Zhou Qunfei saiu da pobreza e tornou-se a não-herdeira mais rica do mundo

(dr) Lens Technology.

Zhou Qunfei, fundadora e CEO da Lens Technology.

A maior parte dos milionários chegaram a essa condição através de heranças. Não é o caso de Zhou Qunfei, a mulher mais rica do mundo no ranking daqueles que conquistaram a sua própria fortuna sem receber heranças, compilado pela revista norte-americana Forbes.

Qunfei é o que os americanos chamam de self-made woman, ou seja, uma mulher que conquistou a sua fortuna por conta própria.

Com um património estimado em 7,1 mil milhões de dólares (quase 6 mil milhões de euros), Qunfei é a fundadora e diretora executiva da Lens Technology, uma empresa que desenvolve, fabrica e vende os ecrãs de vidro utilizadas em telemóveis, tablets e computadores. Entre as clientes da Lens estão gigantes como a Apple e a Samsung.

Aos 48 anos, Qunfei comanda um império que movimenta milhares de milhões. Segundo as projeções de mercado, a fortuna deve continuar em crescimento.

Zhou Qunfei nasceu numa povoação agrícola da província de Hunan, no sul da China. A infância não foi nada fácil: perdeu a mãe aos cinco anos de idade, e o pai ficou quase cego na sequência de um acidente de trabalho quando ainda era criança.

Ajudando na criação de porcos e patos numa quinta, Qunfei teve de aprender a sobreviver em condições duríssimas. Aos 16 anos, deixou a escola para trabalhar a tempo integral.

Depois disso, Zhou trocou a zona rural pela metrópole de Shenzhen (hoje com 12,5 milhões de habitantes). O primeiro emprego foi numa fábrica de vidros para relógios, onde ganhava 1 dólar por dia.

Qunfei cresceu rapidamente na empresa e chegou a um cargo de chefia. Depois de algum tempo na posição, aos 22 anos, decidiu que iria montar o seu próprio negócio.

Com as suas economias e com a ajuda da família, Zhou instalou uma “fabriqueta” no apartamento de três quartos onde vivia. Juntamente com a família, Qunfei começou a fabricar vidros para relógios – o nicho no qual se tinha especializado.

Qunfei dedicou um bom tempo a melhorar as complexas técnicas necessárias para obter os ecrãs de reduzida espessura e alta qualidade empregadas nos aparelhos.

Esta era a atividade de Qunfei quando recebeu uma chamada da Motorola, a perguntar se estaria disposta a ajudar no desenvolvimento de um ecrã de vidro para telemóveis. Naquela altura, no começo dos anos 2000, o ecrã da maioria dos telemóveis era de plástico e a Motorola queria produzir algo mais resistente e de melhor qualidade.

“O meu maior desafio foi vencer os meus rivais e conseguir o contrato com a Motorola”, relembra a empresária à BBC. Pouco depois, em 2007, a Apple lançaria a primeira versão do smartphone que popularizou o conceito no mundo, o iPhone. E a Lens Technology foi escolhida para fornecer os ecrãs. A empresa de Qunfei tinha acabado de chegar à “primeira divisão”.

De Silicon Valley a Seul

“No período de rápido crescimento da China, o país estava cheio de oportunidades para empreendedores, inclusive mulheres”, disse Qunfei a um jornal australiano. A analista Huang Yasheng, do Instituto Tecnológico de Massachussets (MIT), lembra que a história de Qunfei se passa no contexto de toda uma geração de empreendedoras que começaram de baixo.

O Partido Comunista chinês nunca colocou obstáculos para as mulheres prosperarem quando o capitalismo começou a se disseminar na China, nos anos 1990, diz Yasheng.

Pelo contrário, o país estimulava a criação de novas empresas, e Qunfei tinha as melhores credenciais para comandar uma delas. Num momento simbólico, a empresária foi a anfitriã do presidente chinês Xi Jinping quando visitou a sede da companhia, recentemente.

Zhou é vista no país como uma representação do esforço e da dedicação dos chineses ao trabalho.

“O meu pai tinha perdido a visão. Então, se deixássemos alguma coisa em algum lugar, tinha de ser o local correto, exato, ou poderia haver um acidente”, conta. “É esta atenção aos detalhes que eu exijo no trabalho“, diz Qunfei.

tualmente, os principais clientes da Lens Technology são a americana Apple e a sul-coreana Samsung. Isto faz com que Qunfei viaje continuamente para Silicon Valley, na Califórnia, e para Seul, na Coreia do Sul, no seu jato particular.

Nem o avião particular ou as viagens estavam em mente quando criou a empresa no apartamento de três quartos, aos 22 anos. Agora que a China se prepara para entrar na disputa tecnológica, Qunfei parece ser o tipo de empreendedor de que o país precisa para competir no mercado global.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os chineses estão acima da média em QI quando comparados com o resto do mundo. Juntando muito trabalho temos estes exemplos e muitos outros na China capitalista.

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …