Universitários com mais alojamento disponível em Lisboa

A oferta de alojamento para arrendar em Lisboa destinado a universitários teve este ano “um grande aumento”, segundo o presidente da Associação Académica da Universidade de Lisboa, organismo que dá apoio neste campo aos estudantes deslocados.

As associações académicas dão, de acordo com André Machado, “um grande apoio aos estudantes que estão deslocados” e que “são uma boa parte da comunidade estudantil” da capital.

O serviço mais comum, contou, é “centralizar nas instalações as ofertas, que vão chegando em catadupa no início do ano letivo”. Tenta-se fazer uma triagem da oferta – através do contacto com o senhorio ou mesmo de visitas às casas – e faz-se chegar essa informação aos estudantes.

Embora haja quem queira apartamentos, a maior parte da procura prende-se com quartos. “Normalmente o estudante deslocado vem sozinho e procura um quarto para ficar”, referiu André Machado.

A média de renda de um quarto, apontou, ronda os 250/300 euros e de um apartamento para duas/três pessoas os 650/800 euros.

As zonas com mais ofertas são a Cidade Universitária, Ajuda e Benfica.

Procurar alojamento “não é assim tão fácil”

Estudante do 2.º ano da licenciatura em Administração Pública no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Daniel Viegas Rocha, de 19 anos, é um dos muitos universitários deslocados na cidade.

Quando trocou Lagoa, no Algarve, por Lisboa, chegou na companhia de três colegas do secundário, com quem andou à procura de casa.

“Procurámos vários apartamentos e até encontrámos no Bairro Alto. Achei que era uma boa aposta, mas ao mesmo tempo não, porque seria muita diversão”, contou à Lusa.

Acabou por optar por um apartamento em Benfica, com quatro quartos, onde uma amiga já tinha vivido.

Procurar alojamento “não é assim tão fácil”, já que os pais “impõem um limite de preços”.

Segundo Daniel, os preços em Benfica “são os melhores”, a par de Arroios, por exemplo.

Este ano, divide a casa com três raparigas, todas estudantes de mestrado, e outro rapaz, que já trabalha.

Um apartamento típico

O apartamento é arrendado por quarto. Cada um dos quartos individuais custa 190 euros, sem despesas de água, gás e luz, e o duplo custa 250.

Os quartos estão mobilados “com o essencial” e o preço da renda inclui “telefone, internet e televisão por cabo, bem como limpeza de duas em duas semanas”. As despesas rondam os 30/40 euros.

Para ter quatro quartos, o apartamento ficou sem sala.

A colega de casa Rita Mendes, de 21 anos, que fez a licenciatura em Coimbra e este ano iniciou na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa o mestrado em Comunicação Estratégica, diz que é algo “habitual”.

“Que me recorde, em Coimbra não havia muitas casas que tivessem estudantes onde houvesse uma sala, esse espaço comum sem ser a cozinha, onde as pessoas pudessem estar umas com as outras”, disse, referindo que “geralmente os senhorios fazem-no de forma a lucrar mais”.

Nádia Gouveia, de 21 anos, também estudante de mestrado na FCSH, mas de Relações Internacionais, e colega de licenciatura de Rita Mendes em Coimbra, contou que naquela casa “não há bem um dia a dia em conjunto”.

“Normalmente cada um faz o seu jantar, trata da sua alimentação. Nunca estamos muitas vezes juntos, porque temos horários completamente diferentes”, relatou.

Importância de contrato

Até agora, nenhum destes jovens teve problemas com o senhorio ou as casas. Mas nem sempre é assim.

Segundo o presidente da Associação Académica, as poucas queixas recebidas “prendem-se com a precariedade do vínculo entre estudante e senhorio”.

“As pessoas tentam poupar ao máximo e recorrem a arrendamento ilegal. Tentamos fazer perceber aos colegas que é muito importante cimentarem as relações que têm num contrato escrito”, referiu André Machado, acrescentando que assim os estudantes podem candidatar-se ao programa de incentivo ao arrendamento Porta 65.

O dirigente admite que, “por força das condições sociais e financeiras, há uma proliferação do arrendamento ilegal”.

Mas reforça o dirigente que, “embora possa inflacionar o preço”, o contrato dá “alguma segurança para algum problema” e a possibilidade de recorrer a um apoio do Estado, que pode ser “uma grande ajuda para emancipação e vida independente em casa dos pais”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …