2016 é “muito provavelmente” o ano mais quente de sempre

O ano de 2016 vai “muito provavelmente” ser o mais quente desde que há registos, alertou esta segunda-feira a ONU, destacando as consequências calamitosas para a humanidade da inação no combate ao aquecimento global.

As temperaturas médias do ano vão atingir 1,2 Celsius acima dos níveis pré-Revolução Industrial, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“Se isso se confirmar, o século XXI vai contar com 16 dos 17 anos mais quentes desde o início dos registos, no final do séc. XIXX”, lê-se num comunicado divulgado à margem da conferência da ONU sobre o clima (COP22) a decorrer em Marraquexe, Marrocos.

A conferência reúne mais de 190 países para debater a sequência do acordo de Paris, assinado no ano passado para limitar o aquecimento global a 2ºC.

O novo recorde significa que o planeta está agora a mais de meio caminho de atingir o limite de 2º C, idealmente 1,5ºC, acordado para afastar o pior cenário de consequências das alterações climáticas.

Mais um ano, mais um recorde. As altas temperaturas que vimos em 2015 vão ser ultrapassadas em 2016″, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, num comunicado.

O fenómeno climático El Niño fez subir as temperaturas nos primeiros meses do ano, mas mesmo depois de os seus efeitos se dissiparem, por altura da primavera, as temperaturas mantiveram-se elevadas.

Em partes da Rússia ártica, as temperaturas foram 6ºC a 7ºC mais altas que a média, segundo o texto. Outras regiões árticas e subárticas da Rússia, Alasca e noroeste do Canadá foram pelo menos 3ºC acima da média.

A única grande região continental onde a temperatura foi inferior ao normal foi a zona subtropical da América do Sul – norte e centro da Argentina e parte do Paraguai e da Bolívia.

“Estávamos habituados a medir recordes de temperatura em frações de grau, isto é muito diferente”, afirmou Taalas.

E, além da temperatura mundial, outros indicadores das alterações climáticas também apresentam valores recorde, segundo a OMM.

A concentração dos principais gases com efeito de estufa na atmosfera atingiu em 2015 e 2016 níveis sem precedente, atingindo 400 partes por milhão em 2015 e provavelmente ultrapassando esse nível em 2016.

“Por causa das alterações climáticas, a ocorrência e impacto de acontecimentos extremos aumentou”, sublinhou a OMM. As ondas de calor e as cheias, que outrora ocorriam uma vez numa geração, são agora muito mais regulares.

Exemplos disso em 2016 foram o furacão Matthew, que devastou o Haiti em outubro, as cheias na China, várias ondas de calor, grandes secas e o maior fogo florestal da história do Canadá.

O aumento da ocorrência e impacto de desastres provocados pelas alterações no clima provocam episódios graves de escassez alimentar, migrações em massa e conflitos, advertiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. ( já está uma discussão em curso sobre as alterações climáticas na secção de comentários, aqui
    http://zap.aeiou.pt/vem-ai-mini-era-do-gelo-consequencias-catastroficas-terra-137627 )

    Este tipo de notícia já começa a ter barbas… brancas.

    Basta analisar o gráfico
    http://www.drroyspencer.com/wp-content/uploads/UAH-v6-LT-with-2016-projection-2.gif

    feito com dados obtidos por satélite para nos darmos conta que muitas das notícias sobre recordes de calor são falsas.

    Além do mais, parece-me que 1,2 graus celsius de aumento da temperatura global em relação ao período pré-Revolução Industrial não é motivo para qualquer tipo de preocupação.

    Se soubermos um pouco de História vemos que o período pré-Revolução Industrial terminou ao mesmo tempo que a Pequena Idade do Gelo (em 1850) pelo que me parece apenas lógico que a temperatura aumente com o fim da Pequena Idade do Gelo. Tudo o resto é conversa!

    Por falta de tempo, já estava a dar o comentário por terminado mas reparei no último parágrafo da noticia onde alguém põe a culpa das migrações em massa nas alegadas alterações climáticas e isso é do mais ignóbil que pode existir.
    As migrações em massa a que se têm assistido, por exemplo, na Europa nos últimos anos absolutamente nada têm a ver com o clima.
    Responsabilizarem o clima é lavarem daí as mãos, é desresponsabilizarem-se pela falta de acção perante as muitas tragédias de que vamos tendo notícias em certas partes do mundo provocadas quer por guerras quer por líderes déspotas que afectam gravemente as condições de vida ou até sobrevivência das populações. Tais cientistas e (ainda mais grave) políticos deviam ter vergonha na cara e fazer um mea-culpa por frequentemente deixarem simplesmente as tragédias acontecerem ou, pelo menos, até que as notícias de tais tragédias cheguem ao conhecimento público quando, por vezes, até já é tarde demais para agir!

RESPONDER

Aposta no Parlamento. 10% dos deputados são candidatos às autárquicas

De acordo com as contas do semanário Expresso, 23 deputados da Assembleia da República, ou seja, 10% dos 230 que compõem o hemiciclo, são candidatos às eleições autárquicas do outono. Na quinta-feira, foi aprovado na generalidade …

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …