Verão traz novos riscos de contágio, mas fase seguinte é mais preocupante

Miguel A. Lopes / Lusa

O diretor do i3SDiagnostic alerta que a descontração associada às férias e a chegada de turistas podem “aumentar o risco” de novos casos de Covid-19, mas apenas a resposta do sistema ditará se será uma transmissão “descontrolada ou controlada”.

“Ninguém sabe bem o que podemos esperar, mas, como aconteceu com o desconfinamento, acho que a probabilidade de termos mais casos é grande. Que vamos ter mais contágios é uma certeza, agora, vai depender do nível de transmissão e isso, ninguém sabe concretamente”, disse à Lusa Didier Cabanes, diretor do centro de testagem à Covid-19 criado no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), no Porto.

Ainda que o futuro seja incerto, o investigador acredita que a descontração associada às férias de verão e o “relaxamento” das medidas de higiene e distanciamento social podem vir a “aumentar o risco” de novos casos de Covid-19 nos próximos meses.

“Uma coisa é quando as pessoas estão a trabalhar, em que cumprem, inevitavelmente, as normas de higiene e segurança, mas quando estão com a família ou os amigos, num contexto de férias, é diferente, há uma maior descontração”, referiu o líder do grupo Microbiologia Molecular do i3S.

Associada a esta descontração e relaxamento, acresce a chegada de turistas e de emigrantes ao país, algo que o investigador, que é também coordenador da Unidade de Infeção e Imunidade do IBMC — Instituto de Biologia Molecular e Celular, não dúvida de que “acarreta ainda mais riscos”.

“Não há dúvida nenhuma de que o risco é maior. O facto de recebermos pessoas que podem vir de qualquer país da Europa, alguns com níveis de contágio elevados, acarreta mais riscos“, afirmou, dizendo, no entanto, entender a “difícil decisão” que o Governo “tinha em mãos”.

“A decisão que foi tomada cá foi tomada por todos os países da Europa e não há dúvidas de que os países e as economias não podem parar. O Governo tem de gerir duas coisas: o risco da saúde e o risco de o país parar. O impacto já está a ser enorme, se parasse durante o verão, a dificuldade do país em recuperar ia ser ainda mais difícil”, considerou.

No entender de Didier Cabanes, a gestão de novos casos e aquilo que ditará se a transmissão será “descontrolada ou controlada” dependerá, efetivamente, de duas questões: da capacidade de as pessoas respeitarem as medidas de segurança e higiene, e da capacidade do sistema detetar os casos, testá-los e isolar os que testarem positivo.

“Se isto acontecer, se for controlado, acho que podemos passar o melhor possível o verão, sendo certo de que alguns casos, de certeza, vamos ter”, afirmou, salientando ainda que a “conjugação” entre o final de férias e regresso ao trabalho pode vir a tornar-se uma situação “complicada”.

“Além desta despreocupação, quando as pessoas regressarem ao trabalho, há a mudança da estação. O outono é o momento onde o vírus [da gripe] aparece e, ainda que tenhamos uma fase melhor durante o verão, a conjugação das duas coisas pode vir a tornar os meses de setembro e outubro complicados”, salientou.

Acrescentando, no entanto, que tudo dependerá da capacidade de cada um “de ter consciência de que a pandemia não passou, o vírus [SARS-CoV-2] ainda está a aqui e se os cuidados pararem, o risco é muito grande, sobretudo porque não há medicamento, nem vacina”.

Fase seguinte é mais preocupante

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Carlos Robalo Cordeiro, considera que o período de férias que está a iniciar-se constitui um fator de risco de infeção por Covid-19, mas a fase seguinte é mais preocupante.

As férias são uma época em que “as pessoas querem relaxar, encontrar-se com familiares e amigos, estar fora de casa, conviver” e isso gera maiores aglomerações, aumentando o risco de contágio, disse à agência Lusa Carlos Robalo Cordeiro.

O turismo está a sofrer um acentuado decréscimo, apesar disso, haverá sempre visitantes estrangeiros, que, sobretudo oriundos de países mais afetados pela pandemia, são também fator de risco, nota o especialista.

Neste período, as pessoas preferem áreas abertas, como praia ou esplanadas, o que faz com que o risco de contágio não seja tão grande como nos espaços fechados, ainda assim continuará a haver doentes do novo coronavírus e o número de infetados não passará a ser insignificante, alerta.

Pelo contrário, os casos vão aumentar, prevê o também diretor do Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e membro do Conselho de Escolas Médicas Portuguesas.

Embora permita mais afastamento físico entre as pessoas e promova a opção por áreas abertas, esta época “é de risco”, pois também é propícia ao relaxamento e ao exagero, sintetiza o pneumologista.

De todo o modo, Carlos Robalo Cordeiro está “mais preocupado com a fase seguinte”, com “o regresso das pessoas a casa, ao trabalho, à escola, aos transportes públicos”, com “centenas de milhares de pessoas em espaços fechados”, onde “as regras (estabelecidas pelas autoridades de saúde) são mais difíceis de cumprir”, a começar pelo afastamento social.

Tanto mais que – sabe-se agora – o vírus “pode manter-se em suspensão no ar durante algum tempo” e transmitir-se “através da fala normal”, sublinha.

“O perigo do verão é que, terminado este período de maior relaxamento, se tenha uma situação em que os hospitais não consigam comportar” os doentes necessitados de assistência, sustenta Robalo Cordeiro, destacando que, por isso, “é fundamental chegar a essa fase com números (de infetados) mais baixos do que os de hoje e com grande capacidade de fazer testes (à Covid-19) rápidos” (obtenção de resultados num curto de espaço de tempo).

Simultaneamente, impõe-se que a vacina contra os vírus da gripe (ou influenza) seja administrada “o mais cedo possível, logo em outubro”, e não apenas a quem tem mais de 65 anos de idade, mas “também a todos os profissionais de saúde e funcionários de estruturas residenciais para idosos”.

Em relação ao vírus influenza, Portugal “não está muito mal, tem uma taxa de 61% de vacinação da população com mais de 65 anos”, embora a Organização Mundial de Saúde recomende para este grupo de risco 75%.

Para o nosso país ter alcançado aquela percentagem “contribuiu muito a gratuitidade, desde 2010, da vacinação contra a influenza”, para esta população, sublinha Carlos Robalo Cordeiro, defendendo, agora por razões acrescidas, o alargamento desta medida a grupos como grávidas e cidadãos com idades entre os 60 e os 65 anos — “seria muito importante”.

Mas se as pessoas com mais de 65 anos têm, em Portugal, uma taxa de vacinação contra a gripe satisfatória – designadamente quando comparada com as de outros países da Europa -, já em relação aos profissionais de saúde, ela “não chega a metade” (ronda os 49%).

É verdade que a pandemia em Portugal tem sido, de algum modo, controlada, que não foi necessário utilizar mais de 60% da capacidade dos cuidados intensivos, mas, salienta o pneumologista e membro do Gabinete de Crise da Ordem dos Médico, estes “foram reforçados” e trata-se de uma altura do ano em que “não há tantas doenças crónicas” como no outono e inverno.

Além disso, foram adiadas consultas e cirurgias, os utentes, eles próprios, evitaram ou tiveram mesmo medo de recorrer aos serviços de saúde e os profissionais do setor não estavam tão desgastados como estão agora. “A gripe, só por ela, chega, por vezes, para provocar, nalguns locais, quase o caos”, adverte.

“Não nos vamos ver livres deste vírus tão cedo”, afirma o médico, referindo o caso da Austrália (que agora teve de voltar ao confinamento). “A imunidade de grupo é uma miragem”, como reflete, por exemplo, um estudo recentemente efetuado em Madrid, que aponta para uma taxa de apenas 5%. Além de que essa imunidade, “tudo indica, não é permanente”, nem se sabe por quanto tempo se manterá.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, atendendo à atual situação, “é fundamental o reforço das estruturas de saúde pública”, alerta Carlos Robalo Cordeiro, considerando que a infeção deveria ser controlada, monitorizada e analisada, ali e no plano nacional, por comissões “talvez a nível de distrito” e de alguns setores.

Essas comissões não deveriam envolver apenas as autoridades de saúde, mas também outras entidades, como academias ou forças de segurança, porque “as realidades são muito diferentes de região para região”.

As academias, as sociedades científicas, as ordens profissionais deveriam, aliás, ser mais chamadas a participar na análise e definição de respostas para a situação, que exige que estejamos “todos juntos”, preconiza o especialista, frisando que, por exemplo, o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas, que reúne as oito faculdades de medicina do País, não tem sido chamado a emitir opinião.

“Estamos a desperdiçar capacidade de ver e interpretar os dados”, conclui Carlos Robalo Cordeiro, apelando aos responsáveis políticos para que “oiçam mais quem possa ter uma visão científica, desinteressada, independente”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …

Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes. Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do …

Ana Estrada Ugarte. Em decisão histórica, Peru abre as portas à eutanásia

Numa decisão histórica esta quinta-feira, o 11.º Tribunal Constitucional do Superior Tribunal de Justiça de Lima, no Peru, ordenou ao Ministério da Saúde do país que respeitasse a vontade de Ana Estrada Ugarte de acabar …

Árbitros estrangeiros na próxima época? APAF recusa "atestado de incompetência"

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) tem a certeza de que o Conselho de Arbitragem (CA) não irá passar um "atestado de incompetência" aos árbitros portugueses, chamando estrangeiros para encontros de Ligas nacionais. Segundo …

Depois do desconforto que a série causou na Família Real, Harry defende "The Crown"

Durante uma entrevista a James Corden, para o programa americano The Late Late Show, o príncipe Harry defendeu a série The Crown da Netflix, explicando que embora não seja “estritamente precisa”, retrata a pressão da …

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …