/

Variantes são as culpadas pela catastrófica segunda vaga na Índia

2

Jagadeesh Nv / EPA

Variantes são as culpadas pela catastrófica segunda vaga na Índia, sugerem os investigadores. A Índia é um dos países mais afetados pela pandemia.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Com mais de 300.000 novos casos de covid-19 por dia e hospitais e crematórios perto do colapso, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a situação na Índia é “para lá de dilacerante”.

O Governo da Índia culpou as pessoas por não seguirem as diretivas de saúde pública seguras para a covid-19, mas dados recentes mostram que o uso de máscara caiu apenas 10 pontos percentuais, de um máximo de 71% em agosto de 2020 para um mínimo de 61% no final de fevereiro.

E o índice de mobilidade aumentou cerca de 20 pontos percentuais, embora a maioria dos setores da economia e da atividade se tenham aberto. Estas são mudanças modestas e não explicam adequadamente o enorme aumento de casos.

Uma explicação mais provável é o impacto de variantes mais infecciosas do que o vírus SARS-CoV-2 original.

Variantes na Índia

Os vírus continuam a mudar e a adaptar-se através de mutações, e novas variantes de um vírus são esperadas e rastreadas numa situação de pandemia como esta.

O Reino Unido está a testar atualmente cerca de 8% dos positivos e os Estados Unidos cerca de 4%. A Índia tem vindo a testar cerca de 1% no total. O Indian SARS-CoV-2 Genomics Consortium (INSACOG) testou até agora 15.133 genomas SARS-CoV-2. Isto significa que, em cada 1.000 casos, o Reino Unido sequenciou 79,5, os EUA 8,59 e a Índia apenas 0,0552.

Na última semana de dezembro, a Índia detetou seis casos da variante do Reino Unido (B.1.1.7) entre viajantes internacionais.

A segunda vaga atual começou no estado de Punjab, no noroeste, na primeira quinzena de fevereiro e ainda não atingiu o plateau. Um dos assessores do Governo de Punjab confirmou que mais de 80% dos casos foram atribuídos à variante britânica.

Significativamente, os distritos mais afetados são da região de Doaba, em Punjab. Estima-se que 60-70% das famílias nestes distritos têm familiares no exterior, principalmente no Reino Unido ou no Canadá, e um alto volume de viagens de e para esses países.

PUBLICIDADE

B.1.617, ou o que tem sido chamado de “mutação dupla indiana”, chamou a atenção porque contém duas mutações (conhecidas como E484Q e L452R) que foram associadas a uma maior transmissibilidade e uma capacidade de evadir o nosso sistema imunológico.

Muitos especialistas na Índia agora acham que isso está a impulsionar o ressurgimento do vírus.

Em todo o mundo, várias estirpes mutantes surgiram graças à replicação contínua do vírus em humanos. Tanto a capacidade de se replicar e transmitir, quanto a capacidade de escapar do nosso sistema imunitário, fizeram com que as variantes se estabelecessem como dominantes em diferentes regiões e populações.

A variante do Reino Unido (B.1.1.7) é pelo menos 30% mais transmissível. Num webinar recente, especialistas indianos observaram que a “variante indiana” (B.1.617) é similarmente transmissível à variante do Reino Unido, mas há poucas evidências até agora de que seja mais letal do que o vírus original.

Este é o cenário indiano atual: uma contagem de mortes mais alta, apesar de as variantes não serem mais fatais em termos relativos.

PUBLICIDADE

Estabelecer um sistema de vigilância genómica e testar consistentemente 5% das amostras positivas é uma ferramenta cara, mas importante. Isso pode ajudar a identificar pontos de acesso emergentes, rastrear a transmissão e permitir a tomada de decisões ágil e intervenções personalizadas.

  ZAP // The Conversation

2 Comments

  1. Um dos problemas da Índia, que não se pode dizer porque é “racismo”, é que o povo Indiano têm uma noção muito diferente do conceito de espaço pessoal. Aliás, é coisa que não existe. Entra-se num elevador ou qualquer espaço fechado, e os Indianos entram até ficar tudo tipo sardinhas em lata. Qualquer fila para entrar onde quer que seja, resulta numa montanha de gente como todos uns em cima dos outros. Ora isto para o COVID é mau.

  2. A outra hipotese e o grande elefante no meio da loja de porcelanas é o facto da campanha de vacinaçao ter arrancado em força na India.

    Segundo Geert Vanden Bossche, virologista que colaborou com a OMS no surto de ebola ha uns anos, a vacinaçao em massa durante uma pandemia pode enfraquecer a imunidade natural das pessoas, tornando-as mais susceptiveis a serem infetadas por novas variantes e a comprometer a resposta imunitaria.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.