Apesar das críticas, Venezuela conquista um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU

A Venezuela conquistou um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, depois de uma votação, esta quinta-feira, na Assembleia Geral da ONU. O Brasil ficou com a outra vaga destinada aos países da América Latina.

A Venezuela conseguiu, esta quinta-feira, apesar das críticas de alguns países e de organizações não-governamentais (ONG), um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU, depois de uma votação realizada na Assembleia Geral das Nações Unidas.

O Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, congratulou-se com a eleição. “Informamos e celebramos uma nova vitória para a diplomacia bolivariana de paz”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza.

Caracas vai assumir este lugar a 1 de janeiro de 2020, para um mandato de três anos, em substituição de Cuba, que termina o seu mandato.

A oposição venezuelana considerou “incoerente” que a Venezuela tenha sido eleita, uma vez que o regime está a ser investigado por “violações dos direitos humanos e crimes que lesam a Humanidade”.

“Como é que um regime que está a ser investigado por violar direitos humanos pode aceder a um espaço de defesa dos direitos humanos e onde uma outra ditadura, a cubana, ocupa um lugar?”, questionou o líder da oposição e presidente do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, perante os jornalistas.

Segundo Guaidó, o lugar que a Venezuela passa a ocupar “está machado de sangue”. “Aí estão as contradições, substituíram uma ditadura por outra”, disse o líder da oposição, que agradeceu à Costa Rica por se ter candidatado para ocupar um lugar neste Conselho e assim tentar evitar a entrada da Venezuela.

Com 105 votos a favor da sua candidatura, Caracas ficou à frente da Costa Rica, que apenas obteve o apoio de 96 países-membros.

O presidente do Parlamento afirmou ainda que a ONU perdeu credibilidade e recordou que a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, elaborou recentemente um relatório que regista a existência de “extermínios em setores populares” e que a Human Right Watch tem registados 18 mil assassinatos extrajudiciais.

Os deputados opositores Richard Blanco e Carlos Bastardo também questionaram a decisão, que dizem ser uma “bofetada à diplomacia” e apelaram aos venezuelanos a que manifestem o seu inconformismo.

“Temos visto os nossos direitos humanos violados. Não fiques calado perante esta irregularidade. Os assassinos devem ir presos, nunca podem ser premiados. A ajuda internacional urgente é a única saída. Levanta a tua voz”, escreveu Richard Blanco na sua conta do Twitter.

Segundo Carlos Bastardo, “o que aconteceu hoje na ONU é uma verdadeira vergonha, uma bofetada à diplomacia (…), aos venezuelanos que lutam pela liberdade”. “Permitir que o regime se sente no Conselho de Direitos Humanos é celebrar que o socialismo assassine na Venezuela”, escreveu também no Twitter.

Brasil foi reconduzido

O Brasil foi reconduzido para mais um mandato, com 153 votos a favor, ocupando o outro dos dois lugares reservados à América Latina. Segundo a Deutsche Welle, o apoio à sua recondução foi um dos menores já recebidos pelo país em votações para este Conselho.

Em 2006, na sua primeira eleição, o Brasil obteve 165 votos; em 2008, foi reeleito com 175 votos; em 2012, recebeu o apoio de 184 Estados-membros num total de 193, uma marca inédita. Em 2016, sob o Governo de Michel Temer, o país obteve apenas 137 votos.

A ministra brasileira da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, congratulou-se com a recondução e com o facto de o país ter recebido “16 votos a mais do que na última eleição”.

“O mundo reconhece o nosso esforço na defesa de direitos humanos para todos. O Governo de Jair Bolsonaro trabalha dia e noite contra as violações. Este é um novo momento para o Brasil, em que o Governo é um incansável defensor da vida e que não mede esforços para enfrentar a violência”, escreveu no Twitter.

Os dois países juntam-se à Argentina, Bahamas, Chile, México, Peru e Uruguai no grupo da América Latina.

Noutras disputas, o Iraque perdeu no grupo da Ásia, que elegeu o Japão, a Coreia do Sul, a Indonésia e as Ilhas Marshall. A Moldávia saiu derrotada na corrida pelos dois assentos da Europa de Leste, conquistados pela Arménia e Polónia.

Já a Alemanha, eleita para o seu quarto mandato, e Holanda ficaram com as vagas da Europa Ocidental. A eleição dos dois países europeus foi apenas uma formalidade, já que eram os únicos concorrentes. No grupo africano, foram eleitos a Líbia, a Mauritânia, o Sudão e a Namíbia.

O Conselho de Direitos Humanos foi criado em 2006 para substituir a então Comissão de Direitos Humanos, extinta após 60 anos de trabalhos devido à crise de legitimidade, motivada por decisões vistas como parciais, politizadas e desequilibradas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …