Extrair urânio do mar poderá permitir energia ilimitada

O Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico, dos EUA, em parceria com a LCW Supercritical Technologies fez um importante avanço para a indústria nuclear: descobriu um método económico para extrair urânio a partir da água do mar.

As energias renováveis são cada vez mais consideradas fontes de energia limpa. Pelo contrário, as energias não renováveis, como os combustíveis derivados do petróleo, são encarados como um verdadeiro perigo para a saúde do planeta.

Já as energias nucleares são apontadas como as principais na indústria, quando o assunto é produzir grandes quantidades de energia. Mas se este é um pró, o contra a ele associado é que este tipo de energia causa insegurança isto porque são utilizadas fontes de radiação no sistema de produção energético, uma autêntica dor de cabeça ecológica.

Mas esta discussão pode ganhar novos contornos com a descoberta feita pelo Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico (PNNL, na sigla em inglês), instituição de pesquisa ligada ao Governo dos Estados Unidos e pella LCW Supercritical Technologies.

Este novo processo utiliza fibras acrílicas de baixo custo e reutilizáveis e pode, um dia, tornar a energia nuclear ilimitada. Os investigadores conseguiram, durante uma experiência, extrair cinco gramas de urânio em pó da água do mar.

Além de sal, um litro de água do mar contém sulfatos, magnésio, potássio, brometo, flúor, ouro e urânio. No entanto, há apenas três microgramas por litro deste último elemento.

Todavia, se consideramos o quão grande é o oceano, o número torna-se 500 vezes mais do que poderia ser extraído em terra. Estamos a falar de 4 mil milhões de toneladas de urânio, o suficiente para operar mil reatores de fissão de 1 gigawatt (GW) durante 100.000 anos.

Mas como o retirar o urânio da água? Uma abordagem anteriormente desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa de Energia Atómica do Japão utilizava esteiras de polímero que extraíam os átomos da água do mar, mas a técnica era muito cara. Mais tarde, o Laboratório Nacional Oak Ridge, dos EUA, desenvolveu um processo com polímeros mais barato.

Agora, o PNNL e o LCW deram outro passo importante, utilizando fios acrílicos comuns e convertendo-os numa espécie de absorvente de urânio.

Embora os detalhes do processo não tenham sido divulgados, o PNNL afirmou que não só esta técnica funciona, como o acrílico pode ser limpo e reutilizado. Além disso, os cientistas afirmam ser possível usar fibras residuais para uma maior economia. Este último detalhe significa que a extração de urânio a partir da água do mar pode competir com a mineração a preços atuais.

Durante as experiências, os investigadores colocaram o fio acrílico em tanques cheios de água do mar. À medida que a água fluía, as fibras extraíam o urânio, lingando-o quimicamente a uma molécula. Finalizado este processo, o resultado foi cinco gramas do elemento.

“Para cada teste, colocamos cerca de 1 kg de fibra no tanque durante um mês e bombeamos a água do mar rapidamente, para imitar as condições do oceano”, explicou Gary Gill, investigador do PNNL. “Dos três primeiros testes, conseguimos cerca de cinco gramas. Pode não parecer muito, mas o processo pode vir a dar frutos”.

Além da extração de urânio, o PNNL acredita que esta técnica pode também ser usada para limpar cursos de água contaminados por metais pesados.

Agora, os investigadores querem encontrar financiamento para realizar testes em larga escala nas águas quentes do Golfo do México. Se a técnica resultar, a humanidade pode estar muito próxima de um dos maiores objetivos da alquimia antiga: encontrar uma fonte infindável de energia, acessível e segura.

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “uma fonte de energia… segura”!!! Mas então agora a energia nuclear já não é “uma autêntica dor de cabeça ecológica”?!?!
    A quem gosta destas coisas recomendo uma pesquisa sobre “molten salt reactors” para tentar perceber porque a energia nuclear não é segura.

  2. … deviam referir a quantidade de água necessária nos tanques para extrair as tais 5 gramas, qualquer coisa como 1,6 milhões de litros! Nada a ver com a banheirinha da foto.

RESPONDER

Encontrado vestígio de vida animal mais antigo de sempre

Investigadores da Universidade da Califórnia afirmam ter descoberto o vestígio mais antigo de vida animal conhecido, de formas de vida que existiram há mais de 635 milhões de anos. O estudo publicado esta segunda-feira na revista …

Inundações no sul de França fazem 12 mortos

O número de mortos nas inundações na zona de Carcassonne, na região de Aude, no sudoeste de França, subiu para 12, anunciaram nesta segunda-feira as autoridades, referindo que há uma pessoa desaparecida. O primeiro-ministro francês, Édouard …

Ursos polares famintos estão a comer baleias (e isso ajuda-os a sobreviver ao aquecimento)

Há mais de um ano, ursos polares reuniram-se num ilha ao largo da costa norte da Sibéria para devorar uma baleia morta. Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter …

Morreu Paul Allen, cofundador da Microsoft

Paul Allen, cofundador da Microsoft, morreu com 65 anos durante a tarde desta segunda-feira, anunciou a sua empresa, a Vulcan Inc, em nome da família.  Paul Allen tinha retomado recentemente tratamentos contra um linfoma não-Hodgkin, diagnosticado …

Todas as missões da NASA deveriam procurar vida extraterrestre

A procura por sinais de vida alienígena deve fazer parte de todas as missões futuras da NASA. A organização deve expandir o seu leque sobre possíveis sinais extraterrestres, de forma a conseguir identificá-los, aponta um …

Cientistas alcançam a primeira aceleração de eletrões em ondas de plasma

Físicos demonstraram uma nova técnica para acelerar eletrões a energias muito altas em distâncias muito curtas, uma técnica que permitirá alcançar novos avanços na física de partículas a preços mais modestos. O Large Hadron Collider (LHC) …

Casais de ratos do mesmo sexo tiveram crias

Cientistas da Academia Chinesa fizeram nascer crias de ratos de casais do mesmo sexo através de uma nova técnica que utiliza células estaminais modificadas. A nova técnica desenvolvida pelos cientistas chineses mistura células estaminais modificadas que …

Cientistas revertem casos de Diabetes tipo 2

Num novo estudo, cientistas bloquearam a proteína VDAC1 nas células que produzem insulina e conseguiram reverter casos de Diabetes tipo 2. Os investigadores também conseguiram mostrar que é possível prevenir o surgimento da doença. O estudo, …

Brexit. May diz que acordo “ainda é possível”, mas divergência que resta é “frustrante”

A primeira-ministra britânica, Theresa May, admitiu esta segunda-feira que "ainda é possível" um acordo que permita uma saída ordeira do Reino Unido da União Europeia, mas a divergência que resta com Bruxelas é "frustrante. Numa declaração …

Abrandamento económico pode dificultar consolidação orçamental em Portugal

A agência de notação financeira Fitch reconhece a "trajetória firme de descida" da dívida pública portuguesa, mas adverte que o abrandamento da economia e as pressões sobre o investimento poderão dificultar a consolidação orçamental nos …