/

Um A380 fez um voo 100% sustentável (com combustível de óleos alimentares)

1


Até 2030 a Airbus quer realizar todos os voos comerciais com 100% do combustível sustentável.

O óleo de cozinha usado é daqueles alimentos difíceis de reciclar ou mesmo deitar fora. Mas, agora, esse óleo poderia alimentar o maior avião de passageiros do mundo.

Segundo a Interesting Engineering, a Airbus realizou o primeiro voo de um A380 alimentado a 100% por combustível de avião sustentável (SAF), derivado principalmente de óleo de cozinha e outras gorduras residuais, revelou a Airbus num comunicado de imprensa.

O A380 movido a SAF, denominado MSN 1, descolou do aeroporto de Toulouse Blagnac, na passada sexta-feira, 25 de Março, às 08:43, hora local. O avião, equipado com um motor Rolls-Royce Trent 900, a funcionar com combustível sustentável, voou durante aproximadamente três horas.

Um segundo voo foi realizado na terça-feira, 29 de Março, com o objetivo de testar a descolagem e aterragem utilizando combustíveis sustentáveis. Este foi o terceiro tipo de aeronave Airbus a voar a 100% SAF durante o último ano, e é de longe o maior.

Em Março de 2021, a Airbus fez voar um A350 com combustível sustentável, seguido de um A319 neo de corredor único com SAF, em Outubro de 2021. O combustível utilizado foi fornecido pela TotalEnergies, empresa sediada em França.

Atingir emissões líquidas de carbono zero até 2050

O combustível de avião sustentável tem mostrado grande potencial de redução de emissões para a indústria da aviação, que representa cerca de 2% de todas as emissões globais anualmente.

Outras empresas, incluindo a Rolls-Royce, estão a realizar testes com o objetivo de também alimentar os seus motores utilizando a alternativa de combustível sustentável no futuro.

Todos os aviões Airbus já estão certificados para voar a utilizar até 50% de SAF misturado com petróleo iluminante, mas a empresa pretende dar um passo em frente ao obter 100% de certificação de voos SAF antes de 2030.

“Aumentar a utilização de SAF continua a ser uma via fundamental para alcançar a ambição da indústria de emissões líquidas zero de carbono até 2050″, explica a Airbus no seu comunicado.

A empresa também aponta para o relatório Waypoint 2050, que indica que o SAF poderia contribuir para até 71% das reduções de carbono necessárias.

Em 2019, a Airbus anunciou que iria suspender a produção do A380, a maior aeronave do mundo, citando a baixa procura e os elevados custos de produção.

Contudo, muitas das aeronaves continuam em operação, e a Airbus também descobriu que são um banco de ensaio ideal para tecnologias sustentáveis, devido ao seu espaçoso interior.

Em Fevereiro, a gigante da aviação que pretende equipar as mesmas aeronaves utilizadas nos voos de teste SAF deste mês para testar motores a hidrogénio até 2026.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.