Vírus gigante continua infeccioso ao fim de 30 mil anos

Lembra-se do vírus de 30 mil anos que foi encontrado no gelo da Sibéria? Os investigadores afirmam que continua infeccioso, mas não representa um perigo para os seres humanos.

No entanto, o permafrost pode esconder mais segredos que, se não tivermos sorte, trarão riscos para a Humanidade.

O vírus recém-descoberto infetava amebas unicelulares durante o Paleolítico Superior, ou Idade da Pedra. Apelidado de Mollivirus sibericum, estava numa amostra de solo cerca de 30 metros abaixo da superfície. Os resultados foram publicados na Proceedings of the National Academy of Sciences.

O M. sibericum é membro de uma família de vírus gigantes. Até cerca de uma década atrás, pensávamos nesses organismos como universalmente minúsculos, mas depois da descoberta de um vírus enorme chamado mimivírus, descrito pela primeira vez na revista Science em 2003, os investigadores ampliaram a busca por vírus maiores.

O mimivírus e os seus parentes são tão grandes que podem ser vistos sob um microscópio óptico comum. O maior integrante deste grupo, o Megavirus chilensis chilensis, tem um diâmetro de cerca de 500 nanómetros.

Os vírus típicos variam em tamanho de 20 nanómetros até algumas centenas de nanómetros.

Desde a descoberta da família mimivírus, os cientistas já encontraram também as famílias Pandoraviridae e Pithoviridae.

Evolução das células

M. sibericum é mais largo em diâmetro do que os outros vírus gigantes descobertos, com 600 nanómetros. Possui um genoma de 600 mil pares de bases, com instruções genéticas para criar 500 proteínas.

Os vírus são excertos de ARN ou ADN que funcionam ao “sequestrar” outras células para realizar estas instruções.

Cientistas franceses pretendem agora reanimar o vírus gigante com 30.000 anos desenterrado recentemente do solo gelado da Sibéria.

Chantal Abergel, cientista da Universidade Aix-Marseille, em França, e a sua equipa estão interessados em estudar os vírus gigantes ressuscitados para compreender como é que este grupo evoluiu e como é que a genética viral pode ter influenciado a evolução das células. O ADN viral, por vezes, torna-se uma parte permanente do genoma de uma célula sequestrada.

“Os vírus desempenharam um papel no sentido de evoluir as células”, disse Abergel. Os investigadores não sabem ao certo quando é que os vírus gigantes surgiram na Terra, mas provavelmente têm raízes nas próprias origens do ADN e ARN.

Perigo à espreita?

A técnica dos investigadores para isolar e estudar estes vírus não representa uma ameaça para os seres humanos ou animais, mas é possível que haja outros vírus perigosos suspensos no gelo.

Estes vírus estão enterrados profundamente, por isso é provável que apenas as atividades humanas como a mineração e a perfuração para petróleo e gás natural os perturbem. Os cientistas alertam para que tenhamos cuidado com essas atividades na Sibéria.

As descobertas dos vírus gigantes revelam que eles podem permanecer infecciosos por pelo menos dezenas de milhares de anos. Até agora, no entanto, os investigadores ainda não descobriram quaisquer antigos vírus gigantes que infectem humanos.

Abergel crê que um estudo mais profundo dos vírus poderá ajudar a esclarecer os riscos para a Humanidade. A investigação também tem o potencial de responder a outras questões mais básicas.

“Estes vírus gigantes podem ajudar-nos a entender como é que a vida surgiu na Terra”, afirma. “Há muitos genes que são únicos a esses genomas, e há muitas coisas a aprender com o estudo desses genes”.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …