Theresa May pede desculpa por gestão do incêndio na torre em Londres

The Prime Minister's Office / Flickr

A primeira-ministra britânica Theresa May

A primeira-ministra britânica Theresa May

A primeira-ministra do Reino Unido apresentou desculpas pela forma como as autoridades responderam inicialmente ao incêndio na torre Grenfell, em Londres, que fez na semana passada pelo menos 79 mortos.

Numa intervenção no Parlamento, Theresa May declarou: “O apoio inicial que foi dado às famílias não esteve à altura. As autoridades locais e nacionais não vieram em seu auxílio de forma satisfatória quando mais precisavam. Apresento as minhas desculpas por esta falha”.

Os sobreviventes do incêndio e os habitantes do bairro afetado pelo sinistro têm criticado duramente a primeira-ministra, afirmando que não esteve à altura dos acontecimentos dramáticos que afetaram maioritariamente vítimas de classes sociais consideradas como modestas, muitas delas oriundas de países estrangeiros, incluindo de Portugal.

Entre as críticas, os sobreviventes apontam o dedo à governante por não ter ido prontamente ao local do incêndio e por não ter reunido de imediato com os bombeiros e as forças policiais. Também criticam as condições de emergência, as indemnizações e o realojamento das pessoas que perderam as respetivas casas.

Na sexta-feira passada, sobreviventes do incêndio, familiares das vítimas e membros da comunidade local invadiram as instalações municipais de Kensington e Chelsea (zona oeste de Londres), onde estava localizada a torre Grenfell, para protestar contra as autoridades britânicas. Durante o protesto ouviu-se frases de ordem como “Vergonha” e “May, está na hora de sair“.

O governo britânico informou que os afetados pelo incêndio de Londres, onde se incluem dez portugueses, vão ser realojados num bloco de apartamentos de luxo perto do local do sinistro.

O ministro para as Comunidades, Sajid Javid, revelou que os sobreviventes da tragédia, ocorrida no bairro de North Kensinton, zona oeste da cidade, vão ser colocados em 68 apartamentos com um ou dois quartos no centro de High Street Kensington, uma das zonas mais seletas da capital.

Entretanto, o responsável executivo da autarquia londrina de Kensington e Chelsea, Nicholas Holgate, anunciou esta quinta-feira a sua demissão. Holgate foi alvo de críticas pelo atraso do município em responder à situação das vítimas do fogo. Os moradores criticaram o socorro inicial ao incêndio como “um caos absoluto”.

O responsável disse que o incêndio foi “penoso”, mas defendeu que a sua presença seria uma “distração”.

Holgate disse ainda que Sajid Javid lhe pediu que se demitisse, mas o governo de Theresa May negou esta informação.

Entre 400 e 600 pessoas viviam na Torre Grenfell, de 24 andares e 120 apartamentos, que ficou totalmente consumida pelo fogo na madrugada da passada quarta-feira. As chamas fizeram 78 feridos, dez dos quais em estado crítico.

O governo britânico anunciou uma verba de cinco milhões de libras (5,7 milhões de euros) para a ajuda de emergência às vítimas do incêndio.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Liveblog Autárquicas. Carlos Moedas ganha Lisboa

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Medina assume derrota em Lisboa. "É uma indiscutível vitória de Carlos Moedas"

Fernando Medina acaba de assumir a derrota nas eleições autárquicas, felicitando Carlos Moedas pela vitória na Câmara de Lisboa. "É uma indiscutível vitória pessoal e política de Carlos Moedas", sublinha Medina. "Foi um privilégio servir esta …

Contra a "vigarice" das sondagens, "o PSD teve um excelente resultado"

O PSD conseguiu todos os objectivos a que se propôs nestas eleições autárquicas, segundo Rui Rio. O presidente do PSD considera que o partido teve "um excelente resultado" contra a "vigarice" das sondagens e "contra …

Costa: "PS continua a ser o maior partido autárquico nacional"

António Costa canta vitória nas eleições autárquicas, apesar de ainda não se conhecerem os resultados finais de Lisboa, Sintra e Loures. Para o secretário-geral socialista, não há dúvida de que o "PS continua a ser …

O "primeiro amarelo" para Costa e o "CDS superou todos os objectivos"

"O CDS superou todos os objectivos a que se propôs nestas autárquicas". É assim que Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, canta vitória, considerando que António Costa "viu o seu primeiro cartão amarelo". Na reacção …

Pegadas provam que as Américas foram povoadas milhares de anos antes do que pensávamos

Investigadores descobriram evidências da presença de humanos nas Américas: pegadas com, pelo menos, cerca de 23.000 anos. A nossa espécie começou a migrar para fora de África há cerca de 100.000 anos. Além da Antártida, as …

Jerónimo assume que CDU ficou "aquém", mas não é "determinante para a política nacional"

Jerónimo de Sousa reconhece que os resultados da CDU, nas eleições autárquicas, ficaram "aquém" dos objectivos, mas alerta que não são "determinantes para a política nacional" e rejeita a hipótese de deixar a liderança do …

Geringonça à direita... ou à esquerda? Com Moedas e Medina taco a taco, IL e Bloco entram em jogo

Freguesia a freguesia, eis como Fernando Medina e Carlos Moedas estão a disputar a eleição para a Câmara de Lisboa. As sondagens dão um empate técnico e a Iniciativa Liberal já manifestou que está disponível …

Autárquicas: PS reivindica vitória e acredita que ganha em Lisboa

O secretário-geral adjunto do PS reivindicou hoje vitória do seu partido nas eleições autárquicas, dizendo que irá vencer em número de câmaras e de freguesias, e manifestou-se confiante no quinto triunfo consecutivo em Lisboa. Esta posição …

Autárquicas: Santana reconquista a Figueira e fala numa "proeza sem igual"

Pedro Santana Lopes já fez o seu discurso de vitória como presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, num autoelogio pelo facto de ter ganho a dois "grandes partidos", o PS e o PSD, …