Professores da Venezuela denunciam salários em atraso e despedimentos. “Vamos morrer à fome”

Rayner Pena / EPA

Dezenas de professores do ensino oficial venezuelano manifestaram-se esta quinta-feira em Caracas para pedir a demissão do ministro de Educação, Aristóbulo Istúriz, a quem responsabilizam pelo não pagamento de subsídios em atrasos e por salários “de miséria”

“Vamos morrer à fome” denunciou Lourdes Villarroel, uma das professoras que marchou para reclamar também que um professor com um doutoramento recebe o mesmo salário que um operário. Durante o protesto, que teve lugar junto da sede administrativa da Zona Educativa de Caracas, os professores usaram uma linguagem bastante violenta contra o ministro e o Governo venezuelano, instando as autoridades a levá-los presos, porque “ninguém” os calará.

Os manifestantes denunciaram que o regime não respeita os contratos de trabalho e que além de não pagar atempadamente os salários, despediu, sem justa causa, mais de 500 professores. “Temos mais de 15 casos de professores que estão de repouso (médico) e não cobram (o salário). Também de professores que foram despedidos por problemas com diretores das escolas e no interior do país estão a cometer as piores atrocidades”, disse a secretária da Federação Venezuelana de Professores aos jornalistas.

Griselda Sánchez acusou o ministro de ser “o único professor que é milionário”, acusando-o de “ladrão e traidor” e reclamou que “há mulheres (professoras) grávidas e (professores) doentes, que não recebem o salário”, nem subsídios. “Isso é um crime. Estás a meter-te com o nosso pão”, frisou.

Entretanto a imprensa venezuelana dá conta de que 2.000 professores de Caracas abandonaram as escolas devido aos baixos salários. Também foi revelado que as escolas públicas venezuelanas cumpriram apenas 70% do calendário correspondente ao período escolar 2018-2019 e que nalguns casos os jovens venezuelanos apenas receberam aulas durante 60 dos 202 dias escolares.

Em relação à participação dos alunos nas aulas, segundo o parlamento venezuelano, rondou os 45%, tendo os alunos sido aprovados para níveis superiores, “sem a preparação nem os conhecimentos dos objetivos do programa”.

Além dos baixos salários, os professores responsabilizam a crise, as falhas elétricas, a falta de gás doméstico, a escassez de transportes, a falta de recursos e de dinheiro, como as principais causas da ausência escolar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Os Professores aposentados do Brasil estão iguais aos venezuelanos. Não tem aumento, só prestam os professores que continuam trabalhando. Os aposentados podem passar fome. Pouco importa para os governantes. Quanto mais sem educação, mais burros e ignorântes tem no pais facilitaria a roubalheira em Brasília. Ninguém vai entender mesmo.

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …