Afinal, o Universo é mais novo do que pensávamos

(CC0/PD) myersalex216 / Pixabay

Volvidos mais de 10 mil milhões de anos após a sua formação, o Universo parece ter ainda muito por contar. Uma nova investigação, levada a cabo pelo Nobel da Física Adam Riess, concluiu que o Cosmos não só é mais novo do que os cientistas imaginavam, como também se expande 9% mais rápido do que apontavam cálculos anteriores baseados no rescaldo do Big Bang.

A nova investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica especializada Astrophysical Journal, recorreu a novas medições do Telescópio Espacial Hubble para calcular a taxa de expansão do Universo que há décadas intriga cientistas.

Riess, astrónomo da Universidade de Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, e vencedor do Nobel da Física em 2011, acredita que a discrepância observada relativamente aos dados anteriores não é um mero acidente científico, defendendo que pode ser necessária uma “nova Física” para compreender a velocidade de expansão do Universo.

“Este descompasso tem vindo a crescer e agora atingiu um ponto no qual é realmente impossível descartá-lo como um acaso. Esta disparidade não poderia ocorrer de forma plausível por mero acaso”, explicou Riess, que liderou o projeto, em comunicado.

Para esta investigação, Riess e a sua equipa (SH0ES) analisaram a luz de 70 estrelas na galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães, recorrendo a um novo método que permitiu capturar imagens rápidas destas estrelas. As estrelas em causa – chamadas de variáveis ​​Cefeidas – iluminam-se e perdem intensidade no seu brilho em taxas previsíveis que são comummente utilizadas para medir distâncias intergalácticas próximas.

Apesar de comum, este método é extremamente lento: o telescópio Hubble só consegue observar uma estrela a cada órbita de 90 minutos em torno da Terra. Recorrendo ao novo método, a que a equipa chamou de DASH, os cientistas usaram a câmara como uma ferramenta de “apontar e disparar” para observar as Cefeidas, permitindo realizar observações a uma dúzia de estrelas em simultâneo.

A partir destes dados, Riess e a sua equipa conseguiram fortalecer a base da “escada” de distância cósmica, que é utilizada para determinar distâncias no Universo, e calcular a constante de Hubble – valor que mede a velocidade com que o Cosmos se expande. O seu inverso, chamado o “tempo de Hubble”, corresponde ao tempo volvido desde o Big Bang, ou seja, corresponde à idade do Universo.

Recolhidos os dados, a equipa comparo-os depois com outras observações realizadas pelo Projeto Araucaria, que reúne astrónomos da Europa, Chile e Estados Unidos.

À medida que as medições se tornaram mais precisas, o cálculo da constante de Hubble manteve-se em desequilíbrio com o valor esperado derivado das observações da expansão do Universo primordial pelo satélite Planck da Agência Espacial Europeia (ESA).

De acordo com o recente estudo, o valor da constante de Hubble é de 74,03 quilómetros por segundo por megaparsec. Por isso, os cientistas deduziram a partir deste número que o Universo expande-se atualmente 9% mais rápido do que o que foi observado pelo telescópio Planck no Universo primordial, que calcou o valor de 67,4 quilómetros por segundo por megaparsec para a mesma constante.

“Não se trata apenas de dois procedimentos experimentais em desacordo”, sustentou Riess. “Estamos a medir algo fundamentalmente diferente. Um [procedimento] mede a rapidez com que o Universo se está a expandir hoje, tal como o vemos. O outro é uma previsão baseada na Física do Universo primitivo e nas medidas que mostram o quão rápido o Cosmos se devem expandir”, explicou.

“Se estes valores não estão de acordo, há uma grande probabilidade de nos estar a falar algo no Modelo Cosmológico que liga as duas coisas”, defendeu o astrónomo.

Partindo também dos dados do Hubble, o astrónomo calculou que o Universo tem entre 12,5 mil milhões e 13 mil milhões de anos – o “velho” Cosmos é, na verdade, mais jovem do que apontavam as estimativas anteriores (13,6 e 13,8 mil milhões de anos).

Riess não sabe explicar por que motivo se dá esta discrepância nos valores, mas vai continuar com o projeto SH0ES para refinar a constante de Hubble, visando reduzir a sua incerteza para 1%. Desde o final da década de 90, importa frisar, este valor foi sendo ajustado por diversas vezes: a taxa de incerteza era de 10% em 2010, passando para 5% em 2009 e ficando agora em 1,9% no estudo recém-publicado.

O Nobel da Física, que até aponta o dedo à misteriosa energia escura como um dos fatores que pode acelerar a expansão do Universo, acredita que começa a tornar-se inevitável encontrar “algo novo” para explicar a discrepância de valores – uma “nova Física” pode estar no horizonte. “A tensão do Hubble entre o Universo primordial e o Universo tardio pode ser o desenvolvimento mais excitante da Cosmologia em décadas”, rematou.

SA, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Tretas… Então que espaço é esse que o Universo em expansão vai ocupar?! Muita coisa na astrofísica tem que se reescrita.
    Se algo expande, há sempre algo que contrai… Nassim Haramein – Double Torus Dynamic

  2. Na verdade, não, Jo. Essa concepção de que “se há algo que expande, então deve haver uma que contrai” não necessariamente tem que valer para escalas cosmológicas. O fato que ainda não temos uma descrição física completa fora do âmbito local.

A despesa pública nunca foi tão pouco produtiva

Apenas um em cada seis euros gastos pelo Estado português tem hoje impacto direto positivo no crescimento da economia a longo prazo. Os dados atualmente disponíveis só vão até 2017, mas os mínimos agora atingidos prenunciam …

Ativistas de Hong Kong apelam a boicotar o filme Mulan

A atriz Liu Yifei é a mais recente celebridade a tomar partido no conflito de Hong Kong. A chinesa naturalizada norte-americana escreveu na rede social Weibo que apoiava a polícia. "Eu apoio a polícia de Hong …

O Belenenses não joga com o Benfica este fim de semana

Patrick Morais de Carvalho, presidente do Belenenses, publicou esta sexta-feira na sua conta no Facebook um texto no qual se insurge contra a utilização da SAD do nome do clube, aproveitando a exposição mediática do …

Há verbas de contas "abandonadas a favor do Estado" que não são divulgadas

Quando uma conta bancária não regista qualquer movimento durante 15 anos, os montantes depositados são considerados “abandonados a favor do Estado”, o que acontece em contas de pessoas que morreram que não são encerradas. Porém, de …

Deputado do PSD chama “besta” a António Costa (e compara-o a Trump e a Bolsonaro)

O deputado do PSD Duarte Marques chamou “besta” ao primeiro-ministro, António Costa, e comparou-o aos presidentes dos Estados Unidos e do Brasil, Donald Trump e Jair Bolsonaro. Numa publicação na sua página pessoal do Facebook, o …

Poema na Estátua da Liberdade sobre migrantes, "refere-se a pessoas vindas da Europa"

Após a publicação de uma lei sobre a migração no país, o poema "The New Colossus", escrito em 1883 por Emma Lazarus, está agora a provocar um debate sobre o seu verdadeiro significado. Ao longo do …

Três municípios multados pelo Governo por falta de Plano de Defesa contra incêndios

O Governo determinou esta sexta-feira a retenção de 20% do duodécimo das transferências do Fundo de Equilíbrio Financeiro a Odivelas, Paços de Ferreira e Peniche por não terem ainda aprovado os Planos Municipais de Defesa …

Encontrada uma aldeia perdida no local do mais infame massacre de clãs

Arqueólogos que escavaram a cena do mais infame massacre de clãs na história escocesa desenterraram partes de uma "aldeia perdida" no vale das Terras Altas de Glencoe. O assentamento apareceu no massacre de 1692 do clã …

Autópsia confirma causa da morte. Jeffrey Epstein enforcou-se com os lençóis

O relatório oficial da autópsia ao corpo de Jeffrey Epstein revelou, nesta sexta-feira, que o multimilionário norte-americano se suicidou, enforcando-se com os lençóis da sua cela na prisão de Manhattan. Epstein estava preso a aguardar pelo …

Depois de 10 horas de reunião, não há acordo. Greve mantêm-se

Foram mais de dez horas de reunião entre os representantes do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas e o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, que terminaram na madrugada deste sábado sem acordo. A …