Tempestades em Júpiter perturbam a aparência colorida do planeta

ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), I. de Pater et al.; NRAO/AUI NSF, S. Dagnello

O ALMA permitiu a uma equipa de astrónomos fazer um mapa tridimensional da distribuição de gás amoníaco e, pela primeira vez, os cientistas conseguiram estudar a atmosfera abaixo das camadas de nuvens de amoníaco após uma erupção energética no planeta.

As nuvens de Júpiter são uma verdadeira dor de cabeça para os cientistas que querem estudar o planeta, uma vez que bloqueiam uma visão mais profunda sobre o gigante gasoso. Agora, e pela primeira vez, uma equipa de cientistas foi capaz de observar as condições atmosféricas debaixo das nuvens de Júpiter.

De acordo com o Observatório Nacional de Radioastronomia (NRAO), as fotografias revelaram que as tempestades afetam as zonas brancas, o fluxo gasoso dos cinturões do planeta fazendo, inclusive, Júpiter mudar de cor. Estes dados fotográficos dão uma visão única de 50 quilómetros abaixo da camada de nuvens do planeta e foram obtidos pelo radiotelescópio ALMA, localizado no Atacama, Estados Unidos.

Depois de uma erupção energética em Júpiter, os astrónomos conseguiram fazer um “mapa tridimensional da distribuição de gás amoníaco debaixo das nuvens“, explicou Imke de Pater, da Universidade da Califórnia, citado pela Sputnik News.

O fenómeno em Júpiter é comparado às tempestades elétricas da Terra, sendo que também podem ser observados relâmpagos. As tempestades possuem o aspeto de pequenas nuvens brilhantes provocadas por jatos que afetam os cinturões e podem ser visíveis durante meses ou até mesmo anos.

“As nossas observações foram as primeiras a mostrar que são produzidas altas concentrações de gás amoníaco durante estas erupções“, afirmou Pater. “A combinação das observações realizadas simultaneamente em diversos comprimentos de onda, permitiu-nos estudar a erupção ao pormenor.”

As alterações são provocadas por correntes de convecção de humidade nas nuvens de água localizadas nas camadas inferiores da atmosfera do planeta. Essas nuvens empurram o gás amoníaco a uma grande altitude até à região mais fria, onde são criadas plumas brancas, visíveis à medida que congelam.

ALMA (ESO/NAOJ/NRAO), I. de Pater et al.; NRAO/AUI NSF, S. Dagnello

O mapa revelou que a erupção aconteceu no Cinturão Equatorial Sul, abaixo das nuvens visíveis. Aliás, os astrónomos acreditam que a erupção está enraizada um pouco mais abaixo da atmosfera, cerca de 80 quilómetros abaixo da superfície.

Segundo o Space, os cientistas acreditam que, a esse mesmo nível, uma camada de água suporta raios parecidos com a Terra, o que sugere que as plumas de amoníaco são criadas pelo ar húmido que circula no fundo das nuvens de água. A investigação foi descrita num artigo científico do Astronomical Journal, publicado no arXiv.org.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …