/

Divulgado vídeo do colapso da barragem do Brumadinho

2

Paulo Fonseca / EPA

Uma semana depois da tragédia, que já provocou 110 mortos confirmados, surgem novas imagens que mostram a derrocada da barragem do Brumadinho, no Brasil.

No terreno, os bombeiros continuam a trabalhar nas buscas. Uma semana depois da tragédia, surgiram novos vídeos com o momento da derrocada e com o mar de lama que deixou submersa a localidade do estado de Minas Gerais, no Brasil.

Os vídeos mostram a parte inferior do reservatório a ceder, libertando uma autêntica avalanche que, em poucos minutos, engoliu a área de mineração a seguir à barragem.

Segundo o Diário de Notícias, o mar de lama arrastou-se por quilómetros e destruiu prédios da empresa que fazia os trabalhos na região (Vale), máquinas, vagões de comboio, casas e carros de pessoas que ainda tentaram fugir.

As imagens foram captadas a partir de uma câmara montada numa grua.

Uma outra câmara fixa, de um ângulo diferente, mostra o momento exato do colapso da barragem do Brumadinho.

Segundo os últimos dados oficiais, há 110 mortos confirmados e 239 desaparecidos. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) adiantou que esta tragédia destruiu cerca de 269,84 hectares de mata, o equivalente a 378 campos de futebol.

A Organização Internacional do Trabalho já classificou a tragédia como o pior desastre mundial numa barragem nos últimos dez anos.

O Público dá conta de que esta não é a primeira vez que a empresa Vale está associada a um desastre ambiental. Em 2015, no mesmo estado, a derrocada de uma barragem pertencente a um complexo mineiro provocou um dos maiores desastres ambientais do Brasil.

  ZAP //

2 Comments

  1. Graças ao prefeito pilantra aqui de Brumadinho que concedia alvarás para a Vale explorar, ele foi um dos colaboradores das mais de 400 vítimas ainda soterradas na lama! Muitos corpos jamais serão encontrados, nem um velório digno essas pessoas poderão ter. Prefeito corrupto e empresa gananciosa, explorando “diamantes” com sangue do povo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.