Trump ameaça com novas taxas. China denuncia chantagem e admite retaliar

David Maxwell / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O cenário de guerra comercial entre a China e os Estados Unidos está a intensificar-se e parece cada vez mais inevitável.

Donald Trump ameaçou, esta segunda-feira, impor novas taxas sobre produtos chineses no valor de 200 mil milhões de dólares, cerca de 171 mil milhões de euros. Esta medida irá avançar caso a China “recuse mudar as suas práticas”.

Na semana passada, sob o argumento de que a China tem beneficiado injustamente de um desequilíbrio comercial com os EUA, Trump anunciou a imposição de taxas de 25% sobre produtos chineses no valor de 50 mil milhões de dólares.

A China não gostou e decidiu responder com taxas na mesma ordem de grandeza sobre produtos americanos. Com esta retaliação, respondeu Trump, a China está “a ameaçar as empresas, os trabalhadores e os agricultores americanos que não fizeram nada de errado”.

Agora, segundo o Público, Donald Trump ameaça cobrar ainda mais direitos aduaneiros, com uma taxa adicional de 10% sobre um leque ainda mais vasto de produtos chineses, num valor total de mais de 200 mil milhões de dólares por ano, cerca de 170 mil milhões de euros.

Esta taxa de 10% anunciada pelo Governo dos EUA soma-se assim à taxa de 25% aplicada sobretudo em bens industriais e agrícolas. Agora, esta taxa é alargada a outros produtos como ferramentas, brinquedos ou t-shirts.

Por sua vez, Pequim reagiu, prometendo tomar medidas “quantitativas e qualitativas” contra o que qualifica como “uma pressão extrema” e “chantagem“. “Se os EUA perdem o bom senso e publicam uma lista de produtos visados] a China ver-se-á na obrigação de adotar uma combinação de medidas quantitativas e qualitativas em forma de enérgicas represálias”, indicou o Ministério do Comércio chinês, em comunicado.

Caso a China retalie, o Presidente norte-americano vai agravar ainda mais a cobrança de direitos aduaneiros, aplicando ainda mais taxas para cobrar 200 mil milhões de dólares em cima dos 200 mil milhões que pediu esta segunda-feira para serem identificados.

Embora tenha uma boa relação com Xi Jinping, Presidente chinês, Donald Trump realça, num comunicado emitido esta terça-feira, que a atitude da China é “inaceitável” e que devem ser tomadas medidas “para que a China abra o mercado aos bens dos Estados Unidos e aceite uma relação comercial mais equilibrada”.

Mas Pequim sempre garantiu que não iria assistir de forma impávida, e que irá responder sempre com taxas próprias sobre produtos norte-americanos.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O Trampa ainda não percebeu que neste caso a China é quem manda e os EUA nunca vão ganhar esta guerra, simplesmente porque tem muito mais a perder do que a China?!
    E ainda há quem diga que ele é bom negociador!…
    Ele até tem razão, mas se os americanos (governo e privados – como Apple’s, etc) puseram tudo nas mãos dos chineses, não vai ser de um dia para o outro que isso vai mudar!…
    Principalmente enquanto não passarem do Made in China, para o Made in USA!
    E o mesmo se aplica à Europa!

RESPONDER

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …

Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Trabalhadores podem receber 85% do salário

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade …

O próximo Wolves? Charlton pode tornar-se "português"

O consórcio português Corporate Football Organisation Portugal (CFO), liderado por Fernando Côrte-Real, está a estudar a compra do Charlton, clube que milita no Championship, o segundo escalão inglês. "A CFO Portugal já existe há pelo menos …

PJ prossegue investigação e confirma envolvimento de alemão no desaparecimento de Maddie

A Polícia Judiciária adiantou esta quarta-feira que prosseguem em Portugal diligências no âmbito da investigação ao desaparecimento da criança inglesa Madeleine McCann, no Algarve, em 2007, confirmando as suspeitas de envolvimento de um cidadão alemão …

Benfica critica presença de Rui Moreira na lista de Pinto da Costa

O diretor de comunicação do SL Benfica, Luís Bernardo, criticou, esta quarta-feira, a presença de Rui Moreira na lista de Pinto da Costa às eleições para a presidência do FC Porto. "Já não bastava o nível …

Costa e Silva prevê recuperação económica lenta e defende "pacto entre Estado e empresas"

Em entrevista à agência Lusa, António Costa Silva, responsável no plano de relançamento da economia, prevê uma recuperação lenta e sugere um pacto entre Estado e empresas. António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar …