …

Alaphilippe revalida título de campeão mundial de fundo

O francês Julian Alaphilippe revalidou neste domingo o título de campeão mundial de fundo, ao cortar isolado a meta no final da “prova rainha” dos Mundiais de ciclismo de estrada, que decorreram na região belga …

Do céu ao inferno. Adeptos do Palmeiras chamam "arrogante" a Abel Ferreira

O Palmeiras perdeu e está cada vez mais longe da liderança do Brasileirão. Os adeptos estão insatisfeitos com as exibições e chamaram "arrogante" a Abel Ferreira. O Palmeiras, treinado pelo português Abel Ferreira, perdeu na deslocação …

Mesmo depois da morte de Ihor, centro do aeroporto ainda tem videovigilância "muito limitada"

Um ano e meio após a morte de Ihor Homeniuk, o centro de instalação temporária do aeroporto de Lisboa (CIT) continua sem cobertura total de câmaras de videovigilância em zonas comuns. A situação atual distancia-se daquilo …

Liveblog Autárquicas. Afluência de 42,34% até às 16h

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …