Apesar das críticas, Venezuela conquista um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU

A Venezuela conquistou um assento no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, depois de uma votação, esta quinta-feira, na Assembleia Geral da ONU. O Brasil ficou com a outra vaga destinada aos países da América Latina.

A Venezuela conseguiu, esta quinta-feira, apesar das críticas de alguns países e de organizações não-governamentais (ONG), um lugar no Conselho de Direitos Humanos da ONU, depois de uma votação realizada na Assembleia Geral das Nações Unidas.

O Governo do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, congratulou-se com a eleição. “Informamos e celebramos uma nova vitória para a diplomacia bolivariana de paz”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza.

Caracas vai assumir este lugar a 1 de janeiro de 2020, para um mandato de três anos, em substituição de Cuba, que termina o seu mandato.

A oposição venezuelana considerou “incoerente” que a Venezuela tenha sido eleita, uma vez que o regime está a ser investigado por “violações dos direitos humanos e crimes que lesam a Humanidade”.

“Como é que um regime que está a ser investigado por violar direitos humanos pode aceder a um espaço de defesa dos direitos humanos e onde uma outra ditadura, a cubana, ocupa um lugar?”, questionou o líder da oposição e presidente do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, perante os jornalistas.

Segundo Guaidó, o lugar que a Venezuela passa a ocupar “está machado de sangue”. “Aí estão as contradições, substituíram uma ditadura por outra”, disse o líder da oposição, que agradeceu à Costa Rica por se ter candidatado para ocupar um lugar neste Conselho e assim tentar evitar a entrada da Venezuela.

Com 105 votos a favor da sua candidatura, Caracas ficou à frente da Costa Rica, que apenas obteve o apoio de 96 países-membros.

O presidente do Parlamento afirmou ainda que a ONU perdeu credibilidade e recordou que a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, elaborou recentemente um relatório que regista a existência de “extermínios em setores populares” e que a Human Right Watch tem registados 18 mil assassinatos extrajudiciais.

Os deputados opositores Richard Blanco e Carlos Bastardo também questionaram a decisão, que dizem ser uma “bofetada à diplomacia” e apelaram aos venezuelanos a que manifestem o seu inconformismo.

“Temos visto os nossos direitos humanos violados. Não fiques calado perante esta irregularidade. Os assassinos devem ir presos, nunca podem ser premiados. A ajuda internacional urgente é a única saída. Levanta a tua voz”, escreveu Richard Blanco na sua conta do Twitter.

Segundo Carlos Bastardo, “o que aconteceu hoje na ONU é uma verdadeira vergonha, uma bofetada à diplomacia (…), aos venezuelanos que lutam pela liberdade”. “Permitir que o regime se sente no Conselho de Direitos Humanos é celebrar que o socialismo assassine na Venezuela”, escreveu também no Twitter.

Brasil foi reconduzido

O Brasil foi reconduzido para mais um mandato, com 153 votos a favor, ocupando o outro dos dois lugares reservados à América Latina. Segundo a Deutsche Welle, o apoio à sua recondução foi um dos menores já recebidos pelo país em votações para este Conselho.

Em 2006, na sua primeira eleição, o Brasil obteve 165 votos; em 2008, foi reeleito com 175 votos; em 2012, recebeu o apoio de 184 Estados-membros num total de 193, uma marca inédita. Em 2016, sob o Governo de Michel Temer, o país obteve apenas 137 votos.

A ministra brasileira da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, congratulou-se com a recondução e com o facto de o país ter recebido “16 votos a mais do que na última eleição”.

“O mundo reconhece o nosso esforço na defesa de direitos humanos para todos. O Governo de Jair Bolsonaro trabalha dia e noite contra as violações. Este é um novo momento para o Brasil, em que o Governo é um incansável defensor da vida e que não mede esforços para enfrentar a violência”, escreveu no Twitter.

Os dois países juntam-se à Argentina, Bahamas, Chile, México, Peru e Uruguai no grupo da América Latina.

Noutras disputas, o Iraque perdeu no grupo da Ásia, que elegeu o Japão, a Coreia do Sul, a Indonésia e as Ilhas Marshall. A Moldávia saiu derrotada na corrida pelos dois assentos da Europa de Leste, conquistados pela Arménia e Polónia.

Já a Alemanha, eleita para o seu quarto mandato, e Holanda ficaram com as vagas da Europa Ocidental. A eleição dos dois países europeus foi apenas uma formalidade, já que eram os únicos concorrentes. No grupo africano, foram eleitos a Líbia, a Mauritânia, o Sudão e a Namíbia.

O Conselho de Direitos Humanos foi criado em 2006 para substituir a então Comissão de Direitos Humanos, extinta após 60 anos de trabalhos devido à crise de legitimidade, motivada por decisões vistas como parciais, politizadas e desequilibradas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Mais de mil condutores ficaram sem carta por perda de pontos

Mais de mil condutores ficaram sem carta de condução por perderem pontos, avança o Jornal de Notícias, dando conta que quase 300 pessoas tiveram que voltar à escola de condução para voltarem a ter permissão …

Confinado num hotel de luxo, funcionário abre 1400 torneiras a cada cinco dias

O diretor de engenharia do hotel W Barcelona, em Espanha, está a viver sozinho no estabelecimento turístico para garantir o seu pleno funcionamento até ao dia da reabertura. No âmbito das medidas impostas pelo Governo espanhol para …

Prisão preventiva para suspeito de matar estudante de psicologia em Lisboa

O suspeito de matar a estudante universitária de psicologia Beatriz Lebre, de 23 anos, ficou em prisão preventiva, depois de presente a primeiro interrogatório judicial, em Lisboa, disse à agência Lusa o advogado do arguido. Miguel …

BPI quer cobrar dívida de quase 5 milhões ao marido de Isabel dos Santos

O BPI interpôs um processo no Tribunal do Funchal, na Madeira, para cobrar uma dívida de 5 cinco milhões de euros ao marido da empresária Isabel dos Santos. A notícia é avançada este sábado pelo Diário …

Mais 13 mortes e 257 infetados. Região de Lisboa concentra 90% dos novos casos

Portugal regista este sábado 1.396 mortes relacionadas com a covid-19, mais 13 do que na sexta-feira, e 32.203 infetados, mais 257, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Registou-se um aumento de 0,8% no …

Recibos verdes e sócios-gerentes já podem pedir apoio relativo a maio

O formulário para os trabalhadores independentes e sócios-gerentes pedirem o apoio criado no âmbito da pandemia covid-19, relativo a maio, fica hoje disponível na Segurança Social Direta, podendo ser entregue até 9 de junho. O prazo …

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …