/

Terra foi atingida por impacto duplo de pares de asteróides

ESO

Conceito artístico do asteróide binário Antiope. Cerca de 15% dos asteróides próximos da Terra são binários.

Conceito artístico do asteróide binário Antiope. Cerca de 15% dos asteróides próximos da Terra são binários.

Já todos vimos filmes em que enormes asteróides se aproximam rapidamente da Terra, ameaçando a civilização. O que é menos conhecido é que às vezes essas rochas espaciais ameaçadoras se movem aos pares.

Investigadores conseguiram agora obter algumas das melhores provas até hoje encontradas da ocorrência de um impacto duplo, no qual um asteróide e a sua lua parecem ter atingido a Terra um atrás do outro.

Analisando minúsculos fósseis de plâncton, os cientistas determinaram que crateras vizinhas na Suécia são exactamente da mesma idade: 458 milhões de anos de idade.

No entanto, outros cientistas alertaram para que crateras aparentemente contemporâneas numa escala geológica, poderiam ter sido formadas com semanas, meses ou mesmo anos de intervalo.

Detalhes do trabalho foram apresentados na 45ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária em Woodlands, no Texas, e os resultados devem ser divulgados na revista Meteoritics and Planetary Science Journal.

DR SVT.se

Jens Ormo, investigador do Centro de Astrobiologia de Madrid, junto à cratera Lockne

Jens Ormo, investigador do Centro de Astrobiologia de Madrid, junto à cratera Lockne

Lockne e Malingen

Segundo o paleontologista sueco Jens Ormo, investigador do Centro de Astrobiologia de Madrid, em Espanha, já são conhecidos um punhado de possíveis impactos duplos na Terra, mas há divergências sobre a exactidão das datas atribuídas a estas crateras.

“Crateras de impacto duplo devem ser exactamente da mesma idade. Caso contrário, poderiam ser apenas duas crateras localizadas uma ao lado da outra”, diz Orno.

Ormo e os seus colegas estudaram duas crateras, chamadas Lockne e Malingen, que se encontram a cerca de 16 quilómetros de distância uma da outra no norte da Suécia. Medindo cerca de 7,5 km de largura, a Lockne é a maior das duas estruturas. A Malingen, localizada a sudoeste, é cerca de 10 vezes menor.

Acredita-se que os asteróides binários são formados quando um asteróide originado por um grande grupo de rochas começa a girar tão rapidamente sob a influência da luz solar que uma rocha solta é atirada para fora do seu eixo e forma uma pequena lua do asteróide.

Observações feitas por telescópio sugerem que cerca de 15% dos asteroides próximos da Terra são binários, mas é provável que a porcentagem de crateras formadas por impacto na Terra seja menor.

Apenas uma fracção dos binários que atingem a Terra tem a separação necessária entre o asteróide e a sua lua para produzir crateras separadas (os que estão muito próximos das suas luas formam estruturas sobrepostas).

Os cálculos sugerem que cerca de 3% das crateras formadas por impacto na Terra devem ser duplas – um número que está de acordo com o número já identificado pelos investigadores.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As características geológicas pouco comuns tanto de Lockne como de Malingen são conhecidas desde a primeira metade do século 20. Mas foi apenas nos anos 90 que a Lockne foi reconhecida como uma cratera formada por um impacto.

Nos últimos anos, Jens Ormo perfurou cerca de 145 metros na cratera Malingen, passando pelo sedimento que a preenche, pela camada de pedra britada (conhecida como brechas), até chegar à pedra intacta no fundo.

Análises das brechas revelaram a presença de uma forma do mineral quartzo, que é criado sob pressões intensas e está associado ao impacto de asteroides.

Esta área era coberta por um mar raso na altura do impacto que formou a Lockne, pelo que sedimentos marinhos teriam preenchido imediatamente qualquer cratera formada por impacto no local.

A equipe de Ormo propôs-se datar a Malingen usando minúsculos animais marinhos fossilizados chamados chitinozoas, que são encontrados em rochas sedimentares no local.

Recorreram a um método conhecido como biostratigrafia, que permite que os geólogos atribuam idades relativas a rochas com base nos tipos de criaturas encontradas fossilizadas dentro delas.

Os resultados revelaram que a Malingen era da mesma idade que a Lockne – cerca de 458 milhões anos de idade. Isso parece confirmar que a área foi atingida por um impacto duplo de asteróides durante o período Ordoviciano, da era Paleozoica.

NASA

As crateras Clearwater no Canadá também devem ter sido formadas por um impacto duplo

As crateras Clearwater no Canadá também devem ter sido formadas por um impacto duplo

Provas convincentes

Gareth Collins, que estuda crateras formadas por impacto no Imperial College de Londres, e não esteve envolvido na pesquisa, afirmou à BBC que “a não ser que se possa testemunhar os impactos, é normalmente impossível provar que duas crateras próximas foram formadas simultaneamente.”

“Mas as provas neste caso são muito convincentes. A sua proximidade e estimativas consistentes de idade tornam bastante provável que tenha ocorrido um impacto binário.”

As simulações sugerem que o asteróide que criou a cratera de Lockne tinha cerca de 600 m de diâmetro, enquanto o que esculpiu Malingen tinha cerca de 250m. Estas medições são um pouco maiores do que pode ser sugerido pelas suas crateras por causa dos mecanismos de impactos em ambientes marinhos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Ormo mostrou que a distância entre a Malingen e a Lockne está de acordo com a teoria de que teriam sido criadas por um asteróide binário.

“O asteróide que formou a Lockne era suficientemente grande para gerar uma abertura na atmosfera acima do local de impacto”, diz Ormo.

Isso pode fazer com que o material do asteroide se espalhe na atmosfera, como aconteceu durante o enorme impacto que formou a cratera de Chicxulub, que muitos acreditam ter extinto os dinossauros, há 66 milhões de anos.

O evento ordoviciano não foi suficientemente potente para que o material resultante se espalhasse. Mas pode ter tido efeitos locais, como por exemplo, ter vaporizado instantaneamente qualquer criatura do mar que estivesse a nadar nas proximidades.

Outras crateras que podem ter sido formadas por um impacto duplo incluem a Clearwater Ocidental e Oriental, no Quebec, Canadá, a Kamensk e Gusev no sul da Rússia, e a Ries e Stenheim no sul da Alemanha.

ZAP / BBC

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.