Trump recua. Entrada dos EUA no serviço nacional de saúde do Reino Unido “não está sobre a mesa”

Will Oliver / EPA

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, deu uma entrevista onde recuou na possibilidade de o acesso ao serviço nacional de saúde britânico estar incluído num possível acordo comercial com o Reino Unido, depois de essa possibilidade ter levantado várias críticas da esquerda à direita no Reino Unido.

Segundo noticiou o Observador na quarta-feira, a confusão ficou lançada na conferência de imprensa em que Donald Trump esteve lado a lado com a primeira-ministra demissionária do Reino Unido, Theresa May. Quando questionado sobre a possibilidade de incluir o serviço nacional de saúde britânico no acordo entre os dois países, disse à altura que “tudo estará em cima da mesa, o NHS, tudo”.

Ao incluir o NHS (sigla inglesa) num possível acordo comercial pós-Brexit com os EUA, as empresas norte-americanas, desde prestadoras de serviços de saúde até a farmacêuticas, poderiam celebrar contratos com o serviço nacional de saúde britânico.



Além de uma possível subida de preços, os críticos desta possibilidade apontam ainda a hipótese de os padrões de qualidade do NHS virem a baixar para se adaptarem às empresas norte-americanas.

Porém, numa entrevista ao jornalista Piers Morgan, Donald Trump recuou nessa ideia. A entrevista aconteceu horas depois da conferência de imprensa, mas só foi transmitida na quarta-feira de manhã.

“Não me parece que esteja sobre a mesa. Fizeram-me essa pergunta e eu disse que tudo pode ser negociado, porque pode. Mas não acho que isso venha a estar sobre a mesa. Isso é algo que eu não consideraria comércio, não é comércio”, afirmou Donald Trump.

A ideia já tinha sido aventada pelo embaixador dos EUA no Reino Unido, Woody Johnson, que, numa entrevista na terça-feira de manhã, quando questionado sobre a possibilidade de o NHS entrar num acordo comercial entre os dois países, disse: “Penso que provavelmente toda a economia estaria num acordo comercial, tudo o que faz parte do comércio estaria sobre a mesa”.

A marcha atrás de Donald Trump aconteceu depois de vários políticos britânicos terem criticado a possibilidade. Um deles foi o atual ministro da Saúde, Matt Hancock, que escreveu no Twitter: “Caro senhor Presidente, o NHS não está na mesa de negociações para um acordo comercial – e nunca estará, enquanto eu cá estiver”.

O líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, disse que a inclusão do NHS num acordo comercial com os EUA seria uma política de “capitalismo do desastre”, acrescentando: “Eles têm de entender uma coisa: o NHS não está à venda”.

Taísa Pagno TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …