/

“Viagra dos Himalaias”, o fungo mais caro do que ouro, mostra potencial contra cancro

(dr) Visit Yunnan China

Uma molécula produzida pelo chamado “fungo de lagarta”, também conhecido por “Viagra dos Himalaias”, pode fornecer uma base para tratamentos de cancro mais eficazes.

Em ensaios clínicos recentes, o composto chamado cordicepina mostrou ser bem-sucedido a matar células tumorais.

O fungo cresce em altitudes de 3 mil a 5 mil metros e só é encontrado na região dos Himalaias.

Considerado um potente antioxidante, a cordicepina é usada na medicina tradicional chinesa há séculos. No entanto, pertence também a uma classe de agentes antivirais e antibacterianos vistos como candidatos promissores para novos medicamentos contra cancro, escreve o IFLScience.

Segundo a BBC, especialistas em medicina tradicional dizem que ele é também eficaz contra a asma e a impotência — daí o nome de “Viagra dos Himalaias”.

Um quilo do fungo pode custar 100 mil dólares — mais do que o dobro do valor cobrado pelo quilo de ouro.

O principal problema da cordicepina é que não encontra facilmente o seu caminho até às células cancerígenas quando ingerida na sua forma natural. Isto acontece porque é quebrada por uma enzima chamada adenosina desaminase (ADA) pouco depois de entrar na corrente sanguínea.

Mesmo que se mantivesse intacta, a cordicepina necessita da assistência de um transportador de nucleosídeos. Uma vez dentro da célula, tem de ser metabolizado por uma enzima antes de aplicar os seus efeitos anticancerígenos.

Para facilitar este processo, uma equipa de investigadores modificou a cordicepina para evitar que seja quebrada à partida pela ADA.

Os autores do estudo, publicado recentemente na revista Clinical Cancer Research, revelam que o seu composto modificado (NUC-7738) “supera os mecanismos de resistência ao cancro” que limitam a atividade da cordicepina.

Este novo composto mostrou permanecer ativo por pelo menos 50 horas e mostrou ser entre sete e 40 vezes mais potente do que a cordicepina natural na destruição de uma variedade de diferentes células cancerígenas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O medicamento foi dado a pacientes oncológicos com tumores avançados e resistentes a tratamento, tendo sido “bem tolerado e demonstrado sinais encorajadores de atividade anticancerígena”.

Em 2018, uma equipa de investigadores portugueses da Universidade do Algarve descobriu que a cordicepina consegue retardar a progressão da doença de Machado-Joseph, uma patologia neurodegenerativa sem cura, que causa a perda progressiva do controlo dos músculos e da coordenação motora. Eventualmente, acaba por revelar-se fatal.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.