Será que vivemos numa simulação? As probabilidades são de 50/50

A hipótese da simulação é, há muito, discutida em todo o mundo e deixa no ar a dúvida: será que o nosso universo é real ou um simulacro? A resposta ainda não existe, mas um novo estudo veio mostrar que as probabilidades são de 50/50.

Não é todos os dias que um comediante dá arrepios a um astrofísico enquanto discutem as leis da física. Mas Chuck Nice conseguiu fazê-lo num episódio recente do podcast StarTalk – programa sobre o espaço e ciência, apresentado pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson.

Tyson tinha acabado de explicar o argumento da simulação – a ideia de que poderíamos ser seres virtuais a viver numa simulação de computador -, quando Nice opinou: “Talvez seja por isso que não podemos viajar mais rápido do que a velocidade da luz, porque se pudéssemos, seríamos capazes de chegar a outra galáxia.”

E Tyson, extasiado e surpreendido, interrompeu: “Antes que eles possam programá-lo.” “Então o programador colocou esse limite”, disse o astrofísico, que participou em 2016 numa discussão pública sobre o tema no Museu de História Natural de Nova Iorque, nos Estados Unidos.



Desde que Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, publicou um artigo sobre o argumento da simulação em 2003, filósofos, físicos, tecnólogos e, até, comediantes, têm lutado com a ideia de a nossa realidade ser um simulacro. Há quem tenha tentado identificar maneiras através das quais possamos discernir se somos seres simulados ou mesmo calcular a probabilidade de sermos entidades virtuais.

Agora, um novo estudo publicado em agosto mostra que as probabilidades de estarmos a viver numa realidade simulada ou numa realidade base – uma existência que não é simulada – são praticamente as mesmas.

Além disso, a análise de David Kipping demonstra que, se os humanos desenvolvessem a capacidade de simular seres conscientes, então as probabilidades seriam indiscutivelmente favoráveis ​​à possibilidade de também sermos habitantes virtuais dentro do computador de outras pessoas.

De acordo com a Scientific American, o argumento da simulação de Bostrom baseia-se num trilema, no qual pelo menos uma afirmação deve ser verdadeira: primeiro, os humanos que alcançam um estágio de vida pós-humana é próximo de zero; em segundo lugar, os humanos interessados em executar simulações ancestrais é próximo de zero; e por último, a probabilidade de estarmos todos a viver numa simulação é próxima de um.

Mas antes de Bostrom, já o filme Matrix (1999) tinha feito a sua parte em popularizar a noção de realidades simuladas e, em 2016, Elon Musk reforçou ainda mais a possibilidade de a nossa realidade ser uma simulação.

“Musk está certo, se assumirmos que as proposições um e dois do trilema são falsas”, disse o astrónomo David Kipping, da Universidade de Colúmbia.

Para entender melhor o argumento da simulação de Bostrom, Kipping decidiu recorrer ao raciocínio bayesiano, que permite calcular a probabilidade de algo acontecer (chamada de probabilidade posterior), fazendo suposições sobre aquilo que está a ser analisado (probabilidade anterior).

Kipping transformou o trilema num dilema, reunindo as proposições um e dois numa única afirmação, visto que em nenhum dos casos há a possibilidade de estarmos a viver numa simulação. Assim, o dilema opõe uma hipótese física (não haver simulações) à hipótese da simulação (haver uma realidade básica e simulações também).

“Atribui-se uma probabilidade anterior a cada um desses modelos”, diz Kipping. “Apenas assumimos o princípio da indiferença, que é a suposição padrão quando não se tem dados nem tendências para qualquer um dos lados.”

O estágio de análise seguinte exigiu pensar sobre as chamadas realidades “parentais” – aquelas que podem gerar outras realidades – e realidades “nulíparas” – aquelas que não podem simular realidades descendentes.

Se a hipótese física fosse verdadeira, então a probabilidade de estarmos a viver num universo nulíparo seria fácil de calcular: 100 por cento.

E Kipping mostrou que, mesmo na hipótese de simulação, a maioria das realidades simuladas seriam nulíparas. Isto porque à medida que as simulações geram mais simulações, os recursos de computação disponíveis para cada geração subsequente diminuem ao ponto em que a grande maioria das realidades não teria o poder de computação necessário para simular realidades descendentes com seres conscientes.

Se conectarmos tudo isto numa fórmula bayesiana, obtemos a resposta: a probabilidade posterior de estarmos a viver numa realidade básica é quase a mesma que a probabilidade posterior de sermos uma simulação – sendo que as probabilidades a favor da realidade básica são um bocadinho maiores.

Mas, se os humanos criassem uma simulação com seres conscientes dentro dela, estas probabilidades mudariam dramaticamente porque a probabilidade que se atribuiu anteriormente à hipótese física seria alterada.

“Pode-se simplesmente excluir essa hipótese. Por isso, fica-se apenas com a hipótese da simulação”, disse Kipping. “No dia em que inventarmos essa tecnologia, as probabilidades serão alteradas para algo melhor do que 50/50; tornando-se quase certo que não somos reais, de acordo com esses cálculos. Seria uma celebração muito estranha para a nossa genialidade”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. NOVA TEORIA DO UNIVERSO
    «Temos um universo que se expande e expande, e toda a massa se decompõe, e nesta minha teoria maluca esse futuro remoto transforma-se no Big Bang de outro éon. Então, o nosso Big Bang começou como algo que era o futuro remoto de um éon anterior e terão existido buracos negros semelhantes que também se evaporavam», explica o físico, que ganhou o Prémio Nobel em parceria com Reinhard Genzel e Andrea Ghez.
    A literatura védica fala da Maia: o mundo, como uma ilusão criada pelos sentidos fisicos das almas viventes. Os gnósticos referem se a ela de outra forma: referem a prisão física das almas criando uma cortina sobre o entendimento. Cortina, era o que separava no tabernaculo do espaço da liturgia sacerdotal, o espaço mais sagrado do conhecimento o “Santo dos Santos”. Segundo o relato bíblico apareceu RASGADA, depois da morte de Jesus “C.” (simbologia?).
    O princípio da incerteza em 1927 de Eisenberg’s, sobre uma realidade quântica. Tratada por Schrödinger, como uma experiência mental,
    diz-nos que a “realidade”, pode ser alterada pelo facto de o observador estar a observar, ou não, a sua experiência. Isto é, isto é, num dilema, existe 50% de possibilidades de ser uma coisa ou outra.

  2. Imaginemos que criamos robos com inteligencia e de forma a interagir com os humanos e com grau de aprendisagem continua… imaginemos que robos dure 300 ou mais anos …. conserteza que acumularia informacao assustadora…muito util para humanidade… acho minha opiniao que os cientistas e pessoal da IA deveriam criar alguritmos em conjunta para todos saberem os nos espera…se ‘e bom ou mau robos…. todos ficariamos a ganhar….

RESPONDER

Futebol europeu com perdas de quase 4 mil milhões de euros

Relatório da Deloitte indica que, só nas cinco maiores ligas europeias da modalidade, a quebra nas receitas foi de 11%. Calendários alterados, campeonatos adiados ou mesmo cancelados, jogos sem público. Como se esperava, a pandemia que …

O asteróide que dizimou os dinossauros veio de um lugar inesperado

O asteróide que extinguiu os dinossauros provavelmente veio da metade externa do cinturão de asteróides principal, uma região que se pensava produzir poucos asteróides.  Investigadores do Southwest Research Institute, no Texas, Estados Unidos, mostraram que os …

Há três anos, uma tempestade de poeira em Marte desencadeou a primavera no polo sul

Em 2018, Marte foi palco de uma fortíssima tempestade de areia que destruiu um vórtice de ar frio em torno do polo sul do planeta, desencadeando uma primavera precoce. Já no hemisfério norte, a tempestade …

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …