A maior parte da vida na Terra vai desaparecer por falta de oxigénio em mil milhões de anos

A previsão dos cientistas é catastrófica: dentro de mil milhões de anos, a atmosfera da Terra vai ter pouquíssimo oxigénio, tornando inabitável a vida aeróbica complexa.

No início da história da Terra, os níveis de oxigénio eram bem mais baixos do que agora, e uma equipa de investigadores acredita que possam cair de novo num futuro distante.

Os investigadores sugerem que a atmosfera da Terra manterá altos níveis de oxigénio nos próximos mil milhões de anos antes de regressar a níveis baixos que lembram aqueles que existiam antes do Grande Evento de Oxidação, há cerca de 2,4 mil milhões de anos, escreve a New Scientist.

“Descobrimos que a atmosfera oxigenada da Terra não será uma característica permanente”, diz Kazumi Ozaki, investigador da Toho University, no Japão, e coautor do estudo publicado recentemente na revista Nature Geoscience.

À medida que o sol envelhece, torna-se mais quente e solta mais energia. Isto faz com que haja uma diminuição de dióxido de carbono na atmosfera. Os cientistas estimam que em mil milhões de anos, os níveis de dióxido de carbono vão ser tão baixos que os organismos fotossintetizantes serão incapazes de sobreviver e produzir oxigénio.

“A queda no oxigénio será muito, muito extrema – estamos a falar de cerca de um milhão de vezes menos oxigénio do que existe hoje”, diz o coautor Chris Reinhard, do Georgia Institute of Technology, nos Estados Unidos.

Paralelamente, os níveis de metano também vão aumentar drasticamente: até 10 mil vezes a quantidade existente na atmosfera.

“A biosfera não consegue adaptar-se a uma mudança tão dramática nas alterações ambientais”, diz Ozaki.

A vida terrestre deixará de existir, assim como a vida aquática. A camada de ozono vai-se esgotar, expondo a Terra e os seus oceanos a altos níveis de luz ultravioleta e calor do sol.

As novas previsões mostram que a presença de oxigénio é variável e pode não ser permanente num planeta habitável.

“Isto sugere que mesmo para planetas muito semelhantes à Terra ao redor de outras estrelas, grandes quantidades de oxigénio podem não ser detetadas na sua atmosfera, mesmo que possam suportar, ou ter suportado, vida complexa“, diz Kevin Ortiz Ceballos, da Universidade de Porto Rico.

Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. É mesmo um grande atrevimento, por ignorante, este tipo de informação/ previsão, e mais uma vez por cientistas. Já parecem as ciganas a ler a cina.

  2. Vou esperar para ver 😉 , mas daqui a mil milhões de anos, tenho fé que os meus netos já deverão saber muito bem como lidar com o problema.

  3. O Sr. Kazumi Ozaki não descobriu nada pois houve um estudo semelhante de uma universidade francesa há uns 6 anos atrás, que ainda devo ter no meu arquivo.
    No entanto, o possível fim do CO2 dentro de mil milhões de anos, não acontecerá ou será irrelevante para a vida. Isto porque muito antes disso, dentro de 300 a 500 milhões de anos, o aumento gradual de brilho do sol levará a que deixemos de ter água no estado liquido à superfície da Terra, despoletando assim o fim da maioria das espécies animais e vegetais.
    A não ser que, se a humanidade não se extinguir antes, a tecnologia venha a permitir construir “sombrinhas” gigantes em órbita…

  4. Eheh!
    Nada mais errado!
    A geringonça dará cabo de tudo bem mais cedo!
    Quando acabar o oxigénio, já não estará cá ninguém!

  5. E qual é o alarde desses cientistas, por acaso daqui até lá haverão humanos na Terra, haverá a mesma vida que ocorre hoje?
    É natural que hajam mudanças evolutivas no nosso planeta, assim como boa parte da vida desapareceu quando o oxigênio se fez presente na atmosfera, assim o fará quando desaparecer da mesma.
    E outra coisa, como andam as atividades solares, desencadeando inúmeras reações na magnetosfera terrestre e consequentemente, o aumento das atividades geossísmicas com frequentes terremotos e erupções vulcânicas, haverá em breve, em questão de milhares ou milhões de anos, uma drástica mudança significativa no ambiente terrestre.
    É fato e sinceramente, não precisa de alarde para uma notícia boba como essa.

  6. Nao precisam reclamar, nao duraremos mais do que 200 a 400 milhoes de anos isto ‘e 1 ou 2 ciclos galaticos…

    Em cada ciclo muitas especies desapareceram, ciclos climaticos mudaram, os continentes mudaram de lugar….ora tudo isto no tempo previsivel da nossa via latea… Nos humanos aqui nesta escala nao entramos sequer porque nossa especies esta condenada a desaparecer por motivos de alteracao habitat, clima, etc…

    Porque sera que estamos a investir milhoes e mais milhoes em tecnologia para descobrir novas terras ou habitates… estamos a ter consciencia da nossa fragilidade e dos perigos que nos espreitam… se nao encontrarmos outro lugar para salvar humanidade, se nao descobrirmos uma tecnologia que nos leve ate la…simplesmente desaparecemos sem deixar rasto….

    Sera que estamos a seguir caminhos de outras civilizacoes em outros palnetas????

RESPONDER

De que forma é o universo? Astrofísicos acreditam que pode ser um donut 3D gigante

Um novo estudo pode vir mudar a percepção de que o universo é infinito. Será que o universo é infinito? Qual será a forma do cosmos? Já há séculos que estas perguntas andam nas mentes dos …

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …