Ucrânia vence 66.º Festival da Eurovisão. Portugal em nono lugar (que soube a quinto)

5

A Ucrânia venceu esta noite o 66.º Festival Eurovisão da Canção, realizado em Turim, Itália, tendo a representação portuguesa, a cargo de Maro, ficado em nono lugar.

A vitória da Ucrânia, a terceira na Eurovisão, com “Stefania”, pela Kalush Orchestra, deveu-se essencialmente à votação popular, não tendo o Reino Unido, que venceu na votação dos júris nacionais, conseguido ultrapassar os 631 votos da Ucrânia, 439 deles dados pela votação popular.

No 66.º Festival Eurovisão da Canção, juntos os votos dos júris nacionais e a votação popular, o Reino Unido ficou em segundo lugar e a Espanha em terceiro.

Portugal alcançou o nono lugar, uma posição que já tinha obtido em duas outras competições, depois de conseguir um quinto lugar quando contabilizada apenas a votação dos júris nacionais.

A canção “Saudade, Saudade”, por Maro, não obteve nessa votação a pontuação máxima, mas vários países deram 10 pontos a Portugal, um deles a Ucrânia.

Dos 40 júris nacionais votaram na canção portuguesa 29 países, tendo então Portugal obtido 171 pontos. O Reino Unido, que estava só com essa pontuação em primeiro lugar, obtivera 283 pontos.

Na votação popular Portugal conseguiu apenas 36 pontos.

Na final do Festival Eurovisão da Canção concorriam 25 países, dos 40 que estavam inicialmente em competição.

A 66.ª edição do festival, que se realiza anualmente na Europa desde 1956, incluía inicialmente 41 países, mas a União Europeia de Radiodifusão, que promove o concurso, anunciou em 25 de fevereiro, um dia após a invasão da Ucrânia, que a Rússia iria ficar de fora.

Na atuação desta noite a banda ucraniana Kalush Orchestra pediu ajuda para o seu país bem como para a cidade de Mariupol e para a siderurgia Azovstal, na sequência da invasão russa.

Por favor ajudem a Ucrânia, por favor ajudem Mariupol, por favor ajudem Azovstal”, disse o líder do sexteto, Olenh Psink, numa mensagem em que apelava à intervenção internacional para ajudar o grupo de soldados barricados na fábrica, o último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária.

A canção “Stefania”, com a sua fusão de elementos folclóricos, eletrónicos e ‘hip hop’, tornou-se um hino à pátria e era uma das favoritas para vencer o festival desta noite.

A representante portuguesa, Maro, venceu em março o Festival da Canção, com “Saudade, Saudade”. Maro é o nome artístico de Mariana Secca, lisboeta, e que em 2018 editou o primeiro álbum.

Portugal participou no Festival Eurovisão da Canção pela primeira vez em 1964, tendo, entretanto, falhado cinco edições (em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016).

Entre 2004 e 2007, inclusive, e em 2011, 2012, 2014, 2015 e 2019, Portugal falhou a passagem à final.

Portugal venceu pela primeira e única vez o concurso em 2017, com o tema “Amar pelos dois”, interpretado por Salvador Sobral e composto por Luísa Sobral. Na sequência da vitória, Lisboa acolheu, no ano seguinte, a competição.

  // Lusa

5 Comments

  1. Aposta ganha. Ainda que os outros fossem melhores. Muita hipocrisia. Eta só darem o prêmio . Ñ era necessário nem realizarem o eurovisao

  2. Com tanta solidariedade e bondade para com a Ucrânia e a pretexto do Covid ainda nos obrigam a todos a irmos viver para a Ucrânia para meterem os ucranianos em Portugal. Hoje em dia tudo é possível. Já nada nos surpreende

  3. Esperemos que sejam consistentes e apliquem Sanções económicas a Israel também. E já agora, que a Palestina ganhe o próximo Eurovisão.

  4. O lugar realmente foi o 5º. Agora é que inventaram votação do público, porque antes eram só as televisões que votavam.

  5. Algumas questões / dúvidas em relação aos comentários anteriores:

    Para a Margarete Santos – O que faz mesmo profissionalmente para dizer que os outros eram melhores?! A música tem uma dimensão técnica, própria, e outra percecionada pelos ouvintes. Tecnicamente era tudo muito fraco. Niguém se destacaria muito. Talvez a música do Reino Unido fosse um pouco melhor. Porque motivo as pessoas não podiam gostar da música da Ucrânia?! Tinha um riff muito fácil de apreender; é uma música que se insere no estilo de música talvez mais massificado hoje em dia (hip hop), sonoridade muito catchy! E tanto assim foi que ficou em 5º lugar no voto “das televisões” e ganhou de forma destacada no voto do público! Não foi ZERO pontos das televisões e 500 pontos do público. Já ia bem lançada. Provavelmente se não fosse o efeito guerra teria ganho a música do Reino Unido (estava um patamar acima das demais). Mas a da Ucrânia ficaria sempre pelos lugares cimeiros (mesmo sem guerra).

    Para o Miguel – Bondade a mais será um problema ?! Em que medida? Olhe que os empregos que disseram que havia em Portugal para os refugiados ucranianos já estavam disponíveis antes! Os portugueses é que não tinham interesse nesses trabalhos…pelo menos em Portugal!

    Para o Tiago Martins – A situação da Palestina é muito diferente da Ucrânia. Só mesmo um desinformado ou demagogo é que pode querer comparar as duas realidades. As origens do Estado Judaico naquela região remontam ao século I. Informe-se devidamente primeiro.

    Para o Jam – Em que medida é que o voto das televisões é “melhor” do que o do público?!!! Olhe que quem vota por cada país não são cantores!! Há atores, apresentadores, etc!! Parece-me que o público (que em última instância é quem vai comprar, consumir, ouvir…) é mais fidedigno do que “as televisões”.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE