Veneno dos ornitorrincos pode ser a chave para o tratamento da diabetes

Investigadores australianos descobriram mudanças evolutivas notáveis na regulação da insulina em duas das espécies de animais nativos mais emblemáticas do país – o ornitorrinco e o echidna – que podem abrir caminho para novos tratamentos para a diabetes tipo 2 em seres humanos.

Os resultados, agora publicados na revista Nature Scientific Reports, revelam que o mesmo hormónio produzido no intestino do ornitorrinco para regular a glicose no sangue também é surpreendentemente produzido no seu veneno.

O hormónio, conhecido como peptídeo-1, semelhante ao glucagon (GLP-1, na sigla em inglês), é normalmente expelido no intestino dos seres humanos e animais, estimulando a libertação de insulina para baixar a glicose no sangue.

No entanto, o GLP-1 normalmente degrada-se em poucos minutos.

Em pessoas com diabetes tipo 2, o curto estímulo desencadeado pelo GLP-1 não é suficiente para manter um equilíbrio adequado do açúcar no sangue. Por isso, a medicação que inclui uma forma mais duradoura do hormónio é necessária para ajudar a fornecer uma libertação prolongada de insulina.

“A nossa equipa descobriu que os monotremes – os famosos ornitorrincos – e o echidna evoluíram alterações no hormónio GLP-1 que o tornam resistente à rápida degradação normalmente observada em seres humanos”, diz o co-autor Frank Grutzner, da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade de Adelaide e do Instituto de Pesquisa Robinson.

“Descobrimos que em monotremes o GLP-1 é degradado por um mecanismo completamente diferente. A análise mais aprofundada da genética dos monotremes revela que parece haver uma espécie de guerra molecular a acontecer na função do GLP-1, que é produzido no intestino, mas surpreendentemente também no seu veneno”, explica.

O ornitorrinco produz um veneno poderoso durante o período da procriação, usado geralmente na competição entre os machos pelas fêmeas.

O GLP-1 também foi descoberto no veneno de equidnas

O GLP-1 também foi descoberto no veneno de equidnas

“Descobrimos funções conflitantes do GLP-1 no ornitorrinco: no intestino como um regulador da glicose no sangue, e no veneno para afastar outros machos durante a época da reprodução. Este cabo de guerra entre as diferentes funções resultou em dramáticas mudanças no sistema GLP-1”, diz a co-autora Briony Forbes, da Faculdade de Medicina da Universidade Flinders.

“A função no veneno provavelmente desencadeou a evolução de uma forma estável de GLP-1 em monotremes. As moléculas de GLP-1 estáveis são altamente desejáveis como potenciais tratamentos de diabetes tipo 2″, celebra.

“Este é um exemplo surpreendente de como milhões de anos de evolução podem moldar moléculas e otimizar a sua função. Estas descobertas têm o potencial de ajudar no tratamento da diabetes, um dos nossos maiores desafios na saúde, embora como exatamente podemos converter este achado num tratamento é algo que precisa de ser alvo de pesquisas futuras”, prevê Grutzner.

O GLP-1 também foi descoberto no veneno de equidnas. Mas enquanto o ornitorrinco tem esporas nos seus membros traseiros para libertar uma grande quantidade de veneno para o seu adversário, não há tal estímulo nos equidnas.

“A falta de um esporão nos equidnas continua a ser um mistério evolutivo, mas o facto de que tanto ornitorrincos quanto equidnas evoluíram a mesma forma duradoura do hormónio GLP-1 é em si só uma descoberta muito emocionante”, diz o investigador.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos descobrem uma super-Terra perto de uma estrela gelada

Uma equipa de investigadores descobriu uma super-Terra a orbitar GJ 740, uma estrela anã fria localizada a cerca de 36 anos-luz do nosso planeta. Nos últimos anos, os cientistas têm levado a cabo uma busca exaustiva …

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …