Um passo para trás. Afinal, os políticos vão poder guardar prendas e aceitar viagens

Rodrigo Gatinho / portugal.gov.pt

Luís Marques Guedes, presidente da Comissão de Transparência

Esta quarta-feira, a comissão de reforço da transparência deu um passo atrás no que diz respeito ao registo de ofertas por titulares de cargos políticos ou públicos.

Foram várias as tardes que os deputados da Comissão da Transparência perderam a atirar argumentos sobre qual o limite aceitável para um político ou alto dirigente público receber uma prenda ou uma viagem de uma entidade privada. Aliás, esta comissão aprovou, num texto inicial, o registo público na Internet para todas as ofertas e a entrega de prendas de valor superior a 150 euros.

No entanto, esta quarta-feira, o passo dado foi à retaguarda – e os responsáveis foram os deputados do PSD e do PS, uma vez que foram estes que mudaram o sentido de voto entre o tal texto inicial e as votações feitas recentemente.

Desta forma, não há, afinal, qualquer necessidade de registo das ofertas recebidas no desempenho das funções por políticos e altos dirigentes do Estado. No fundo, estes só precisam de as apresentar ao organismo a que pertencem. Posteriormente, será este organismo a decidir o que fazem com o bem em causa, esclarece o Público.

Na prática, as ofertas superiores a 150 euros têm de ser comunicadas ao organismo a que os titulares pertencem, mas este pode deixá-los ficar com elas. A prenda pode parar na casa de quem a recebeu.

O PSD tinha votado contra esta proposta, mas acabou por ajudar com uma abstenção. Desta forma, esta votação recente contou com o voto favorável do PS e do PCP e abstenção do PSD.

No ano passado, em sucessivas reuniões da comissão eventual para o reforço da transparência no exercício de funções públicas, foram vários e acalorados os debates sobre que ofertas e hospitalidades deveriam ser registadas pelas entidades e qual o valor.

Em 23 de outubro de 2018, os partidos deram sinais de entendimento sobre o valor das ofertas que os titulares de cargos públicos ou políticos poderiam receber, embora faltasse definir se esse limite poderia ser de 150 euros.

Na reunião, as bancadas aceitaram o princípio de existir um valor a partir do qual o titular do cargo, ministro, deputado e autarca, pode ficar com a tal “oferta institucional”, ou se fica na propriedade da entidade a que pertence, e admitiram tentar uma solução de consenso.

O deputado socialista Jorge Lacão disse que não aceitava que o valor, seja de 150 euros ou outro, seja usado “numa espécie de strip tease de um político ou titular de cargo público, que “regista uma bagatela” para “caricatura” e “diversão da comunicação social”.

O valor de 150 euros é uma referência já usada pelo Governo no seu Código de Conduta, adotado após a polémica da oferta de viagens ao europeu de futebol de 2016 de três secretários de Estado.

Viagens e alojamento

Neste ponto, PSD, PS e PCP voltaram a unir forças para fazer aprovar uma regra que estipula que “não está sujeita a dever de registo a aceitação de ofertas, de transporte ou alojamento que ocorra no contexto das relações pessoais ou familiares” e outras que permitem aceitar quaisquer convites compatíveis com a “relevância de representação própria do cargo” ou “cuja aceitação corresponde a ato de cortesia ou urbanidade institucional”.

Este foi o mote que levou Paulo Trigo Pereira a disparar, afirmando que a nova lei não passa de um “desastre total e absoluto” que permite “total opacidade para os convites privados” e “descredibiliza” o processo legislativo.

Trigo Pereira foi mais longe, e referiu que casos como as viagens pagas pela Galp ao Euro 2016 que levaram às demissões no Governo e a processos judiciais a deputados passam agora a ser legais.

Pedro Delgado Alves, do PS, afirmou, porém, que quem aceita estes convites fica impedido de intervir em questões que envolvam essa entidade e isso assegura a transparência. Por sua vez, Pedro Filipe Soares (BE) e Vânia Dias da Silva (CDS) lamentaram não haver registo de todas as ofertas ou pelo menos de um valor mínimo de 150 euros; António Filipe (PCP) recusou o “registo de bagatelas” e a submissão a códigos de conduta e Álvaro Batista (PSD) vincou o “valor equilibrado” do que fica aprovado.

Entidade para a Transparência

Os deputados acabaram também por aprovar, no novo “regime do exercício de funções pelos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”, a criação da Entidade para a Transparência, que ficará encarregue da análise e fiscalização das declarações de rendimentos, património e interesses destes titulares.

De acordo com o diário, foi ainda aprovada a obrigação de entrega de uma declaração três anos após a saída do cargo para, desta forma, controlar se houve um acréscimo desmesurado do património, e também sanções mais fortes para quem não entregar a declaração – seja com ou sem intenção.

O Público dá um exemplo: se não declarar rendimentos a que estava obrigado de valor superior a 50 salários mínimos, pode ser punido com pena de prisão até três anos e esse património será tributado à taxa de 80% no IRS. Além disso, se for um antigo titular e não entregar a declaração pode ficar inibido de voltar a um cargo destes por um período de um a cinco anos.

LM, ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. isto nem merece comentários

    é mais do mesmo

    na hora da verdade todos calam, todos consentem, quanto mais obscuro melhor. É fartar vilanagem…..

    convém ficar tudo muito nebuloso, não vá amanhã ser eu…..

  2. Não era de esperar menos dos nosso politicos !
    Criam comissões para tudo e mais alguma coisa, pregam a luta contra a corrupção mas o povo (algum) já
    sabe onde a corrupção começa !
    É por estas e por muito mais que eu não voto em nenhum governo há mais de 20 anos.
    Isto é só com metralhadora na AR ! Governos mudam, os politicos são os mesmos e quem é cego é o povo.
    A justiça não lhes pega, vão para a reforma após 2 mandatos, são lobbystas a tempo inteiro, etc etc e o pobre
    do povinho ainda bate palmas.

  3. depois de ler a notícia fiquei com mais uma garantia que os nossos políticos apenas ocupam a lugar não para servir a coisa pública mas para dai tirarem o máximo proveito em seu favor. ( fico triste )

    Eles ( políticos) já não beneficiam de um ordenado muito superior ao resto da população?

    Já não têm um plano de reforma diferente dos outros cidadãos?
    Pergunto as ofertas / prendas vão servir para pagar o quê? Serviços extras? Que serviços extras que não estão cobertos pelo seu vencimento para precisar de um pagamento extra???

    Será que devo continuar a compactuar com isto que não compreendo?

    Será que devo votar nas próximas eleições?

  4. Mais uma vez os políticos acotovelam-se para branquear à descarada a corrupção grassante na classe. E depois vem se queixar que são considerados como bandidos. Claro que são ! Por mim sim ! E Sempre ! até provas em contrário. Aceitar uma viagem e alojamento “generosamente” oferecida por uma empresa de alguma estatura, seja para o político ou para sua família, para mim é corrupção. Essa empresa “generosa” vai querer algo em troca. Querem sempre ! E esse “algo em troca” sai sempre do bolso do estado. Isto é, de nós todos. Basicamente, vamos todos pagar para que um imbecil qualquer goze à grande. Já perceberam porque quiseram o Rui Pinto cá ? Não é para investigar a corrupção nem deixar que se investigue. É para o calar !

    • o nível de descaramento dessa cambada é assustador! Já não há qualquer pudor em “legalizar” aquilo que devia ser absolutamente proibido… e mesmo quando ( aparentemente ) a coisa não descamba, eles arranjam sempre maneira de receber “luvas” por baixo da mesa, porque as coisas foram feitas exactamente para se processarem dessa maneira… basta ver por exemplo o que aconteceu com o candidato a presidente da republica Paulo Morais, uma pessoa com um currículo e aspirações dignos do cargo, e que foi relegado para segundo plano, por não ter partido e visar concretamente a ética e transparência na classe politica…

  5. Nem devia haver discussão: NÃO deve ser permitido receber qualquer tipo de presentes/ofertas, de qualquer valor. Ponto final.

    Como alguém já disse, quem oferece espera algo em troca. E quem recebe, acaba fatalmente por sentir-se “obrigado” a retribuir, mais cedo ou mais tarde, de uma forma ou outra.

    Quem ocupa cargos políticos/públicos DEVE ser INDEPENDENTE, portanto, transparência TOTAl e presentes ZERO!

RESPONDER

Vila Galé abandona projeto que ameaçava reserva indígena no Brasil

O Vila Galé anunciou que vai abandonar o projeto para a instalação de um resort na região da Bahia, que tem estado debaixo de críticas por estar previsto para um local de potencial reserva indígena. Em …

Depois de ter sido expulsa da Hungria, universidade criada por George Soros reabre na Áustria

A Universidade da Europa Central, criada pelo bilionário George Soros em Budapeste, na Hungria, em 1991, foi expulsa do país depois que o primeiro-ministro Viktor Orbán a acusou de promover valores liberais no país, incluindo …

Bloco defende fim de portagens nas ex-Scut do interior

A coordenadora do BE defendeu esta segunda-feira, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de "rever" as parcerias público-privadas rodoviárias por serem "absolutamente lesivas para os cofres …

Jovem muçulmana de Tavira já tem equipamento para jogar basquetebol

A jovem atleta do Clube de Basquetebol de Tavira, impedida de alinhar num jogo no passado domingo, já possui o equipamento que lhe permite jogar segundo as regras da modalidade e da religião muçulmana. Fátima Habib …

Presidente da Catalunha começa a ser julgado por desobediência

O presidente do Governo regional da Catalunha reconheceu, esta segunda-feira, que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser "ilegal" e de cumprimento "impossível". "Sim, eu desobedeci", …

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …

Trump admite testemunhar no inquérito para a sua destituição

O Presidente dos EUA admitiu, esta segunda-feira, "considerar seriamente" a possibilidade de testemunhar por escrito no inquérito para a sua destituição, que decorre no Congresso. "Embora não tenha feito nada de errado e não goste de …

INE espanhol está a "espiar" telemóveis para estudo estatístico

Um estudo do INE espanhol está a receber duras críticas por alegadamente infringir a privacidade de dados dos cidadãos. O gabinete irá monitorizar os telemóveis dos espanhóis. O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Espanha deu …

Donald Tusk vai presidir o Partido Popular Europeu

O presidente do Conselho da União Europeia (UE) é o único candidato à presidência do Partido Popular Europeu (PPE) e vai suceder no cargo ao francês Joseph Daul. Esta será a primeira vez que um europeu …

EUA. Casal vegan vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses

Um casal americano, que segue uma alimentação vegan, vai ser julgado por homicídio depois da morte do filho de 18 meses, por malnutrição. Ambos vão permanecer detidos até à data do julgamento, em dezembro. Segundo noticiou …