O tempo pode parecer mais lento do que realmente é. A culpa é dos neurónios cansados

Quando os neurónios do nosso cérebro começam a ficar muito cansados, diminuem a atividade e, como consequência, percebemos o tempo de forma distorcida.

O cansaço de um grupo de neurónios especialmente sensíveis à noção de tempo pode ser a causa da perceção distorcida do tempo. Os resultados da investigação surgem num novo artigo científico, publicado recentemente no Journal of Neuroscience.

Os cientistas mostraram a um grupo de 20 participantes uma imagem (um círculo cinzento) por curtos períodos de tempo – menores do que um segundo -, trinta vezes seguidas. Uma parte do grupo recebeu a versão curta do estímulo (0,25 segundos) e a outra parte a versão longa (0,75 segundos).

De forma a determinar se a perceção do tempo se havia alterado, os cientistas mostraram aos participantes a mesma imagem, mas desta vez durante períodos de tempo ligeiramente mais longos: 0,35; 0,45; 0,55 e 0,65 segundos cada uma. Ao mesmo tempo, colocaram um toque sonoro com uma duração de 0,50 segundos.

De acordo com a Cosmos Magazine, os cientistas perguntaram aos participantes se o ruído tinha durado mais ou menos tempo do que a exibição das imagens: para os que receberam as repetições mais curtas na primeira fase, o barulho que durava 0,50 segundos pareceu mais rápido do que a exibição da imagem, que durou 0,35 segundos.

Já os participantes que receberam a repetição mais longa (0,75 segundos), o efeito foi exatamente contrário: o ruído era mais demorado do que as imagens.

O melhor é não confiar na perceção do tempo depois de ter sido exposto a repetidos flashes de imagens ou sons”, resumiu Masamichi Hayashi, cientista da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Segundo a equipa de investigadores, durante os testes, os neurónios sensíveis à noção do tempo, situados no giro supramarginal do cérebro, tinham uma atividade mais reduzida, como se estivessem cansados depois de tantas repetições.

Para os cientistas, a redução de atividade nestes neurónios, devido à exaustão provocada pela repetição do estímulo, pode explicar por que motivo as pessoas sentem o tempo passar de forma diferente do tempo objetivo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …