2016 é “muito provavelmente” o ano mais quente de sempre

O ano de 2016 vai “muito provavelmente” ser o mais quente desde que há registos, alertou esta segunda-feira a ONU, destacando as consequências calamitosas para a humanidade da inação no combate ao aquecimento global.

As temperaturas médias do ano vão atingir 1,2 Celsius acima dos níveis pré-Revolução Industrial, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“Se isso se confirmar, o século XXI vai contar com 16 dos 17 anos mais quentes desde o início dos registos, no final do séc. XIXX”, lê-se num comunicado divulgado à margem da conferência da ONU sobre o clima (COP22) a decorrer em Marraquexe, Marrocos.

A conferência reúne mais de 190 países para debater a sequência do acordo de Paris, assinado no ano passado para limitar o aquecimento global a 2ºC.

O novo recorde significa que o planeta está agora a mais de meio caminho de atingir o limite de 2º C, idealmente 1,5ºC, acordado para afastar o pior cenário de consequências das alterações climáticas.

Mais um ano, mais um recorde. As altas temperaturas que vimos em 2015 vão ser ultrapassadas em 2016″, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, num comunicado.

O fenómeno climático El Niño fez subir as temperaturas nos primeiros meses do ano, mas mesmo depois de os seus efeitos se dissiparem, por altura da primavera, as temperaturas mantiveram-se elevadas.

Em partes da Rússia ártica, as temperaturas foram 6ºC a 7ºC mais altas que a média, segundo o texto. Outras regiões árticas e subárticas da Rússia, Alasca e noroeste do Canadá foram pelo menos 3ºC acima da média.

A única grande região continental onde a temperatura foi inferior ao normal foi a zona subtropical da América do Sul – norte e centro da Argentina e parte do Paraguai e da Bolívia.

“Estávamos habituados a medir recordes de temperatura em frações de grau, isto é muito diferente”, afirmou Taalas.

E, além da temperatura mundial, outros indicadores das alterações climáticas também apresentam valores recorde, segundo a OMM.

A concentração dos principais gases com efeito de estufa na atmosfera atingiu em 2015 e 2016 níveis sem precedente, atingindo 400 partes por milhão em 2015 e provavelmente ultrapassando esse nível em 2016.

“Por causa das alterações climáticas, a ocorrência e impacto de acontecimentos extremos aumentou”, sublinhou a OMM. As ondas de calor e as cheias, que outrora ocorriam uma vez numa geração, são agora muito mais regulares.

Exemplos disso em 2016 foram o furacão Matthew, que devastou o Haiti em outubro, as cheias na China, várias ondas de calor, grandes secas e o maior fogo florestal da história do Canadá.

O aumento da ocorrência e impacto de desastres provocados pelas alterações no clima provocam episódios graves de escassez alimentar, migrações em massa e conflitos, advertiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. ( já está uma discussão em curso sobre as alterações climáticas na secção de comentários, aqui
    http://zap.aeiou.pt/vem-ai-mini-era-do-gelo-consequencias-catastroficas-terra-137627 )

    Este tipo de notícia já começa a ter barbas… brancas.

    Basta analisar o gráfico
    http://www.drroyspencer.com/wp-content/uploads/UAH-v6-LT-with-2016-projection-2.gif

    feito com dados obtidos por satélite para nos darmos conta que muitas das notícias sobre recordes de calor são falsas.

    Além do mais, parece-me que 1,2 graus celsius de aumento da temperatura global em relação ao período pré-Revolução Industrial não é motivo para qualquer tipo de preocupação.

    Se soubermos um pouco de História vemos que o período pré-Revolução Industrial terminou ao mesmo tempo que a Pequena Idade do Gelo (em 1850) pelo que me parece apenas lógico que a temperatura aumente com o fim da Pequena Idade do Gelo. Tudo o resto é conversa!

    Por falta de tempo, já estava a dar o comentário por terminado mas reparei no último parágrafo da noticia onde alguém põe a culpa das migrações em massa nas alegadas alterações climáticas e isso é do mais ignóbil que pode existir.
    As migrações em massa a que se têm assistido, por exemplo, na Europa nos últimos anos absolutamente nada têm a ver com o clima.
    Responsabilizarem o clima é lavarem daí as mãos, é desresponsabilizarem-se pela falta de acção perante as muitas tragédias de que vamos tendo notícias em certas partes do mundo provocadas quer por guerras quer por líderes déspotas que afectam gravemente as condições de vida ou até sobrevivência das populações. Tais cientistas e (ainda mais grave) políticos deviam ter vergonha na cara e fazer um mea-culpa por frequentemente deixarem simplesmente as tragédias acontecerem ou, pelo menos, até que as notícias de tais tragédias cheguem ao conhecimento público quando, por vezes, até já é tarde demais para agir!

RESPONDER

"Hormona da fome" pode influenciar memória e fazer com que se coma mais

Um novo estudo, liderado por investigadores da University of Southern California, sugere que as hormonas reguladoras da fome produzidas pelo estômago também podem influenciar a memória e a função cognitiva. Em 2018, a equipa de especialistas …

Costa diz que estado de emergência “não está em cima da mesa” (e adia discussão sobre app obrigatória)

O primeiro-ministro António Costa, em entrevista à TVI esta segunda-feira, falou sobre a obrigatoriedade do uso de máscara e da app Stayway Covid, da possibilidade de o país voltar ao estado de emergência e do …

Nove meses depois de ter chegado ao United, Bruno Fernandes vai ser capitão

O futebolista internacional português Bruno Fernandes foi escolhido pelo treinador do Manchester United para usar a braçadeira de capitão no encontro da primeira jornada da Liga dos Campeões. O antigo jogador do Sporting, que deixou os …

Preocupada com casos na Europa e América do Norte, OMS insiste na quebra de cadeias de transmissão

Os responsáveis máximos da Organização Mundial da Saúde (OMS) insistiram esta segunda-feira na importância de os governos quebrarem as cadeias de transmissão da covid-19 e afirmaram-se preocupados com o aumento de casos na Europa e …

Aquecer resíduos plásticos com microondas pode gerar hidrogénio limpo

Uma equipa de cientistas conseguiu gerar hidrogénio limpo através de um processo simples, aquecendo resíduos plásticos com microondas. O crescente uso de plástico descartável gerou um sério problema ambiental, sendo que, todos os anos, são produzidas …

Erupções vulcânicas podem explicar os misteriosos cristais da Dinamarca

Algumas das maiores espécies de cristais raros de carbonato de cálcio do mundo, também conhecidos como glendonitas, são encontrados na Dinamarca e isso pode ser explicado pelas erupções vulcânicas. Os cristais foram formados há cerca de …

O antigo campo magnético da Lua pode ter servido de "escudo" para atmosfera da Terra

Há 4 mil milhões de anos, a Lua pode ter protegido a atmosfera Terra, através do seu já extinto campo magnético, do Sol, sugere uma nova investigação, levada a cabo por um especialista da agência …

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …