10% dos franceses nunca ouviram falar do Holocausto

Cerca de 10% dos franceses nunca ouviram falar do Holocausto. Entre os jovens de 18 a 34 anos, o número sobre para 19%.

Estes são os dados de um estudo realizado pelo Ifop em parceria com o departamento  interministerial de luta contra o racismo, o antissemitismo e a homofobia, publicado em exclusivo pela rádio francesa France Info.

A pesquisa, que contou com a participação de 1014 pessoas, revela outros dados alarmantes: 21% dos franceses não sabem em que período ocorreu o genocídio dos judeus. Outros 79% dos entrevistados responderam que o Holocausto, que culminou na morte de mais de 6 milhões de judeus, ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial.

O estudo ainda mostra que 9% dos inquiridos acreditam que as mortes ocorreram entre as duas grandes guerras, 6% durante a Primeira Guerra Mundial e 4% no início do século XX.

Para 2%, a apelidada “solução final”, aplicada no regime de Hitler, ocorreu durante a Guerra Fria. Entre os franceses com menos de 35 anos, 30% ignoram que o Holocausto ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial.

Os resultados surpreendem o diretor do Observatório de Educação da Fundação Jean-Jaurés, Iannis Roder. Segundo o diretor, nas escolas francesas, os professores abordam o Holocausto no primeiro e segundo grau de ensino. “Nunca ter ouvido falar do genocídio dos judeus é praticamente impossível”, disse em declarações à rádio France Info.

Roder questiona se não haverá uma simples “provocação” nas respostas. “Mas o resultado também nos faz questionar aquilo que os jovens aprendem ou querem aprender”, afirmou, acrescentando que, “ou se os professores abordam a questão de forma muito rápida e os alunos não entendem nada” sobre o assunto.

“É preocupante”, considerou Francis Kalifat, presidente do Conselho Representativo das Instituições judias da França. “Temos que pensar na transmissão da memória do Holocausto. As testemunhas vivas estão a desaparecer e é um desafio continuar este trabalho sem estas pessoas, sem a força dos seus depoimentos”.

Segundo Kalifat, há certas escolas têm dificuldade em abordar a questão porque algumas classes “recusam-se a ouvir falar do genocídio judeu”.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, anunciou no passado mês de novembro um aumento de 69% de atos antissemitas nos nove primeiros meses do ano. A mesma pesquisa citada pelo líder do Executivo francês revelou que 53% dos franceses acreditam que os judeus estejam expostos à violência na França.

“As pessoas têm consciência que, em 2018, alguém pode ser morto porque é judeu”, diz Kalifat, recordando os atentados contra a escola judia Ozar Hatorah, em Toulouse, em 2012, e o supermercado Hyper Cacher, em Vincennes, em 2015.

RFI // RFI

PARTILHAR

RESPONDER

Disse para mim mesma: "Auriol, o primeiro é o teu lugar" - e foi

A portuguesa Auriol Dongmo conquistou, esta sexta-feira, a medalha de ouro do lançamento do peso nos Campeonatos da Europa de atletismo de pista coberta, que se estão a disputar em Torun, Polónia. Auriol Dongmo conquistou a …

Eduardo Quaresma não tem o que é preciso para singrar, diz olheiro de topo

Um olheiro internacional de topo considera que Eduardo Quaresma não tem aquilo que é preciso para singrar ao mais alto nível. Em declarações ao ZAP, o scout argumenta que lhe faltam qualidades físicas. Eduardo Quaresma é …

Governo aprova proposta de lei para retirar veto de autarquias a aeroportos

Após o chumbo do Montijo, o Conselho de Ministros aprovou, esta sexta-feira, uma proposta de lei que prevê a dispensa do parecer favorável das autarquias na construção de aeroportos. De acordo com o Observador, esta proposta …

João Loureiro regressou a Portugal. Diz ter sido "ingénuo ou utilizado" no caso do avião com cocaína

João Loureiro, antigo presidente do Boavista, aterrou esta sexta-feira em Portugal. Em declarações aos jornalistas, remeteu explicações para mais tarde. João Loureiro regressou a Portugal esta sexta-feira. O ex-presidente do Boavista afirmou ter sido “ingénuo” ou …

Pavlopetri é uma impressionante cidade subaquática na Grécia (e é das mais antigas do mundo)

A cidade foi descoberta nos anos 60 e acredita-se que tenha mais de 5 mil anos de história. Com o seu planeamento urbano praticamente intacto, o local ainda exibe ruas, pátios, edifícios e até mesmo …

Dos partidos aos patrões, há expectativas quanto ao plano de desconfinamento

O primeiro esboço do plano de desconfinamento será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A apresentação do roteiro para a reabertura do país acontece no dia 11 de março. Esta semana, o …

"Estamos em pé de guerra." OMS defende dispensa de patente para países poderem fazer cópias baratas de vacinas

Os laboratórios devem dispensar as patentes se tal for necessário para garantir que todas as pessoas são imunizadas contra o novo coronavírus, defendeu o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). Num artigo publicado esta sexta-feira …

Apalpar fruta passou à história. Cientistas criam novo método para saber quando está madura

Uma equipa de investigadores desenvolveu um método para saber se uma fruta está madura sem a apalpar. Para já, os testes foram realizados em mangas, mas os cientistas esperam alargá-lo a outras frutas. Apalpar fruta para …

Governo espera reabrir turismo em maio

A secretária de Estado do Turismo revelou à BBC que Portugal espera poder abrir as fronteiras e o turismo no início de maio. Portugal espera poder abrir as fronteiras e o turismo no início de maio …

Final entre Benfica e Braga não será no Jamor, mas em Coimbra

A Taça de Portugal vai realizar-se no Estádio Cidade de Coimbra, que também recebe as finais da Taça de Portugal feminina e do Campeonato de Portugal.  O Estádio Cidade de Coimbra vai receber a final da …