“Tsunami cerebral” no momento da morte pode ser reversível

(dr) UTSWIM

À esquerda, um cérebro vivo. À direita, o cérebro, sem fluxo sanguíneo, depois da morte

Pela primeira vez, cientistas conseguiram observar os “tsunamis cerebrais” que acontecem no cérebro no exacto momento em que a morte se torna irreversível, analisando o fenómeno em pacientes terminais enquanto morriam no hospital. Afinal, irreversível pode ser uma ideia muito relativa.

Talvez nunca possamos de facto vir a saber o que realmente acontece na hora da nossa morte, mas um grupo de cientistas da Universidade Charitée, em Berlim, em conjunto com uma equipa da Universidade de Cincinnati, nos EUA, realizou um estudo pioneiro sobre o tema, monitorizando o sistema nervoso e o cérebro de pacientes terminais no momento da sua morte.

A pesquisa, liderada pelo cientista alemão Jens Dreier e publicada em janeiro na revista Annals of Neurology, foi realizada com a autorização das famílias dos pacientes – tipicamente vítimas de acidentes de viação, AVCs ou paragens cardíacas, sem qualquer hipótese de sobrevivência.

O objectivo da pesquisa não era apenas o de compreender o funcionamento cerebral na hora da morte, mas também salvar vidas no futuro. Tratou-se do primeiro estudo a documentar literalmente a sequência de eventos cerebrais durante a morte.

A equipa de investigadores ptretendia obter mais detalhes sobre o que acontece com o cérebro humano, ainda um completo enigma. Para isso, à medida que o paciente terminal piorava, os cientistas vigiavam a sua actividade neurológica, com dezenas de eléctrodos.

De forma geral, os neurónios funcionam com iões carregados electricamente, o que cria desequilíbrios eléctricos entre eles e o seu ambiente. É isso que permite os pequenos choques, ou sinais eléctricos, que são transmitidos pelas sinapses. A manutenção desse sistema em equilíbrio torna-se mais difícil à medida que a morte se aproxima.

Para se alimentar, as células “bebem” oxigénio e energia química da corrente sanguínea. Quando o corpo morre e o fluxo de sangue que chega ao cérebro é interrompido, os neurónios – privados de oxigênio – tentam uma das suas últimas saídas: acumular os recursos que sobraram, explicam os autores do estudo.

O que sabíamos até agora sobre a morte cerebral era baseada em pesquisas com animais. Ainda que a nova pesquisa revele que a morte dos nossos cérebros seja semelhante à morte nos animais, o cérebro humano naturalmente traz especificidades e complexidades peculiares – e incríveis.

Uma das descobertas do estudo é o esforço enorme que os neurónios realizam para tentarem manter-se vivos – e, perante a falta de oxigénio e energia química causada pela ausência de fluxo sanguíneo, os neurónios silenciam-se, para acumularem e salvarem os recursos que lhes restam.

A energia é então utilizada não para enviar sinais, como normalmente acontece, mas para manter as cargas eléctricas internas, mantendo o cérebro “vivo” à espera de um novo fluxo sanguíneo – que infelizmente não virá. Este fenómeno incrível foi baptizado de “depressão não dispersa”, pois acontece no cérebro como um todo.

Em seguida, no entanto, o inevitável: a libertação dessa energia térmica, conhecida como “despolarização da difusão” ou “tsunami cerebral”, que leva à destruição das células. À medida que os níveis de oxigénio caiam nos pacientes monitorados, caíam também os níveis de actividade cerebral.

É então que a morte chega.

“A despolarização expansiva marca o início das mudanças celulares tóxicas que eventualmente levam à morte, mas não é o ponto chave da morte por si só. Essa despolarização é reversível até certo ponto, se o suprimento de energia for restaurado”, diz Jens Dreier.

Estes resultados parecem assim apontar que a morte cerebral pode ser reversível. Mas, como diz Dreier, a morte é um fenómeno complexo para o qual não há respostas fáceis.

PARTILHAR

RESPONDER

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …

De guerreiros a anciões. Grupo étnico no Quénia faz cerimónia única de "transformação"

Milhares de homens Maasai vestidos com xales vermelhos e roxos e com as suas cabeças revestidas de ocre vermelho reuniram-se esta semana para uma cerimónia que os transforma de Moran (guerreiros) em Mzee (anciãos). De acordo …

Há 60 anos, Richard Nixon tricou uma sanduíche (e este homem guardou-a desde então)

Há 60 anos, o então vice-Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, trincou uma sanduíche - e Steve Jenne, um homem que vive em Illinois, guardou-a os restos desde então. De acordo com o The New York …

Coreia do Norte adverte Sul para não procurar nas suas águas oficial assassinado

A Coreia do Norte pediu hoje à Marinha sul-coreana que deixe de entrar nas suas águas territoriais, numa altura em que Seul procura recuperar o corpo de um oficial sul-coreano morto a tiro no mar …

"Um abandonar dos utentes". Centros de saúde atiram pacientes para farmácias e privados

Sem resposta nos centros de saúde, vários utentes vêm-se obrigados a recorrer ao setor privado e a farmácias. A Entidade Reguladora de Saúde já recebeu várias reclamações. Face à pandemia de covid-19, os centros de saúde …