/

NASA regressa a Vénus para perceber se o planeta já foi habitável no passado

ESA/ATG medialab

A NASA está a regressar a Vénus para aprender como é que o planeta se tornou um deserto quente e venenoso — e se o planeta já foi habitável no passado.

A NASA está finalmente a voltar a Vénus. Em 2 de junho de 2021, o administrador da NASA Bill Nelson anunciou que a agência tinha selecionado dois vencedores da sua última competição de missões espaciais da classe Discovery, e ambos dirigiam-se ao segundo planeta mais próximo do Sol.

Esta é a primeira vez desde a missão Magalhães, em 1989, em que a NASA se comprometeu a enviar naves para estudar o planeta.

Com os dados que estas duas missões a Vénus — chamadas VERITAS e DAVINCI+ — vão recolher, os cientistas planetários podem começar a resolver um dos maiores mistérios do Sistema Solar: por que Vénus é um planeta quase do mesmo tamanho, densidade e idade da Terra, mas tão diferente do mundo que a humanidade chama de lar?

Vénus é um planeta rochoso do mesmo tamanho que a Terra, mas apesar dessas semelhanças, é um lugar selvagem. Embora apenas um pouco mais perto do Sol do que a Terra, um efeito estufa descontrolado significa que é extremamente quente na superfície.

A pressão na superfície é 90 vezes maior que a pressão ao nível do mar na Terra. E ainda por cima, há nuvens de ácido sulfúrico a cobrir todo o planeta que corroem qualquer coisa que passe por elas.

Mas talvez o aspeto mais fascinante de Vénus é que pode ter-se parecido muito com a Terra. Modelos climáticos recentes sugerem que no passado o planeta poderia ter oceanos de água líquida e um clima ameno.

Pode ter sido habitável por até 3 mil milhões de anos antes de sucumbir a algum tipo de catástrofe climática. O objetivo destas duas missões a Vénus é tentar determinar se o planeta realmente era gémeo da Terra, por que mudou e se, em geral, grandes planetas rochosos tornam-se oásis habitáveis como a Terra… ou terras chamuscadas como Vénus.

As missões VERITAS e DAVINCI+ têm como objetivo explorar a história geológica e climatológica de Vénus como um todo, de duas maneiras muito diferentes, mas complementares.

A espessa camada de nuvens de ácido sulfúrico que cobre Vénus torna quase impossível ver a superfície com câmaras normais. É por isso que a sonda do VERITAS carregará um poderoso sistema de radar. Este radar pode espreitar através das nuvens e reunir imagens e dados topográficos em resolução até dez vezes maior do que qualquer missão anterior a Vénus.

Isto permitirá que os cientistas procurem pistas sobre o clima anterior de Vénus que podem ser preservadas em formações rochosas na superfície e também pode responder se o planeta é geologicamente ativo hoje.

E, finalmente, esta missão usará uma câmara infravermelha especial para ver a atmosfera em comprimentos de onda muito específicos para fazer as primeiras medições do que são feitas as rochas de Vénus — algo sobre o qual os cientistas sabem muito pouco.

Na missão DAVINCI+, a verdadeira estrela do show será a sonda atmosférica de um metro de largura. A sonda cairá na atmosfera de Vénus através das nuvens espessas.

Na descida, vai recolher amostras da atmosfera, medindo especificamente uma variedade de gases, incluindo árgon, crípton e xénon. Diferentes históricos climáticos para Vénus levariam a diferentes proporções destes gases nobres na atmosfera.

Assim, ao analisar estas proporções, os cientistas serão capazes de descobrir com que quantidade de água o planeta se formou e até mesmo quanta água perdeu durante os últimos 4,5 mil milhões de anos.

Mas isto não é tudo o que a sonda fará. Pouco antes de fazer uma aterragem forçada numa área chamada Alpha Regio, que tem algumas das rochas mais antigas do planeta, a sonda captará imagens infravermelhas da superfície à medida que surge através da escuridão da baixa atmosfera. Estas imagens serão as primeiras tiradas acima da superfície, mas abaixo das nuvens, mostrando Vénus como nunca.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.