Zhou Qunfei saiu da pobreza e tornou-se a não-herdeira mais rica do mundo

(dr) Lens Technology.

Zhou Qunfei, fundadora e CEO da Lens Technology.

A maior parte dos milionários chegaram a essa condição através de heranças. Não é o caso de Zhou Qunfei, a mulher mais rica do mundo no ranking daqueles que conquistaram a sua própria fortuna sem receber heranças, compilado pela revista norte-americana Forbes.

Qunfei é o que os americanos chamam de self-made woman, ou seja, uma mulher que conquistou a sua fortuna por conta própria.

Com um património estimado em 7,1 mil milhões de dólares (quase 6 mil milhões de euros), Qunfei é a fundadora e diretora executiva da Lens Technology, uma empresa que desenvolve, fabrica e vende os ecrãs de vidro utilizadas em telemóveis, tablets e computadores. Entre as clientes da Lens estão gigantes como a Apple e a Samsung.

Aos 48 anos, Qunfei comanda um império que movimenta milhares de milhões. Segundo as projeções de mercado, a fortuna deve continuar em crescimento.

Zhou Qunfei nasceu numa povoação agrícola da província de Hunan, no sul da China. A infância não foi nada fácil: perdeu a mãe aos cinco anos de idade, e o pai ficou quase cego na sequência de um acidente de trabalho quando ainda era criança.

Ajudando na criação de porcos e patos numa quinta, Qunfei teve de aprender a sobreviver em condições duríssimas. Aos 16 anos, deixou a escola para trabalhar a tempo integral.

Depois disso, Zhou trocou a zona rural pela metrópole de Shenzhen (hoje com 12,5 milhões de habitantes). O primeiro emprego foi numa fábrica de vidros para relógios, onde ganhava 1 dólar por dia.

Qunfei cresceu rapidamente na empresa e chegou a um cargo de chefia. Depois de algum tempo na posição, aos 22 anos, decidiu que iria montar o seu próprio negócio.

Com as suas economias e com a ajuda da família, Zhou instalou uma “fabriqueta” no apartamento de três quartos onde vivia. Juntamente com a família, Qunfei começou a fabricar vidros para relógios – o nicho no qual se tinha especializado.

Qunfei dedicou um bom tempo a melhorar as complexas técnicas necessárias para obter os ecrãs de reduzida espessura e alta qualidade empregadas nos aparelhos.

Esta era a atividade de Qunfei quando recebeu uma chamada da Motorola, a perguntar se estaria disposta a ajudar no desenvolvimento de um ecrã de vidro para telemóveis. Naquela altura, no começo dos anos 2000, o ecrã da maioria dos telemóveis era de plástico e a Motorola queria produzir algo mais resistente e de melhor qualidade.

“O meu maior desafio foi vencer os meus rivais e conseguir o contrato com a Motorola”, relembra a empresária à BBC. Pouco depois, em 2007, a Apple lançaria a primeira versão do smartphone que popularizou o conceito no mundo, o iPhone. E a Lens Technology foi escolhida para fornecer os ecrãs. A empresa de Qunfei tinha acabado de chegar à “primeira divisão”.

De Silicon Valley a Seul

“No período de rápido crescimento da China, o país estava cheio de oportunidades para empreendedores, inclusive mulheres”, disse Qunfei a um jornal australiano. A analista Huang Yasheng, do Instituto Tecnológico de Massachussets (MIT), lembra que a história de Qunfei se passa no contexto de toda uma geração de empreendedoras que começaram de baixo.

O Partido Comunista chinês nunca colocou obstáculos para as mulheres prosperarem quando o capitalismo começou a se disseminar na China, nos anos 1990, diz Yasheng.

Pelo contrário, o país estimulava a criação de novas empresas, e Qunfei tinha as melhores credenciais para comandar uma delas. Num momento simbólico, a empresária foi a anfitriã do presidente chinês Xi Jinping quando visitou a sede da companhia, recentemente.

Zhou é vista no país como uma representação do esforço e da dedicação dos chineses ao trabalho.

“O meu pai tinha perdido a visão. Então, se deixássemos alguma coisa em algum lugar, tinha de ser o local correto, exato, ou poderia haver um acidente”, conta. “É esta atenção aos detalhes que eu exijo no trabalho“, diz Qunfei.

tualmente, os principais clientes da Lens Technology são a americana Apple e a sul-coreana Samsung. Isto faz com que Qunfei viaje continuamente para Silicon Valley, na Califórnia, e para Seul, na Coreia do Sul, no seu jato particular.

Nem o avião particular ou as viagens estavam em mente quando criou a empresa no apartamento de três quartos, aos 22 anos. Agora que a China se prepara para entrar na disputa tecnológica, Qunfei parece ser o tipo de empreendedor de que o país precisa para competir no mercado global.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os chineses estão acima da média em QI quando comparados com o resto do mundo. Juntando muito trabalho temos estes exemplos e muitos outros na China capitalista.

RESPONDER

Homem na casa dos 20 anos morre de peste no Novo México

Um homem na casa dos 20 anos morreu de peste septicémica no estado norte-americano do Novo México, anunciaram as autoridades de saúde deste estado. A vítima, cuja identidade não foi revelada publicamente, viva em Rio …

Cara do pintor italiano Rafael reconstruida para resolver mistério do seu túmulo

Uma equipa de especialistas fez uma reconstrução em 3D da cara do pintor italiano renascentista Rafael. Assim, confirmaram o seu aspeto físico e resolveram o mistério relativamente ao seu túmulo. O rosto do pintor italiano Rafael …

Novo método não-invasivo permite diagnosticar cancro cerebral sem fazer incisões

Diagnosticar tumores cerebrais pode ser difícil e muito invasivo. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu um método para detetar cancro no cérebro sem ser necessária qualquer incisão. Os tumores cerebrais são normalmente diagnosticados através de imagens …

A última plataforma de gelo intacta do Canadá colapsou. Criou um icebergue maior do que o Porto

A plataforma de gelo Milne, no Canadá, fragmentou-se no final do mês de julho, formando vários icebergues, dois dos quais de grandes dimensões. Cientistas ouvidos pela agência noticiosa AP referem que esta era uma plataforma especial, …

Ícones da moda de luto: a indústria fashion nunca mais será a mesma

Muitas são as áreas da economia a ser gravemente afetadas pela pandemia de covid-19. A indústria da moda não foge à tendência e já são muitos os líderes de grandes marcas a "declarar morte" à …

Covid-19: Cigarros eletrónicos aumentam riscos de infeção em cinco a sete vezes para jovens

O risco de contrair covid-19 entre adolescentes e jovens adultos que fumam cigarros eletrónicos é cinco a sete vezes superior, segundo um estudo liderado pela faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. O …

Apenas 10% da população escreve com a mão esquerda. Cientistas lutam para explicar porquê

Em praticamente qualquer lugar do globo, apenas 10% das pessoas são canhotas, isto é, têm maior habilidade com o lado esquerdo do corpo, especialmente com a mão, comparativamente com o lado direito. Os cientistas tentam há …

Para reavivar o turismo, esta pequena cidade está a contar com a ajuda dos "vampiros"

A pequena cidade de Forks, em Washington, nos Estados Unidos, é lar de 3.600 pessoas, cujos meios de subsistência nos últimos 15 anos foram impulsionados por uma indústria do turismo alimentada por "Crepúsculo", a série …

Tim Cook acaba de se juntar ao clube dos milionário à boleia de recorde histórico da Apple

O diretor-executivo (CEO) da Apple, Tim Cook, acaba de se juntar à lista de multimilionários do mundo, depois de a gigante tecnológica norte-americana atingir um valor de mercado histórico. De acordo com os cálculos da …

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …