Os vulcões de Marte podem ter sido surgido da mesma forma que os do Hawai

NASA/JPL/USGS

O extinto vulcão Arsia Mons, em Marte

Marte tem algumas das maiores montanhas de todo o sistema solar. Enquanto o planeta é bastante inativo atualmente, já foi muito ativo.

O Planeta Vermelho tem ventos e dunas que formam características distintas na sua superfície, semelhantes ao que se pode ver na Terra. Um novo estudo, publicado a 15 de novembro na revista científica Nature, sugere que Marte pode ter muito mais em comum com o nosso planeta do que se pensava.

Meteoritos caem constantemente na Terra. Ocasionalmente, pequenos pedaços de Marte sobrevivem à entrada na atmosfera e são descobertos – principalmente no deserto do Saara e na Antártida – onde os investigadores os recolhem para estudo futuro.

De acordo com o novo estudo, liderado por James Day, da Universidade de San Diego, estes meteoritos podem ser formados a partir dos mesmos processos vulcânicos que criam vulcões no Havai.

As montanhas surgem pelo que é chamado de “ponto quente”, ou quando o material do manto da terra sobe em direção à superfície e gera o derretimento. Mas quando esses vulcões ficam mais pesados ​​​​a partir da constante criação e endurecimento do material, podem criar um tipo de vulcão completamente diferente, dobrando e deformando fisicamente a placa oceânica debaixo do Havai.

Quando isto ocorre, a área em redor dos vulcões maiores e mais pesados ​​é flexionada e elevada, criando novos picos potencialmente eruptivos.

“Se for a Oahu ou a algumas das ilhas mais antigas, encontrará este vulcanismo que ocorreu muito tempo depois do vulcanismo original. Um bom exemplo disso é a cratera Diamond Head”, disse  o geólogo James Day, citado pelo Popular Science.

A cratera Diamond Head em Oahu formou-se como resultado do stress tectónico de vulcões mais antigos e maciços. “Isto corresponde exatamente ao que vemos nos meteoritos marcianos”, diz Day.

Os investigadores conhecem dois tipos de meteoritos marcianos chamados shergottites e nakhlites, que são muito diferentes em idade e composição química. Apesar de terem sido recolhidos mais de 200 meteoritos marcianos, os cientistas ainda não sabem de que parte de Marte vêm.

Contudo, o novo estudo pode fornecer uma grande pista. Day e sua equipa analisaram a composição química de 40 meteoritos marcianos e descobriram que eles partilhavam algumas semelhanças entre si. Os nakhlites têm uma composição única que não se encaixa na maioria dos vulcões da Terra, enquanto os shergottites são parecidos com os resíduos de vulcões como o Kilauea que se formam num ponto quente.

É o que Day pensa que pode ter acontecido em Marte. E o Monte Olimpo – o maior vulcão do sistema solar – está à altura da tarefa. Outras regiões de Marte abrigam vulcões menores e menos conhecidos. Day sugere que, assim como se pode ver no Havai, o peso de grandes vulcões como o Monte Olimpo dobrou e flexionou uma região de Marte, criando as montanhas menores, de onde os nakhlites podem vir.

Kayla Iacovino, investigadora na Universidade Estadual do Arizona, diz que o estudo é a capacidade de explicar todos os vulcões marcianos, grandes e pequenos. “O modelo parece encaixar-se nas observações geoquímicas do vulcanismo marciano e não requer uma explicação estranha e sobrenatural para como ou por que vulcões se formam em Marte”.

Day diz que as pessoas têm procurado as fontes desses meteoritos há décadas e agora isto pode ajudar a encontrá-las. “Se este modelo estiver correto, devem encontrar essas lavas longe dos grandes vulcões. Devem encontrá-las na região onde a placa externa está a ser flexionada”.

Entender os processos vulcânicos que aconteceram em Marte também pode ajudar a determinar a habitabilidade no planeta. “Se não houver vulcanismo na Terra, não haverá alguns dos gases necessários na atmosfera para manter a biosfera viva“, diz Day.

Os nakhlites encontrados na Terra são ricos em água, o que significa que a água é necessária para ajudar no derretimento. Isto sugere que os vulcões de Marte estão ligados ao ciclo hidrológico.

“Se vemos este processo acontecendo na Terra, poderia ser semelhante ao vulcanismo em outros planetas? A resposta, baseada em meteoritos marcianos, é sim”, de acordo com o investigador.

Agora a equipa têm de esperar por mais observações por satélite dessas regiões vulcânicas para ver se os dados se alinham com a sua hipótese.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A supergigante Betelgeuse é mais pequena e está mais perto da Terra do que se pensava

De acordo com um novo estudo feito por uma equipa internacional de investigadores, podem ser necessários mais 100.000 anos até que a estrela gigante vermelha Betelgeuse morra numa explosão de fogo. O estudo, liderado pela Dra. …

Mulheres menos propensas à covid-19 por respeitarem mais o distanciamento social

Uma das razões pelas quais as mulheres podem ser menos vulneráveis ​​a infeção pelo novo coronavírus deve-se ao facto de serem mais propensas a aderir às políticas de distanciamento social, sugeriu uma nova pesquisa. Uma pesquisa …

Braga 3 - 0 AEK | Minhotos de gala conquistam atenienses

O Sporting de Braga iniciou a sua participação no Grupo G da Liga Europa com uma vitória. Na recepção aos gregos do AEK de Atenas, os minhotos mostraram ser muito mais equipa e ganharam por …

Capitalismo vai arruinar o planeta até 2050, alertam cientistas

Um grupo de cientistas alerta que se continuarmos com este capitalismo desenfreado, o nosso planeta vai sofrer consequências a nível climático e ambiental. Até 2050, o planeta Terra pode sofrer seriamente às mãos do capitalismo desenfreado. …

Os novos faróis inteligentes da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro

Os novos faróis LED da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro, já que são capazes de projetar imagens na estrada ou em paredes. A novidade é lançada na nova linha de SUVs elétricos da …

FC Porto foi "histriónico" e não se portou bem, escreve-se em Manchester

Jornal inglês alega que os elementos do FC Porto foram exagerados, turbulentos e não tiveram um comportamento adequado. Não há uma única palavra sobre o árbitro. Na manhã seguinte à derrota (3-1) do FC Porto em …

De passagem secreta a cemitério de carros. Túnel sob Nápoles "esconde" veículos enferrujados da II Guerra

No centro de Nápoles, em Itália, há veículos e motocicletas abandonados e enferrujados dos anos 1940 alinhados num túnel a mais de 30 metros abaixo dos seus pés. A Piazza del Plebiscito foi nomeada após uma …

Primeira ministra islandesa interrompida por um terramoto quando dava uma entrevista em direto

Um terramoto de magnitude 5.6 interrompeu uma entrevista em direto da primeira ministra islandesa ao The Washington Post. Mas Katrin Jakobsdottir reagiu à situação de forma tranquila: "Isto é a Islândia". Katrin Jakobsdottir estava a dar …

O voo mais longo do mundo está de volta (e agora é ainda mais longo)

O voo da Singapore Airlines que partia de Singapura com destino até Nova Iorque, foi uma das vítimas do covid-19 e ficou suspendo a 23 de março. Agora, é possível viajar nesta rota novamente, e …

Obras de cinco museus de Berlim vandalizadas no início do mês

Sarcófagos egípcios, pinturas do século XIX e esculturas em pedra de três dos principais museus de Berlim foram atacados com uma substância líquida oleosa a 3 de outubro, dia em que se festejaram os 30 …