Professores da Venezuela denunciam salários em atraso e despedimentos. “Vamos morrer à fome”

Rayner Pena / EPA

Dezenas de professores do ensino oficial venezuelano manifestaram-se esta quinta-feira em Caracas para pedir a demissão do ministro de Educação, Aristóbulo Istúriz, a quem responsabilizam pelo não pagamento de subsídios em atrasos e por salários “de miséria”

“Vamos morrer à fome” denunciou Lourdes Villarroel, uma das professoras que marchou para reclamar também que um professor com um doutoramento recebe o mesmo salário que um operário. Durante o protesto, que teve lugar junto da sede administrativa da Zona Educativa de Caracas, os professores usaram uma linguagem bastante violenta contra o ministro e o Governo venezuelano, instando as autoridades a levá-los presos, porque “ninguém” os calará.

Os manifestantes denunciaram que o regime não respeita os contratos de trabalho e que além de não pagar atempadamente os salários, despediu, sem justa causa, mais de 500 professores. “Temos mais de 15 casos de professores que estão de repouso (médico) e não cobram (o salário). Também de professores que foram despedidos por problemas com diretores das escolas e no interior do país estão a cometer as piores atrocidades”, disse a secretária da Federação Venezuelana de Professores aos jornalistas.

Griselda Sánchez acusou o ministro de ser “o único professor que é milionário”, acusando-o de “ladrão e traidor” e reclamou que “há mulheres (professoras) grávidas e (professores) doentes, que não recebem o salário”, nem subsídios. “Isso é um crime. Estás a meter-te com o nosso pão”, frisou.

Entretanto a imprensa venezuelana dá conta de que 2.000 professores de Caracas abandonaram as escolas devido aos baixos salários. Também foi revelado que as escolas públicas venezuelanas cumpriram apenas 70% do calendário correspondente ao período escolar 2018-2019 e que nalguns casos os jovens venezuelanos apenas receberam aulas durante 60 dos 202 dias escolares.

Em relação à participação dos alunos nas aulas, segundo o parlamento venezuelano, rondou os 45%, tendo os alunos sido aprovados para níveis superiores, “sem a preparação nem os conhecimentos dos objetivos do programa”.

Além dos baixos salários, os professores responsabilizam a crise, as falhas elétricas, a falta de gás doméstico, a escassez de transportes, a falta de recursos e de dinheiro, como as principais causas da ausência escolar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os Professores aposentados do Brasil estão iguais aos venezuelanos. Não tem aumento, só prestam os professores que continuam trabalhando. Os aposentados podem passar fome. Pouco importa para os governantes. Quanto mais sem educação, mais burros e ignorântes tem no pais facilitaria a roubalheira em Brasília. Ninguém vai entender mesmo.

RESPONDER

Turistas estão a invadir Hallstatt, a aldeia austríaca que terá inspirado "Frozen"

Considerado Património Mundial pela UNESCO desde 1997, Hallstatt, na Áustria, possui apenas 778 moradores e tem uma sequência de casas em estilo alpino. Em 2010, antes do lançamento do primeiro filme da Disney, "Frozen", a cidade …

Teerão vai enviar caixa negra do avião abatido para a Ucrânia

O Irão vai enviar para a Ucrânia as gravações da caixa negra do avião ucraniano que abateu acidentalmente, na semana passada, para que sejam sujeitas a análises adicionais. Hassan Rezaeifer, chefe de investigações de acidentes do …

António Folha já não é treinador do Portimonense

O treinador apresentou a demissão do comando técnico do Portimonense, este sábado, depois de perder na deslocação ao lanterna-vermelha Desportivo das Aves, por 3-0. "Antes de me fazerem qualquer pergunta sobre o jogo, queria transmitir que …

Há pombos cowboys em Las Vegas (e voluntários estão a tentar salvá-los)

Por alguma razão, alguém decidiu colar chapéus vermelhos minúsculos de cowboy em pombos de Las Vegas, nos Estados Unidos. Agora, a equipa do Lofty Hopes Pigeon Rescue está a tentar salvá-los. Há uma missão para resgatar …

Youtube encaminha milhões de utilizadores para desinformação climática

Os algoritmos do YouTube estão a encaminhar milhões de utilizadores de vídeos de empresas para a desinformação sobre as alterações climáticas, através de serviços de publicidade online, de acordo com uma investigação da comunidade virtual …

Paulo Gomes é o novo presidente do Vitória de Setúbal

O ex-vice-presidente, líder da lista D, foi eleito presidente do Vitória de Setúbal para o mandato 2020-2023, com um total de 875 votos. Paulo Gomes, de 50 anos, foi o mais votado das cinco listas candidatas, …

O mercado online de leite materno está a crescer (mas pode ser mau para os bebés)

https://vimeo.com/385229063 Para os pais que querem que o seu filho beba leite materno, mas que não conseguem produzi-lo, a possibilidade de o poder comprar na Internet pode parecer uma boa solução. No entanto, este mercado não …

Regina Duarte convidada para suceder a secretário da Cultura demitido

A atriz brasileira confirmou, na sexta-feira, ter sido convidada pelo Presidente do país para liderar a Secretaria da Cultura do Governo, após a exoneração de Roberto Alvim por ter parafraseado um discurso nazi. "É isso, recebi …

Universidade de Harvard quer criar 127 novos estados nos EUA

A Harvard Law Journal, da Universidade de Harvard, publicou um plano ousado - mas, segundo os autores, completamente constitucional - para salvar a democracia: criar 127 novos e minúsculos estados. Atualmente, todos os estados dos Estados …

IL quer reduzir IVA da alimentação infantil e retirar limitação etária nas deduções do IRS

A Iniciativa Liberal apresentou, esta sexta-feira, duas propostas para reduzir o IVA da alimentação para crianças pequenas para 6% e para eliminar a limitação etária na dedução do IRS para famílias que tenham mais do …