/

Último “ataque” à vida selvagem. Trump vai leiloar refúgio no Ártico para perfuração de petróleo

Yuri Gripas / EPA POOL

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

A administração de Donald Trump vai leiloar, esta quarta-feira, partes do refúgio nacional de vida selvagem do Ártico a perfuradores de petróleo. Este é um dos seus últimos “ataques” à vida selvagem enquanto Presidente dos EUA.

As terras na planície costeira do norte do Alasca acolhem ursos polares e outros animais que se encaixam neste meio ambiente, dos quais as comunidades indígenas dependem e consideram sagrados.

Contudo, há muito tempo que a indústria do petróleo mostra interesse pela região, suspeitando que esta sustenta milhões de barris da substância. Agora, o presidente Donald Trump vai leiloar as terras para as que estas possam ser exploradas por grandes empresas.

No entanto, de acordo com o The Guardian, depois de uma grande parte do refúgio, conhecido como ANWR, ser vendido a empresas de energia, será difícil recupera-la.

A perfuração a oeste do refúgio, em Prudhoe Bay, tem alimentado o desenvolvimento económico do qual o estado dependia para encher os cofres e emitir cheques anuais para os residentes. Essa extração constante teve um grande impacto ambiental e levou ao derramamento de óleo mais prejudicial da história, quando o petroleiro Exxon Valdez lançou no mar milhões de barris na costa sul do Alasca em 1989.

O presidente Dwight Eisenhower designou o refúgio ártico em 1960 e, nas décadas seguintes, a indústria e os republicanos pressionaram perfurações na região, enquanto os EUA tentavam reduzir a sua dependência de fornecedores do Médio Oriente. Este impulso continua, embora o petróleo agora seja abundante.

A vontade de arrendar as terras já não é de agora, e Donald Trump argumenta que os ganhos do governo com a perfuração no refúgio poderiam ajudar a pagar os cortes de impostos propostos.

A administração do atual presidente defende que o desenvolvimento do projeto poderia gerar 900 milhões de dólares, embora uma análise do grupo Taxpayers for Common Sense, tenha concluído que a exploração no Alasca traria apenas uma fração desse montante – não mais do que 27,6 milhões.

Os contribuintes defendem que o governo não deveria arrendar terras públicas para a exploração de petróleo e gás, sobretudo numa altura em que a procura por petróleo diminui, uma vez que as empresas fecharam e as pessoas utilizaram menos transportes.

Ainda assim, na segunda-feira, a administração de Trump anunciou que expandiu dramaticamente a área onde o governo pode arrendar áreas públicas para perfuração de petróleo a oeste da ANWR. O plano permite perfurar 82% da Reserva Nacional de Petróleo-Alasca.

Neste sentido, foram vários os Grupos nativos do Alasca que lutaram contra as propostas de perfuração da ANWR com ações judiciais. Para os Gwich’in, indígenas do Alasca que migraram ao lado dos caribus e dependiam destes como fonte de alimento, a luta é ainda mais intensa.

Os defensores do urso polar consideram que a estratégia também pode ser crítica para a espécie que está em vias de extinção e poderá ver o seu meio ambiente ser reduzido. O número de ursos polares no Alasca e no oeste do Canadá diminuiu 40% entre 2001 e 2010, alertou Steven Amstrup, cientista-chefe da Polar Bears International.

Ken Whitten, ex-biólogo do Alasca, também reforça que a perfuração provavelmente irá deslocar a vida selvagem.

“Somos um país rico. Podemos deixar algumas áreas em paz”, apela Whiteen.

  Ana Moura, ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.