Será que vivemos numa simulação? As probabilidades são de 50/50

A hipótese da simulação é, há muito, discutida em todo o mundo e deixa no ar a dúvida: será que o nosso universo é real ou um simulacro? A resposta ainda não existe, mas um novo estudo veio mostrar que as probabilidades são de 50/50.

Não é todos os dias que um comediante dá arrepios a um astrofísico enquanto discutem as leis da física. Mas Chuck Nice conseguiu fazê-lo num episódio recente do podcast StarTalk – programa sobre o espaço e ciência, apresentado pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson.

Tyson tinha acabado de explicar o argumento da simulação – a ideia de que poderíamos ser seres virtuais a viver numa simulação de computador -, quando Nice opinou: “Talvez seja por isso que não podemos viajar mais rápido do que a velocidade da luz, porque se pudéssemos, seríamos capazes de chegar a outra galáxia.”

E Tyson, extasiado e surpreendido, interrompeu: “Antes que eles possam programá-lo.” “Então o programador colocou esse limite”, disse o astrofísico, que participou em 2016 numa discussão pública sobre o tema no Museu de História Natural de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Desde que Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, publicou um artigo sobre o argumento da simulação em 2003, filósofos, físicos, tecnólogos e, até, comediantes, têm lutado com a ideia de a nossa realidade ser um simulacro. Há quem tenha tentado identificar maneiras através das quais possamos discernir se somos seres simulados ou mesmo calcular a probabilidade de sermos entidades virtuais.

Agora, um novo estudo publicado em agosto mostra que as probabilidades de estarmos a viver numa realidade simulada ou numa realidade base – uma existência que não é simulada – são praticamente as mesmas.

Além disso, a análise de David Kipping demonstra que, se os humanos desenvolvessem a capacidade de simular seres conscientes, então as probabilidades seriam indiscutivelmente favoráveis ​​à possibilidade de também sermos habitantes virtuais dentro do computador de outras pessoas.

De acordo com a Scientific American, o argumento da simulação de Bostrom baseia-se num trilema, no qual pelo menos uma afirmação deve ser verdadeira: primeiro, os humanos que alcançam um estágio de vida pós-humana é próximo de zero; em segundo lugar, os humanos interessados em executar simulações ancestrais é próximo de zero; e por último, a probabilidade de estarmos todos a viver numa simulação é próxima de um.

Mas antes de Bostrom, já o filme Matrix (1999) tinha feito a sua parte em popularizar a noção de realidades simuladas e, em 2016, Elon Musk reforçou ainda mais a possibilidade de a nossa realidade ser uma simulação.

“Musk está certo, se assumirmos que as proposições um e dois do trilema são falsas”, disse o astrónomo David Kipping, da Universidade de Colúmbia.

Para entender melhor o argumento da simulação de Bostrom, Kipping decidiu recorrer ao raciocínio bayesiano, que permite calcular a probabilidade de algo acontecer (chamada de probabilidade posterior), fazendo suposições sobre aquilo que está a ser analisado (probabilidade anterior).

Kipping transformou o trilema num dilema, reunindo as proposições um e dois numa única afirmação, visto que em nenhum dos casos há a possibilidade de estarmos a viver numa simulação. Assim, o dilema opõe uma hipótese física (não haver simulações) à hipótese da simulação (haver uma realidade básica e simulações também).

“Atribui-se uma probabilidade anterior a cada um desses modelos”, diz Kipping. “Apenas assumimos o princípio da indiferença, que é a suposição padrão quando não se tem dados nem tendências para qualquer um dos lados.”

O estágio de análise seguinte exigiu pensar sobre as chamadas realidades “parentais” – aquelas que podem gerar outras realidades – e realidades “nulíparas” – aquelas que não podem simular realidades descendentes.

Se a hipótese física fosse verdadeira, então a probabilidade de estarmos a viver num universo nulíparo seria fácil de calcular: 100 por cento.

E Kipping mostrou que, mesmo na hipótese de simulação, a maioria das realidades simuladas seriam nulíparas. Isto porque à medida que as simulações geram mais simulações, os recursos de computação disponíveis para cada geração subsequente diminuem ao ponto em que a grande maioria das realidades não teria o poder de computação necessário para simular realidades descendentes com seres conscientes.

Se conectarmos tudo isto numa fórmula bayesiana, obtemos a resposta: a probabilidade posterior de estarmos a viver numa realidade básica é quase a mesma que a probabilidade posterior de sermos uma simulação – sendo que as probabilidades a favor da realidade básica são um bocadinho maiores.

Mas, se os humanos criassem uma simulação com seres conscientes dentro dela, estas probabilidades mudariam dramaticamente porque a probabilidade que se atribuiu anteriormente à hipótese física seria alterada.

“Pode-se simplesmente excluir essa hipótese. Por isso, fica-se apenas com a hipótese da simulação”, disse Kipping. “No dia em que inventarmos essa tecnologia, as probabilidades serão alteradas para algo melhor do que 50/50; tornando-se quase certo que não somos reais, de acordo com esses cálculos. Seria uma celebração muito estranha para a nossa genialidade”, rematou.

  ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. NOVA TEORIA DO UNIVERSO
    «Temos um universo que se expande e expande, e toda a massa se decompõe, e nesta minha teoria maluca esse futuro remoto transforma-se no Big Bang de outro éon. Então, o nosso Big Bang começou como algo que era o futuro remoto de um éon anterior e terão existido buracos negros semelhantes que também se evaporavam», explica o físico, que ganhou o Prémio Nobel em parceria com Reinhard Genzel e Andrea Ghez.
    A literatura védica fala da Maia: o mundo, como uma ilusão criada pelos sentidos fisicos das almas viventes. Os gnósticos referem se a ela de outra forma: referem a prisão física das almas criando uma cortina sobre o entendimento. Cortina, era o que separava no tabernaculo do espaço da liturgia sacerdotal, o espaço mais sagrado do conhecimento o “Santo dos Santos”. Segundo o relato bíblico apareceu RASGADA, depois da morte de Jesus “C.” (simbologia?).
    O princípio da incerteza em 1927 de Eisenberg’s, sobre uma realidade quântica. Tratada por Schrödinger, como uma experiência mental,
    diz-nos que a “realidade”, pode ser alterada pelo facto de o observador estar a observar, ou não, a sua experiência. Isto é, isto é, num dilema, existe 50% de possibilidades de ser uma coisa ou outra.

  2. Imaginemos que criamos robos com inteligencia e de forma a interagir com os humanos e com grau de aprendisagem continua… imaginemos que robos dure 300 ou mais anos …. conserteza que acumularia informacao assustadora…muito util para humanidade… acho minha opiniao que os cientistas e pessoal da IA deveriam criar alguritmos em conjunta para todos saberem os nos espera…se ‘e bom ou mau robos…. todos ficariamos a ganhar….

RESPONDER

Ai-Da, a robô artista, foi detida no Egito antes da sua mais recente exposição

Ai-Da, a primeira robô artista ultrarrealista do mundo, foi detida pelas autoridades egípcias na alfândega por "questões de segurança". De acordo com o jornal The Guardian, está previsto que Ai-Da apresente o seu último trabalho na …

Albertina Museum, em Viena, na Áustria

Cansados de ver posts removidos por nudez, museus de Viena aderiram ao OnlyFans

Cansados de ver as obras de arte que partilhavam nas redes sociais removidas por serem demasiado "explícitas", vários museus austríacos decidiram abrir uma conta na plataforma mais liberal OnlyFans. No passado, tanto o Conselho de Turismo …

O pior desastre nuclear da história dos EUA pode ter sido fruto de uma brincadeira

O SL-1 era um reator nuclear experimental de baixa potência, localizado no Idaho, nos EUA, que tinha como objetivo fornecer energia a pequenas instalações militares remotas no início dos anos 1960. O reator acabou por ficar …

PJ deteve quarto suspeito da morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, ao final da tarde desta quinta-feira, um quarto suspeito da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Durante a tarde de hoje, em conferência …

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a ministra da Saúde, Marta Temido

Saúde, Trabalho e Cultura. As medidas aprovadas pelo Governo para facilitar a negociação do OE

Novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, Agenda do Trabalho Digno e a versão final do Estatuto dos Profissionais da Cultura foram os grandes destaques da conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta …

Banido do Facebook, Donald Trump aposta na criação da sua própria rede social

Nova rede social deverá estar disponível a partir do início do próximo ano e é uma resposta do antigo presidente às empresas que o decidiram banir. O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou o …

Um cigarro aceso

"Fumar mata." Deputados britânicos querem que o aviso seja impresso em cada cigarro

Para desencorajar os fumadores, os deputados britânicos querem imprimir o slogan "Fumar mata" em cada cigarro de um maço de tabaco. Deputados britânicos apresentaram, no Parlamento, uma emenda à Lei de Saúde e Cuidados de Saúde …

Ludogorets 0-1 Braga | Horta bracarense dá frutos cedo

O Sporting de Braga conseguiu um importante triunfo por 1-0 na deslocação ao terreno do Ludogorets, no Grupo F da Liga Europa. A formação lusa não quis perder tempo e marcou logo aos sete minutos, por …

PJ admite mais pessoas envolvidas na morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu, esta quinta-feira, que estejam mais pessoas envolvidas na morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Os dados foram avançados esta tarde, em conferência de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo continua a "desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o OE passar"

O Presidente da República afirmou, esta quinta-feira, que continua "a desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o Orçamento passar" e considerou que os próximos dias, com reuniões partidárias até ao fim-de-semana, "são …