Terramoto aproximou ilhas da Nova Zelândia. E continuam a mover-se

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia, mais conhecido como GNS Science, concluíram que uma série de terremotos que abalaram o país em novembro de 2016 acabaram por aproximar as duas ilhas do país, “afundando” uma das regiões.

Cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia confirmaram que a crosta terrestre continua a mudar após a rutura cataclísmica que se deu durante o terramoto de 2016. A aproximação, de apenas 35 centímetros, deu-se entre as ilhas do Norte e do Sul, enquanto que a cidade de Nelson, no topo da ilha do Sul, se afundou cerca de 20 milímetros.

O sismo de magnitude 7,8 na escala de Ritcher, que abalou o país no dia 14 de novembro de 2016, reduziu inicialmente a distância entre as ilhas em vários metros, e a partir daí as falhas sísmicas “puxaram” a ilha do Sul para norte, aproximando as duas ilhas, adianta a Sputnik News.

O movimento é muito lento e demasiado subtil para ser sentido por seres humanos, mas os cientistas têm medido esse movimento através de uma combinação de sensores de GPS e medições por satélite. Essas medições comprovam que a Nova Zelândia está, de facto, a sentir os efeitos do terramoto de 2016.

No entanto, a distância entre o cabo Campbell, na ilha do Sul, onde acaba a maior falha, e a capital neozelandesa, Wellington, situada na ponta sul da ilha Norte, continua muito grande: cerca de 50 quilómetros.

O terramoto que abalou o país teve epicentro a 39 quilómetros da cidade de Kaikoura, fazendo duas vítimas mortais e um sistema complexo de 25 falhas, o que dificulta o estabelecimento da falha responsável por este fenómeno de aproximação.

Segundo o Live Science, este terramoto foi demasiado complexo, dado que atingiu uma zona de transição entre duas regiões geológicas muito diferentes. A Nova Zelândia fica na zona de colisão entre a placa indo-australiana e a placa do Pacífico. A última “mergulha” debaixo da primeira, criando calhas submarinas e elevando uma parte da Nova Zelândia, e é nesse lugar que ocorrem mais de 15 mil terremotos por ano.

Até agora, os dados dos especialistas mostram que as falhas profundas da zona de subducção não contribuíram para o terramoto de Kaikoura. Ainda assim, esta interface profunda parece estar a movimentar-se dois anos após o terramoto.

É ainda muito cedo para compreender a fundo o que significa este movimento no futuro sismológico do país.

Os cientistas publicaram algumas das suas descobertas sobre o movimento pós-terremoto, incluindo um estudo de março publicado na revista Geophysical Research Letters. Os especialistas analisaram movimentos até 600 quilómetros do epicentro do terramoto. Em dezembro, apresentarão os seus resultados atualizados na reunião anual da American Geophysical Union.

Ainda assim, os cientistas consideram que os maiores movimentos já ocorreram, sendo que agora a terra está apenas a “rastejar”. Os movimentos vão, gradualmente, diminuindo, mas segui-los no futuro ajudará os cientistas a determinar quais os movimentos que vêm da crosta superior e quais os mais profundos.

Além disso, serão também capazes de descobrir mais sobre se o terremoto pressionou as falhas próximas (tornando um terremoto futuro mais provável) ou se retirou alguma pressão de outras falhas (o que significa que a crosta provavelmente ficará tranquila nos próximos tempos).

Esta é a razão pela qual é tão importante monitorizar o que acontece depois de um terramoto.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Investigação portuguesa descobriu 14 espécies marinhas com potencial para produção de antibióticos

Uma investigação conjunta da Universidade de Aveiro e da Universidade Católica descobriu 14 novas espécies e um género de fungos marinhos, com potencial para produção de antibióticos, revelou esta segunda-feira fonte académica. "Neste momento, estão a …

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …

Homicídios disparam na maioria das cidades norte-americanas durante a pandemia

O número de homicídios cometidos em solo norte-americano disparou na maioria das cidades do país na primeira metade de 2020, comparativamente com o mesmo período do ano passado, revela uma investigação do New York Times. …

Investigadores desenvolvem robô-cientista (e já descobriu um novo catalisador)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, construiu um robô-cientista móvel inteligente, que realiza experiências sem ajuda humana. O novo robô-cientista toma decisões sozinho e já descobriu um novo catalisador. Segundo a …

Sérgio Figueiredo deixa direção de informação da TVI

Sérgio Figueiredo saiu do cargo de diretor de informação da TVI, anuncia a estação de televisão em comunicado enviado às redações. A cessação de funções é efetiva a partir desta sexta (10) e põe fim a …

Dinamarca lança "passaporte covid-19"

O Governo da Dinamarca lançou o "passaporte covid-19", um documento que atesta que o portador do mesmo não teve um resultado positivo ao novo coronavírus recentemente. Deverá ser utilizado em viagens internas ou externas. De …

Mais oito mortes e 342 novos casos. Mais 305 pessoas dadas como recuperadas

Portugal regista este sábado mais oito mortes por covid-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46.221 casos …

Ainda há esperança para os gorilas mais raros do mundo. Foram fotografados com crias

Os gorilas do rio Cross, os mais raros do mundo, foram fotografados na Nigéria com algumas crias, aumentando a esperança para esta espécie de primatas. A fotografias foram divulgadas por uma organização não-governamental nigeriana, a …

"Já sofreu muito". Trump comuta pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comutou a pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone, que foi condenado em fevereiro a 40 meses de prisão, anunciou sexta-feira a Casa Branca. Roger …

Armas, droga, sucata e prostituição financiam neonazis portugueses (mas lucros não vão todos para a causa)

Os grupos neonazis portugueses são "bastante desorganizados" e financiam-se com dinheiro obtido em negócios ilícitos, como o tráfico de armas, de droga e de mulheres para prostituição e a sucata. Mas os ganhos obtidos não …