/

Um número surpreendente de incêndios são desencadeados por pássaros eletrocutados

A alegação de que muitos incêndios são causados pela eletrocussão de pássaros tem sido levantada ao longo dos anos. Num novo estudo, um investigador norte-americano constatou que, entre 2014 e 2018, essa foi a origem de 44 incêndios nos Estados Unidos (EUA).

Quando os pássaros são eletrocutados, “não é raro que a água presente nas suas células seja instantaneamente transformada em vapor”, explicou ao New York Times James Dwyer, biólogo da EDM International e um dos autores do estudo, publicado recentemente na Wildlife Society Bulletin.

“As células explodem e os membros rebentam”, acrescentou o especialista.

A equipa coletou dados de incêndios causados por pássaros eletrocutados em todo o território norte-americano entre janeiro de 2014 e dezembro de 2018. Devido ao facto de não haver uma base, criou alertas em motores de busca para três pesquisas de palavras-chave: pássaro e incêndio, águia e incêndio, falcão e incêndio.

Após uma seleção, a equipa encontrou um total de 44 fogos florestais causados por eletrocussão de aves nos EUA durante esses cinco anos.

As linhas elétricas são uma atraente área de repouso para os pássaros, que constroem frequentemente ninhos em postes e torres de serviços públicos. Se uma dessas aves toca em dois fios de tensões diferentes ao mesmo tempo, pode causar uma corrente elétrica com potência suficiente para as eletrocutar.

Esse cenário é particularmente perigoso para os pássaros de grande porte, como as aves de rapina, as águias, os abutres e as cegonhas.

Embora a maioria dos incêndios documentados tenham sido de pequenas dimensões, o clima mediterrânico da Califórnia – uma área já propensa à seca – regista a maior quantidade de incêndios provocados por aves, segundo o estudo.

Contudo, tendo em conta os 60 mil incêndios registados em 2021 nos EUA, o número dos que foram iniciados pela eletrocussão de aves é baixo. Já o número de aves mortas por eletrocussão está entre um a dez milhões, todos os anos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.