Versões portuguesa e britânica da Batalha de La Lys não coincidem

Wikimedia

Trincheiras na Flandres na Primeira guerra mundial em La Lys, em 1918.

As versões britânica e portuguesa sobre a Batalha de La Lys, há 100 anos, que fez cerca de 400 mortos e 6.600 prisioneiros entre as tropas portuguesas, não coincidem. Os comandantes de ambos os lados “trocaram culpas”.

Do lado português, a batalha do dia 09 de abril de 1918 em La Lys, na Flandres francesa, em plena Primeira Guerra Mundial, é descrita pelo Marechal Gomes da Costa, que comandou na linha da frente, como um ato de resistência das suas tropas.

No seu relatório sobre a batalha, citado pelo historiador Filipe Ribeiro de Meneses na obra “De Lisboa a La Lys”, Gomes da Costa lembra que a divisão que estava na linha da frente (a 2.ª divisão) havia recebido a ordem para abandonar as trincheiras de 09 para 10 de abril.

“Gomes da Costa chamou a atenção para esta enorme coincidência, afirmando que pareciam os alemães estar a par das movimentações que ocorriam nas linhas aliadas”, o que para Ribeiro de Meneses significa que se tenta “ilibar de qualquer responsabilidade pelo estado da 2.ª divisão – que de facto herdara apenas dias antes da batalha”.

À Lusa, o historiador, que falava a propósito do lançamento do livro, referiu que Gomes da Costa nos seus escritos “culpa os civis franceses que residem naquela área, mas que fazem parte de um esquema de espionagem alemão, de passarem informações para os alemães e, por isso, estes atacam no dia preciso em que a divisão iria ser retirada”.

Por seu turno, fontes britânicas acusam “desertores portugueses, soldados portugueses que fogem e que contam tudo aos alemães para receberem um jantar ou serem bem tratados”, afirmou.

Regra geral, os britânicos “culpam os portugueses pelas dificuldades encontradas durante a batalha”. No seu diário, o comandante inglês Douglas Haig escreveu que “os homens recuaram, ou, mais precisamente, ‘fugiram'”.

Ribeiro de Meneses conclui que “de facto, os testemunhos britânicos da ação portuguesa durante o 09 de abril não se coadunam com o tom heróico do relatório de Gomes da Costa”. O general português escreve que a divisão nacional resistiu oito horas.

Não podendo vencer, pôde apenas morrer, o que fez, deixando 50% do seu efetivo no campo de batalha”. Para o exército português, a 2.ª divisão “fez tudo o que dela se podia esperar”.

“Forçada a recuar, fê-lo em ordem razoável, salvando-se o grosso da formação graças ao sacrifício de muitos que lutaram até ao último cartucho“, descreve Gomes da Costa.

Segundo Ribeiro de Meneses, “as baixas britânicas, embora pesadas, são consideradas no âmbito de quatro anos de perdas, as baixas portuguesas sofridas nessas poucas horas representam a maioria das perdas do CEP na frente ocidental”.

O CEP, símbolo do esforço de guerra português na frente ocidental, chegou às trincheiras em janeiro de 1917, e após a Batalha de La Lys desapareceu enquanto força organizada. A Primeira Guerra Mundial terminou com a vitória dos aliados em novembro de 1918.

O centenário da Batalha de La Lys vai ser evocado em 08 e 09 de abril, em França, em cerimónias nas quais estarão presentes os presidentes de de França, Emmanuel Macron, Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e , e também o primeiro-ministro, António Costa.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco namoradas e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas diárias de medicamentos

Os preços "excessivamente baixos dos medicamentos genéricos" são a causa mais importante identificada pelos hospitais para as ruturas de fornecimento. Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento …

Secretário de Estado: despenalizações como a que absolveu o Benfica vão terminar. "Será inapelável"

João Paulo Rebelo assegurou que a entrada em vigor da lei de combate à violência no desporto evitará situações como a que levou à recente anulação do castigo imposto ao Benfica. O secretário de Estado da …

Morales quis dialogar. Presidente interina da Bolívia mandou-o calar-se

O ex-Presidente Evo Morales ofereceu-se para regressar à Bolívia para "ajudar a pacificar o país, não para ser candidato", mas Jeanine Añez, que assumiu a presidência interina do país, respondeu que Morales não pode participar …

Cientistas reconstruiram a cara mutilada de uma guerreira Viking

Um esqueleto encontrado num cemitério Viking em Solør, na Noruega, tinha sido identificado como sendo de uma mulher há vários anos, mas os especialistas não tinham a certeza se tinha sido verdadeiramente uma guerreira. Agora, a …