Zero pontos, câmara partida, cocaína: 13 anormalidades na Eurovisão

Robin Van Lonkhuijsen / EPA

Grande final da Eurovisão 2021

Roterdão recebeu a 65.ª edição do Festival da Canção da Eurovisão. Portugal ficou no 12.º lugar num evento ganho pela Itália e pelo rock. Aqui fica a lista de registos ou momentos invulgares que se registaram nos Países Baixos.

1.º – A Itália ganhou. Desde 1990 que o troféu não seguia para Itália. Na altura, a música vencedora foi ‘Insieme: 1992’, de Toto Cutugno.

2.º – O rock ganhou. Uma raridade no Festival da Eurovisão. A última vez que este estilo de música tinha triunfado havia sido em 2006, quando a Finlândia conseguiu o primeiro posto graças aos Lordi e à sua canção ‘Hard Rock Hallelujah’.

3.º – As melodias ‘Zitti e buoni’, de Itália, ‘Voilà’, de França, e ‘Tout l’Univers’, da Suíça, ocuparam o pódio por esta ordem. Ou seja, nenhuma das três primeiras classificadas foi escrita em inglês. Não acontecia há 26 anos.

4.º – Portugal ficou no 12.º lugar, ou seja na primeira metade da classificação final. Foi apenas a segunda vez no século XXI que a representação lusa conseguiu ficar na primeira metade, na final (a própria presença na final não tem sido frequente). A outra exceção foi a vitória de Salvador Sobral, em 2017.

5.º – Na final, Portugal recebeu 12 pontos de um júri nacional – o da República Checa. Uma raridade na história do festival (esquecendo a vitória em 2017).

6.º – O atual sistema de votação estreou-se apenas em 2016 mas esta foi a primeira vez, dentro deste sistema, que um país terminou a final com zero pontos. Foi o Reino Unido, que não mereceu qualquer ponto, nem dos júris nacionais, nem do telespectadores. E logo na final que teve mais audiências televisivas no Reino Unido, nos últimos sete anos.

7.º – Foi também a primeira vez, com este sistema de votação, que quatro países não receberam pontos dos telespectadores: Países Baixos (a comitiva da casa), Espanha, Alemanha e Reino Unido ficaram a zero no televoto.

8.º – Os cinco “grandes” da Eurovisão, os denominados Big Five, ocuparam lugares extremos na classificação na final: Itália e França foram os dois primeiros mas Espanha, Alemanha e Reino Unido foram os três últimos. A anormalidade aqui foi o contraste; porque tem sido frequente o Big Five estar representado nos últimos lugares, ou mesmo no último lugar.

9.º – A Austrália tinha estado sempre na final, desde a sua estreia (2015). Desta vez não esteve. Agora a Ucrânia é o único país que conseguiu sempre superar as meias-finais desde que essa fase apareceu na Eurovisão, em 2004.

10.º – A Islândia atuou na final (atuação gravada) mas não estava no pavilhão que recebeu o evento, neste sábado. Um caso de coronavírus afastou a comitiva islandesa das restantes.

11.º – Um imprevisto atrasou a atuação da Irlanda na primeira meia-final. A culpada foi uma das câmaras televisivas, que se partiu, segundos antes da música irlandesa. Uma das apresentadoras ficou a “encher chouriços” nesse período.

12.º – Depois da final, durante a conferência de imprensa, um jornalista sueco perguntou a Damiano David, o vocalista do grupo vencedor Måneskin, se estava a consumir cocaína, quando foi apanhado pela transmissão em direto a baixar-se para a mesa, num movimento que parecia de consumo de drogas.

O vocalista negou, explicando que se baixou porque outro membro do grupo tinha partido um copo: “Eu não tomo drogas, por favor não digam isso”. Mais tarde, um comunicado dos Måneskin acrescentou: “Estamos prontos para fazermos testes, nada temos a esconder”. E, no dia seguinte à final, a própria União Europeia de Radiodifusão anunciou que Damiano David vai realizar um teste voluntário.

E ainda…

13.º – Casa cheia. Sim, quem viu o evento pela televisão, reparou que estavam 3.500 pessoas dentro daquele pavilhão em Roterdão – e ninguém usava máscara. Foram realizados testes ao coronavírus, de dois em dois dias, a todas as pessoas que entraram no recinto. No total, 0.06% dos testes foram positivos.

Nuno Teixeira, ZAP //

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. Essa do italiano consumir droga é mesmo de quem não sabe do que fala … para mandar um risco, em cima de uma mesa, é preciso algo parecido com um tubo para puxar o produto para o nariz. E pelo menos uma mão ficaria ocupada momentaneamente. Sem isso, é praticamente impossível, a não ser que a leve perto do nariz, em cima de alguma coisa. E para isso, tinha que se levantar e mostrar o que tinha. Nada disto aconteceu. Não havia “pó de arroz” na beiça nem nada. Sendo assim, esta é uma “não-notícia”…

  2. “No cocaine… Please don’t say that…” – ó filho nestas coisas, ou a gente prova que não foi isso, ou a gente assume que foi. Agora “please don’t say that” não prova que não o fizeram.

  3. Anormal é escrever-se “anormalidade”. Não sei se conhecem mas a palavra correta é ANOMALIA. é só gafes e desinformação nestas notícias. Numa página, aproveita-se uma frase, o resto é repetição de informação nenhuma. Os títulos são na maioria, enganadores ou incorrectos. Dir-se-ia que este novo normal jornalístico é bastante anormal.

    • Cara leitora,
      Há uma diferença entre uma anormalidade e uma anomalia.
      O texto elenca um conjunto de aspetos que fugiram ao que é normal, não um conjunto de irregularidades que fogem às normas.
      O termo correto a usar no título é, portanto, “anormalidades”.
      Quanto ao texto, cujo conteúdo critica, não é uma notícia, é uma recolha de peculiaridades, detalhes e informações acerca do evento, que parecem curiosamente ter despertado o interesse de um grande número de leitores do ZAP.
      Está no seu direito de não ter achado interesse ao texto. É a sua opinião.
      Já não é seu direito dela partir para nos acusar de intenções enganadoras, que repudiamos totalmente.
      Mas esse tipo de acusações parece também fazer parte do novo normal de alguma audiência.

    • Mais incrível é que, mesmo com tudo isso que apontas, ainda continues a vir cá. Se é assim tão mau… o que é que andas aqui a fazer?!
      Deve ser masoquismo.

  4. Não costumo assistir ao festival da Eurovisão e também não sou perita em geografia mas, tenho a certeza que a Austrália não pertence à Europa (Ponto 9)!!!

    • Cara leitora,
      Tem toda a razão, a Austrália não pertence à Europa.
      Mas o evento convida frequentemente países de fora da Europa a participar, como é o caso de Israel, e a Austrália, onde o concurso é muito popular e que o transmite na TV desde 2005, é um dos países não europeus com presença regular na Eurovisão.
      A sua primeira participação foi em 2015.

    • Mais uma desinformada que queria armar-se em espera e demonstrou bem aquilo que é. Apenas uma distraída.

  5. A Austrália ???? ….. Passou a fazer parte da Europa ?
    Ou será que quem escreveu o texto, queria dizer a Áustria….

    • Caro leitor,
      Conforme tivemos oportunidade de explicar no comentário acima, a Austrália não pertence à Europa.
      Mas o evento convida frequentemente países de fora da Europa a participar, como é o caso de Israel, e a Austrália, onde o concurso é muito popular e que o transmite na TV desde 2005, é um dos países não europeus com presença regular na Eurovisão.
      A sua primeira participação foi em 2015.

    • Outro iluminado. Primeiro bate, depois pergunta. Se perdessem um pouco do vosso tempo perceberiam que é possível evitar ser ridículo. E ainda por cima ofensivos nos comentários “patetas” que fazem.

RESPONDER

Requiem. Supernova irá fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037

Uma supernova distante, chamada Requiem, vai fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037. O Hubble captou-a três vezes em 2016, graças a um fenómeno conhecido como lente gravitacional. A Requiem é o resultado de uma explosão estelar …

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …