Cientistas vão ressuscitar o vírus gigante com 30.000 anos descoberto na Sibéria

PNAS, doi: 10.1073/pnas.1510795112

Imagens de microscopia eletrónica do Mollivirus sibericum

Imagens de microscopia eletrónica do Mollivirus sibericum

Cientistas franceses pretendem reanimar o vírus gigante com 30.000 anos desenterrado recentemente do solo gelado da Sibéria. Isto pode soar um pouco apocalíptico, mas não se preocupe: a humanidade está a salvo – pelo menos por enquanto.

Jean-Michel Claverie e colegas anunciaram recentemente a descoberta do vírus gigante Mollivirus sibericum, num estudo publicado na PNAS, a revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

Este é o quarto tipo de vírus pré-histórico gigante descoberto desde 2003, e o segundo encontrado por esta equipa.

O ano passado, a equipa tinha conseguido reavivar um outro tipo de vírus gigante, o Pithovirus, que estava preservado na mesma amostra de permafrost.

Mas antes de acordar o vírus, os investigadores terão que verificar se ele não pode causar doenças a animais ou humanos.

Mudanças climáticas e seus perigos

As mudanças climáticas estão a aquecer as regiões árticas e subárticas em mais que o dobro que a média global, o que significa que o permafrost, a camada de gelo permanente dessas aéreas, afinal não é assim tão permanente.

Foi no permafrost do nordeste da Rússia que os cientistas se depararam com este vírus gigante adormecido.

Mas os cientistas advertem que este permafrost pode esconder outros segredos, que não serão assim tão inofensivos para nós.

J.-M. Claverie / PNAS / CNRS

Vista ao microscópio do Mollivirus sibericum

Vista ao microscópio do Mollivirus sibericum

“Algumas partículas virais que ainda estão infecciosas podem ser suficientes, na presença de um hospedeiro vulnerável, para ressuscitar vírus potencialmente patogénicos”, explica Jean-Michel Claverie em entrevista à AFP.

As regiões nas quais o micróbio foi visto são cobiçadas pelos seus recursos minerais, especialmente o petróleo, e estarão cada vez mais acessíveis para exploração industrial à medida que massas geladas vão fundindo.

“Se não tivermos cuidado, se industrializamos estas áreas sem criar salvaguardas, corremos o risco de um dia acordar vírus potencialmente perigosos – tais como a varíola, que pensávamos estar erradicados”, acrescentou Claverie.

Segurança

Em condições de laboratório seguras, Claverie vai agora tentar ressuscitar o vírus gigante recém-descoberto, colocando-o numa ameba unicelular, que servirá de hospedeira.

Em 2013, a equipa francesa descobriu outro vírus gigante no mesmo local, o Pithovirus sibericum. Os cientistas conseguiram reanimá-lo com sucesso numa placa de Petri.

Em 2004, cientistas americanos ressuscitaram também o famigerado vírus da “gripe espanhola”, que matou dezenas de milhões de pessoas.

Os cientistas tinham como objectivo entender como é que o patógenio foi tão extraordinariamente virulento, reconstruindo os códigos dos seus oito genes.

O trabalho foi feito num laboratório de segurança máxima, nos laboratórios do CDC, o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Vírus gigantes e complexos

Para se qualificar como “gigante”, um vírus tem de ser maior do que meio mícron, ou meio milésimo de milímetro. O Mollivirus sibericum tem 0.6 mícron.

Ao contrário da maioria dos vírus que hoje se conhecem, e para espanto geral dos cientistas, estes espécimes antigos que datam da última Idade do Gelo não são apenas maiores, mas também muito mais complexos geneticamente.

O M. sibericum tem mais do que 500 genes, enquanto uma outra família de vírus gigante descoberta em 2003, os pandoravírus, têm 2.500 genes.

O vírus da gripe Influenza A, por seu lado, tem apenas oito genes.

E como todos sabemos, ter apenas oito genes não atrapalhou absolutamente nada o Influenza A, na hora de matar dezenas de milhões de pessoas.

HypeScience

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Acho que estes cientistas devem ser responsabilizados pessoalmente…digo mesmo…mortos…se eventualmente do reavivar do vírus, resultar algum mal para a humanidade…ja nos basta o covid, mais ..nao deviam ser autorizados,,,, pois estao a por em perigo toda a humanidade…pode valer tudo…o problema é que ninguém os controla, pois podem decidir investigar na cave da sua casa, ou nos subterrâneos construídos nos seus paizes, de baixo dum autoridade. Ver o que aconteceu na china…não sabemos se um desses virus foge, se não morremos todos

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …