Trump recua. Entrada dos EUA no serviço nacional de saúde do Reino Unido “não está sobre a mesa”

Will Oliver / EPA

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, deu uma entrevista onde recuou na possibilidade de o acesso ao serviço nacional de saúde britânico estar incluído num possível acordo comercial com o Reino Unido, depois de essa possibilidade ter levantado várias críticas da esquerda à direita no Reino Unido.

Segundo noticiou o Observador na quarta-feira, a confusão ficou lançada na conferência de imprensa em que Donald Trump esteve lado a lado com a primeira-ministra demissionária do Reino Unido, Theresa May. Quando questionado sobre a possibilidade de incluir o serviço nacional de saúde britânico no acordo entre os dois países, disse à altura que “tudo estará em cima da mesa, o NHS, tudo”.

Ao incluir o NHS (sigla inglesa) num possível acordo comercial pós-Brexit com os EUA, as empresas norte-americanas, desde prestadoras de serviços de saúde até a farmacêuticas, poderiam celebrar contratos com o serviço nacional de saúde britânico.

Além de uma possível subida de preços, os críticos desta possibilidade apontam ainda a hipótese de os padrões de qualidade do NHS virem a baixar para se adaptarem às empresas norte-americanas.

Porém, numa entrevista ao jornalista Piers Morgan, Donald Trump recuou nessa ideia. A entrevista aconteceu horas depois da conferência de imprensa, mas só foi transmitida na quarta-feira de manhã.

“Não me parece que esteja sobre a mesa. Fizeram-me essa pergunta e eu disse que tudo pode ser negociado, porque pode. Mas não acho que isso venha a estar sobre a mesa. Isso é algo que eu não consideraria comércio, não é comércio”, afirmou Donald Trump.

A ideia já tinha sido aventada pelo embaixador dos EUA no Reino Unido, Woody Johnson, que, numa entrevista na terça-feira de manhã, quando questionado sobre a possibilidade de o NHS entrar num acordo comercial entre os dois países, disse: “Penso que provavelmente toda a economia estaria num acordo comercial, tudo o que faz parte do comércio estaria sobre a mesa”.

A marcha atrás de Donald Trump aconteceu depois de vários políticos britânicos terem criticado a possibilidade. Um deles foi o atual ministro da Saúde, Matt Hancock, que escreveu no Twitter: “Caro senhor Presidente, o NHS não está na mesa de negociações para um acordo comercial – e nunca estará, enquanto eu cá estiver”.

O líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, disse que a inclusão do NHS num acordo comercial com os EUA seria uma política de “capitalismo do desastre”, acrescentando: “Eles têm de entender uma coisa: o NHS não está à venda”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Trump prepara ordem executiva contra redes sociais. Quer reduzir proteções legais das empresas

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vai assinar esta quinta-feira uma ordem executiva sobre as redes sociais, anunciou a Casa Branca, dois dias depois de o Twitter ter assinalado mensagens de Donald Trump com alertas de …

Mais 13 mortes e 304 novos casos. Reabertura da economia em Lisboa questionada

Embora a região Norte continue a ser a mais afetada pela pandemia, a situação na região da Grande Lisboa tem piorado. O Governo está a estudar o adiamento de algumas medidas de reabertura da economia …

Queixas de consumidores sobre vendas online sobem 250%

A Associação de defesa de consumidores Deco recebeu 3.500 reclamações relativas a compras online entre janeiro e maio, um aumento de 250% face ao número registado em igual período do ano anterior. Paulo Fonseca, da Deco, …

Alto político russo demitido por Vladimir Putin recorre ao Supremo

Um alto responsável político russo, demitido pelo Presidente Vladimir Putin em janeiro devido a acusações de vários escândalos, contestou a decisão perante a mais alta instância judicial do país. É a primeira vez em vinte anos …

Moratória do Estado poderá ser alargada ao crédito pessoal e aos emigrantes

O Governo está a preparar uma revisão da moratória pública do crédito, que será estendida no tempo e incluirá outras categorias de financiamento, passando ainda a abranger as casas dos emigrantes e o crédito ao …

Lone Star põe Novo Banco em Espanha à venda

O presidente executivo do Novo Banco já terá informado os trabalhadores da sucursal espanhola que o negócio vai para a frente. A notícia foi avançada, esta quarta-feira, pelo jornal El Confidencial. O fundo norte-americano Lone Star …

Autoridades preparam encerramento dos cafés no bairro da Jamaica para conter surto

As autoridades de saúde estão a preparar o encerramento dos cafés no bairro da Jamaica, no Seixal, para conter o surto de covid-19 detetado entre os moradores. A informação foi avançada à agência Lusa pelo delegado …

Aviação continua a despedir. EasyJet vai dispensar um terço dos trabalhadores

A companhia aérea britânica EasyJet anunciou a redução de 4.500 postos de trabalho, quase um terço dos seus efetivos, para fazer face à pandemia. A EasyJet, cuja atividade está parada há semanas, diz que desta forma …

Grupo Amorim perde processo de 179 milhões contra Novo Banco

O Grupo Amorim perdeu o processo no qual reclamava ao Novo Banco o pagamento de mais de 179 milhões investidos, através de duas empresas sediadas na Holanda, em papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES). De …

"Regozijo e satisfação". Costa elogia mudança de planos da TAP

O primeiro-ministro elogiou, esta quarta-feira, a decisão da TAP de adicionar e ajustar os planos de rota, considerando que "quem emenda o erro merece regozijo e satisfação". Esta quarta-feira, em comunicado, o Conselho de Administração da …