A UE está a construir um túnel de 11 mil milhões de dólares que liga a Escandinávia ao Mediterrâneo

6

O Corredor Escandinavo-Mediterrâneo será o quinto dos nove eixos prioritários da Rede Transeuropeia de Transportes.

O gigantesco túnel de mais de 4.000 quilómetros tem um preço estimado de 11 mil milhões de dólares. Será o o quinto dos nove eixos prioritários da Rede Transeuropeia de Transportes, um conjunto de redes de transporte concebido para facilitar a comunicação de pessoas e mercadorias em toda a União Europeia (UE).

Segundo o Interesting Engineering, estende-se desde a Finlândia e Suécia, no norte, até à ilha de Malta, no sul, passando pela Dinamarca, Alemanha, zonas industriais do norte de Itália e portos do sul de Itália.

O maior problema a resolver são os Alpes suíços, uma vez que a cordilheira entre Munique e Verona representa um importante ponto de engarrafamento para o corredor.

Programado para ficar operacional em 2028, o túnel ferroviário tem como objetivo aliviar o tráfego, ao mesmo tempo que atinge os objetivos ambientais estabelecidos pela UE, assegurando a transferência modal da estrada para o caminho-de-ferro.

Segundo o canal de Youtube B1M, a linha férrea do Brenner “é a passagem mais baixa pelos Alpes e pode ser utilizada durante todo o ano“. Foi construída em 1867 e, nos anos 70, foi-lhe acrescentada a auto-estrada E45, criando assim uma importante via de circulação de mercadorias do Mar do Norte para o Mediterrâneo e vice-versa.

Atualmente, a passagem do Brenner transporta 40% de todas as mercadorias sobre os Alpes. No entanto, as inclinações acentuadas e o impacto que tem na redução da velocidade dos comboios estão a prejudicar o transporte férreo. Resultado: mais de dois terços das mercadorias viajam por estrada.

Além disso, o mercado de lazer naquela região tornou a área propícia a engarrafamentos, ruído e má qualidade do ar.

Estima-se que este grande projeto de engenharia esteja concluído entre 2026 e 2028. O túnel, que começa em Innsbruck, na Áustria, percorre 55 quilómetros até chegar a Fortezza, em Itália. Uma vez concluído, ligar-se-á aos túneis de desvio de Innsbruck, resultando na mais longa ligação ferroviária subterrânea do mundo, percorrendo um total de 64 quilómetros.

  ZAP //

6 Comments

  1. Ainda fui ver se seria notícia do 1º de Abril, mas não, é mesmo verdade… Mais uma ideia idiota da UE. Em tempos de guerra e de invasão de migrantes, este túnel Escandinávia-Mediterrâneo vem mesmo a calhar para quem quiser invadir a Europa a seu bel-prazer. Ninguém põe travão a esta gente?

    • Este comentário só pode ser para rir. Acha mesmo que se houvesse necessidade de acabar com esse túnel isso não seria feito num instante?!! Já ouviu falar de explosivos?!

  2. É um novo túnel FERROVIÁRIO de 55 km que passa por baixo dos Alpes, é uma obra impressionante mas não tem 4000 km como se lê na notícia! E como começou em 2008 e está previsto estar completo só em 2032 não se percebe muito bem porque é notícia agora em 2022…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.