Donald Trump põe Barack Obama e Bill Clinton “atrás das grades”

Oliver Contreras / EPA

O Presidente dos EUA, Donald J. Trump

O Presidente dos Estados Unidos partilhou nesta quarta-feira uma fotografia na sua conta de Twitter, na qual aparecem várias personalidades da política norte-americana atrás das grades, entre as quais Barack Obama e Bill Clinton.

Esta não é a primeira vez que Trump recorre a este rede social para publicar conteúdos sobre a investigação da interferência russa nas eleições norte-americanas. O alvo anterior foi Robert Mueller, o procurador especial destacado para a investigação, a quem Trump fez já inúmeros ataques nas redes sociais.

https://twitter.com/The_Trump_Train/status/1067687857400229888

Numa série de retweets da página The Trump Train – que se descreve como o “melhor movimento político da história”, o presidente norte-americano partilhou uma fotografia na qual os antigos Presidentes Barack Obama e Bill Clinton aparecem atrás das grades. Na montagem aparecem ainda Hillary Clinton, o Robert Mueller e Rob Rosenstein, o procurador-geral ajunto da instigação.

“Agora que o conluio da Rússia foi provado ser mentira, quando é que começa o julgamento por traição?”, pode ler-se na imagem. O processo em causa, importa notar, está a decorrendo, não havendo ainda qualquer conclusão por parte da justiça.

A publicação de Donald Trump surge numa altura em que foram conhecidos alguns avanços na investigação de Mueller. No dia anterior a este publicação, Barack Obama teceu duras críticas a Trump e à sua administração.

“Eu nunca fui indiciado”, disse Obama

Obama criticou nesta terça-feira à noite os problemas legais em que está envolvido o seu sucessor, após saber que o diretor de campanha de Trump violou um acordo judicial.

Eu nunca fui indiciado, ninguém na minha administração foi indiciado”, disse na noite de terça-feira, num evento em Houston, no Texas, Barack Obama, horas depois de ter sido conhecida a acusação do procurador especial Robert Mueller de que Paul Manafort, antigo diretor de campanha de Donald Trump, tinha violado um acordo de confissão.

“Aliás, o meu governo foi o único governo da história moderna de quem se pode dizer isso. Ninguém chegou perto de ser indiciado porque as pessoas que se juntaram a nós estavam lá pelas razões certas”, acrescentou Obama.

Paul Manafort, diretor de campanha de Trump e seu conselheiro durante o início do mandato presidencial, terá violado um acordo de confissão, assinado em setembro, após ter reconhecido ter cometido crimes de obstrução à justiça e de infidelidade aos EUA.

De acordo com Robert Mueller, Manafort terá cometido vários crimes federais, por alegadamente ter mentido sobre vários assuntos, durante a investigação que o procurador especial está a conduzir sobre a possibilidade de interferência russa nas eleições de 2016.

Esta terça-feira, e segundo o The Guardian, Manafort terá reunido várias vezes com Julian Assange, o co-fundador do WikiLeaks. De acordo com o jornal britânico, Manafort poderá ter sido o elo de contacto entre a campanha eleitoral de Trump, os russos e a Wikileaks.

Durante um evento em Houston, no Texas, Obama criticou ainda a administração Trump pelas suas políticas interna e externa, dizendo que o aumento do nacionalismo radical nos EUA está a ameaçar a estabilidade internacional e a prejudicar a prosperidade doméstica.

“As pessoas perguntam-me o que me surpreende mais nesta Presidência. É a forma como os EUA estão a desvalorizar a ordem internacional. Se há um problema no mundo, as pessoas não ligam para Moscovo, nem para Pequim, ligam para Washington. Mesmo os nossos adversários esperam que nós resolvamos os problemas”, disse Obama, sem nunca mencionar o nome de Donald Trump, para explicar a sua incompreensão sobre a maneira como o atual Presidente se demite de responsabilidades políticas fora de fronteiras.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Sim o Obama nunca foi indiciado. Por, por exemplo ter subsidiado o ISIS para derrubar o Assad.
    Mais de 2 anos depois, 0 provas de congluo do Trump com os russos, este processo e a defesa acérrima do mesmo pelos outlets de propaganda de extrema esquerda, é o maior descrédito da imprensa internacional.
    Quem queira saber noticias verdadeiras hoje em dia, tem de usar o youtube e a internet

    • Defender o Trump, é a maior prova de estupidez que qualquer ser humano pode dar. Parabéns.
      Criticar o Obama, ainda vá que não vá. Não há presidente enhum que não tenha feito asneiras mas, confundir isso com ter sido indiciado, é outra prova de fraca inteligência.

      • Eu nao defendi o Trump, eu citei factos. Se fica indignado com o facto de que 2 anos após com milhoes gastos nessa investigação nao se encontre provas de nada quanto à narrativa da colusão russa, aconselho-o a tomar um calmante que isso melhora

    • Caro Euclides Ribeiro,
      Não queríamos devolver-lhe o qualificativo, mas se tivesse dado mais atenção à notícia que publicámos, teria lido que “Numa série de retweets da página The Trump Train – que se descreve como o melhor movimento político da história, o presidente norte-americano partilhou uma fotografia …”

RESPONDER

Consumidores estão a gastar mais. Televisões e smartphones foram os mais vendidos em 2018

Em 2018 as vendas a retalho cresceram 3,4%, para quase 21 mil milhões de euros. O sector não alimentar foi o que mais contribuiu. São dados do barómetro de vendas da Associação Portuguesa de Empresas de …

Obesidade infantil continua a aumentar em Portugal

Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto concluiu que, aos 4 anos, 22% das crianças têm excesso de peso. Um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), que …

"O louco do Sanders" ou "o sonolento do Biden"? As apostas de Trump para a corrida eleitoral de 2020

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, previu que o seu rival democrata nas eleições de 2020 para a Casa Branca deverá ser ou o ex-vice-presidente Joe Biden ou o senador de esquerda Bernie Sanders. "Eu …

"Breaking Bad": professor japonês incentiva alunos a produzir ecstasy

Um professor universitário japonês pode apanhar até dez anos de prisão depois de, alegadamente, incentivar os alunos a produzir ecstasy, num eco à série televisiva norte-americana "Breaking Bad", informaram as autoridades na passada quarta-feira. Segundo o …

União Europeia lança programa-piloto de “Erasmus para artistas”

A Comissão Europeia já lançou o i-Portunus, um projeto-piloto que possibilita a artistas residentes nos Estados-membros da União Europeia trabalhar entre 15 e 85 dias noutro país. A primeira edição da iniciativa abriu com 500 vagas …

Seleção de género pode ter impedido 23 milhões de meninas de nascer

Uma análise dos dados da população mundial sugere que os abortos baseados em seleção sexual interromperam o nascimento de, pelo menos, 23 milhões de meninas. A maior parte dessas raparigas "em falta" estariam na China …

Ministra brasileira diz que as mulheres devem ser submissas ao homem no casamento

Uma nova declaração da ministra brasileira da Mulher, Damares Alves, gerou mais uma polémica. Desta vez, a chefe do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos disse que "dentro da sua conceção cristã" as mulheres …

Marinha procura barco desaparecido desde quarta-feira. Sete a nove pessoas a bordo

A Marinha Portuguesa está a realizar buscas a 518 quilómetros de Peniche para detetar uma embarcação que lançou um alerta às 23:50 de quarta-feira (hora de Lisboa), disse à Lusa o porta-voz daquela força armada. A …

Liberdade de imprensa em risco: "ódio aos jornalistas transformou-se em violência"

A liberdade de imprensa continua a deteriorar-se em muitos países, "onde o ódio aos jornalistas se transformou em violência", de acordo com a advertência dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF). "O número de países onde os jornalistas …

Matemática do canibalismo prova benefícios de comer os próprios filhos

O canibalismo filial é o ato de comer as próprias crias. Por chocante que pareça, cientistas descobriram um possível benefício para esta horrenda prática, que já foi documentada em várias espécies de animais. Um estudo publicado …