Trabalhadores do Louvre admitem novo fecho do museu contra sobrelotação de visitantes

juanillooo / Flickr

Museu do Louvre

Funcionários alertam: “o Louvre está a ficar asfixiado”. Por isso, pedem a contratação de mais pessoal para responder ao crescente fluxo de turistas.

Os trabalhadores do Museu do Louvre, em França, admitem provocar novo fecho do museu ao público, esta quarta-feira, em resposta ao que consideram a sobrelotação de visitantes, a exemplo do que aconteceu na segunda-feira.

A decisão será tomada após uma reunião com a administração, esta quarta-feira de manhã, “bem cedo”, na qual serão avaliadas questões de segurança e de condições de trabalho, disse à Associated Press (AP) o delegado sindical dos trabalhadores, Pierre Zinenberg.

O Museu do Louvre, em Paris, o mais visitado do mundo, manteve as portas fechadas na segunda-feira, na sequência de um protesto dos seus funcionários, que reclamam o aumento do quadro de pessoal para responder ao crescente fluxo de turistas.

Depois de um fim de semana marcado por longas filas e problemas de organização e segurança, em particular quanto ao acesso ao quadro “Mona Lisa”, de Leonardo Da Vinci, um grande número de funcionários decidiu apresentar justificações para a ausência ao trabalho (pedidos de licença), na segunda-feira, levando a administração a manter fechadas as portas do museu.

“Reunidos em assembleia geral [na segunda-feira], os trabalhadores decidiram exercer o seu direito [de folga] e contestar a situação junto da administração”, anunciaram em comunicado.

Pierre Zinenberg disse à AP que a intervenção em curso junto de “Mona Lisa” fez com que os funcionários, durante o fim de semana, fossem “assediados por turistas“, que permaneciam em longas filas de espera.

Zinenberg frisou que o número de trabalhadores do museu “diminuiu na última década”, embora o número de visitantes tenha aumentado mais de 20%, tendo ultrapassado os 10 milhões, no final do ano passado.

“Em 2018, o número de visitantes do Louvre ultrapassou os 10,2 milhões. Desde 2009, o público aumentou mais de 20% e o edifício foi ampliado, mas o quadro de funcionários não para de diminuir”, disse, em comunicado, na segunda-feira, o sindicato dos trabalhadores do setor cultural, em França.

O Louvre está a ficar asfixiado“, com “uma degradação sem precedentes das condições de acesso e de trabalho”, concluiu o sindicato.

Na segunda-feira, a administração do Louvre escusou-se a comentar a situação, segundo a agência France-Presse.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …