Terramoto aproximou ilhas da Nova Zelândia. E continuam a mover-se

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia, mais conhecido como GNS Science, concluíram que uma série de terremotos que abalaram o país em novembro de 2016 acabaram por aproximar as duas ilhas do país, “afundando” uma das regiões.

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia confirmaram que a crosta terrestre continua a mudar após a rutura cataclísmica que se deu durante o terramoto de 2016. A aproximação, de apenas 35 centímetros, deu-se entre as ilhas do Norte e do Sul, enquanto que a cidade de Nelson, no topo da ilha do Sul, se afundou cerca de 20 milímetros.

O sismo de magnitude 7,8 na escala de Ritcher, que abalou o país no dia 14 de novembro de 2016, reduziu inicialmente a distância entre as ilhas em vários metros, e a partir daí as falhas sísmicas “puxaram” a ilha do Sul para norte, aproximando as duas ilhas, adianta a Sputnik News.

O movimento é muito lento e demasiado subtil para ser sentido por seres humanos, mas os cientistas têm medido esse movimento através de uma combinação de sensores de GPS e medições por satélite. Essas medições comprovam que a Nova Zelândia está, de facto, a sentir os efeitos do terramoto de 2016.

No entanto, a distância entre o cabo Campbell, na ilha do Sul, onde acaba a maior falha, e a capital neozelandesa, Wellington, situada na ponta sul da ilha Norte, continua muito grande: cerca de 50 quilómetros.

O terramoto que abalou o país teve epicentro a 39 quilómetros da cidade de Kaikoura, fazendo duas vítimas mortais e um sistema complexo de 25 falhas, o que dificulta o estabelecimento da falha responsável por este fenómeno de aproximação.

Segundo o Live Science, este terramoto foi demasiado complexo, dado que atingiu uma zona de transição entre duas regiões geológicas muito diferentes. A Nova Zelândia fica na zona de colisão entre a placa indo-australiana e a placa do Pacífico. A última “mergulha” debaixo da primeira, criando calhas submarinas e elevando uma parte da Nova Zelândia, e é nesse lugar que ocorrem mais de 15 mil terremotos por ano.

Até agora, os dados dos especialistas mostram que as falhas profundas da zona de subducção não contribuíram para o terramoto de Kaikoura. Ainda assim, esta interface profunda parece estar a movimentar-se dois anos após o terramoto.

É ainda muito cedo para compreender a fundo o que significa este movimento no futuro sismológico do país.

Os cientistas publicaram algumas das suas descobertas sobre o movimento pós-terremoto, incluindo um estudo de março publicado na revista Geophysical Research Letters. Os especialistas analisaram movimentos até 600 quilómetros do epicentro do terramoto. Em dezembro, apresentarão os seus resultados atualizados na reunião anual da American Geophysical Union.

Ainda assim, os cientistas consideram que os maiores movimentos já ocorreram, sendo que agora a terra está apenas a “rastejar”. Os movimentos vão, gradualmente, diminuindo, mas segui-los no futuro ajudará os cientistas a determinar quais os movimentos que vêm da crosta superior e quais os mais profundos.

Além disso, serão também capazes de descobrir mais sobre se o terremoto pressionou as falhas próximas (tornando um terremoto futuro mais provável) ou se retirou alguma pressão de outras falhas (o que significa que a crosta provavelmente ficará tranquila nos próximos tempos).

Esta é a razão pela qual é tão importante monitorizar o que acontece depois de um terramoto.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Fisco quer devolução de 3,5 milhões de euros por erro em declarações de IRS de 2015

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) identificou um erro na liquidação de declarações de IRS relativas a 2015, que implicou um novo apuramento do imposto em cerca de dez mil declarações no valor de 3,5 …

Afeganistão declara derrota do Daesh no principal bastião no país

O Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, anunciou esta terça-feira a derrota do grupo extremista Daesh na província de Nangarhar, no leste, considerado um dos principais bastiões do grupo 'jihadista' no país. "Quem poderia imaginar há um …

Parlamento vota Orçamento do Estado a 10 de janeiro

O Orçamento do Estado para 2020 será discutido na generalidade em 9 e 10 de janeiro, na Assembleia da República, com votação final global marcada para 7 de fevereiro. Segundo o jornal Público, as duas primeiras …

Legionella. Fase de instrução do surto de Vila Franca de Xira começa hoje

O início desta fase facultativa, em que o Tribunal de Instrução Criminal de Loures vai decidir se o processo segue e em que termos para julgamento, está agendado para as 09h30 e decorrerá à porta …

Um dos mais influentes empresários de Malta foi detido no caso da morte de jornalista

Foi detido no seu iate o magnata Yorgen Fenech, um relevante empresário de Malta, no âmbito das investigações à morte da jornalista Daphne Caruana Galizia que estava a investigar pessoas influentes do país pelo alegado …

Presidente argentino diz que vai pagar dívida ao FMI, mas recusa mais ajustes fiscais

O Presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, assegurou na terça-feira ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que o país vai cumprir com os compromissos em matéria de dívida, mas rejeitou aplicar mais ajustes fiscais. "Desenvolvemos um plano …

Vieira garante "reforma" de 3,8 milhões de euros com OPA do Benfica à SAD

A OPA parcial lançada pelo Benfica à sua própria SAD desportiva vai beneficiar os accionistas com um encaixe potencial de mais de 24 milhões de euros. Luís Filipe Vieira está entre esses beneficiados, podendo encaixar …

Pingo Doce

Trabalhadora do Pingo Doce terá sido impedida de ir à casa de banho (acabou por urinar na caixa)

Uma funcionária de um hipermercado Pingo Doce terá solicitado, por várias vezes, para ir à casa de banho, sem ter sido autorizada para isso, o que a levou a urinar-se no posto de trabalho. Uma …

Senado dos EUA aprova projeto de lei de apoio aos direitos humanos e democracia em Hong Kong

O Senado norte-americano aprovou, na terça-feira, por unanimidade, um projeto de lei de apoio aos direitos humanos e à democracia em Hong Kong, numa altura em que os protestos no território se tornam mais violentos. O …

Orçamento de 2% para a Cultura vai ser atingido em quatro anos

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, disse esta terça-feira que o horizonte de 2% da despesa do Orçamento do Estado, com origem nas receitas gerais para a cultura, será atingido em quatro anos, com um …