Uma enorme tempestade solar atingiu a Terra há 2.600 anos (e pode voltar a acontecer)

Uma gigantesca tempestade solar atingiu a Terra há cerca de 2.600 anos, cerca de dez vezes mais forte do que qualquer tempestade solar registada nos dias atuais, segundo um novo estudo.

Estas descobertas sugerem que tais explosões ocorrem regularmente na história da Terra e poderiam causar estragos se atingissem o planeta agora, dada a dependência do mundo na eletricidade.

O sol pode bombardear a Terra com explosões de partículas altamente energéticas conhecidas como eventos de protões solares. Essas “tempestades de protões” podem colocar em risco pessoas e eletrónicos no espaço e no ar

Além disso, quando uma tempestade de protões atinge a magnetosfera da Terra – a casca de partículas eletricamente carregadas – fica presa no campo magnético da Terra. Quando a tempestade solar provoca uma perturbação na magnetosfera do planeta, é chamada de tempestade geomagnética que pode devastar as redes de energia em todo o planeta.

Em 1989, uma explosão solar apagou a província canadiana do Quebec em segundos, danificando transformadores em Nova Jersey e quase fechando as redes de energia dos EUA do meio do Atlântico até o noroeste do Pacífico.

Os cientistas têm analisado as tempestades de protões há menos de um século. Como tal, podem não ter boas estimativas de quantas vezes erupções solares extremas acontecem ou quão poderosas podem ser.

“Hoje temos muita infraestrutura que pode ficar bastante danificada, e viajamos no ar e no espaço, onde estamos muito mais expostos à radiação de alta energia“, disse Raimund Muscheler, um dos autores do estudo, físico ambiental da Universidade de Lund, na Suécia.

O chamado Evento Carrington de 1859 pode ter libertado cerca de dez mais energia do que o que causou o apagão de Quebec em 1989, tornando-se a mais poderosa tempestade geomagnética conhecida, de acordo com um estudo de 2013 do Lloyd’s de Londres.

O mundo tornou-se muito mais dependente da eletricidade desde o evento de Carrington, e se uma tempestade geomagnética igualmente poderosa aparecesse, as quedas de energia podem durar semanas, meses ou mesmo anos, enquanto as concessionárias lutam para substituir as principais partes das redes elétricas.

Agora, os investigadores descobriram átomos radioativos presos no gelo da Gronelândia, que sugerem que uma enorme tempestade de protões atingiu a Terra em cerca de 660 a.C., o que pode ofuscar o Evento de Carrington.

Estudos anteriores descobriram que tempestades de protões extremas podem gerar átomos radioativos de berílio-10, cloro-36 e carbono-14 na atmosfera. A evidência de tais eventos é detetável em árvores e gelo, dando aos cientistas uma maneira de investigar a atividade solar antiga.

Os cientistas, de acordo com o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, examinaram o gelo de duas amostras principais retiradas da Gronelândia e notaram um pico de berílio radioativo-10 e cloro-36 há cerca de 2.610 anos.

Estudos anteriores detetaram duas outras tempestades de protões antigas de maneira similar – uma aconteceu por volta de 993-994, e a outra cerca de 774-775. A última é a maior erupção solar conhecida até ao momento.

Em relação ao número de protões de alta energia, o evento de 660 a.C. e os eventos de 774-775 d.C. são cerca de dez vezes maiores do que a tempestade de protões mais forte vista nos dias modernos, que ocorreu em 1956. O evento de 993-994 dC foi menor do que as outras duas tempestades antigas.

Ainda não é claro como estas antigas tempestades se comparam ao evento de Carrington, já que as estimativas do número de protões do evento de Carrington são muito incertas. No entanto, se as antigas explosões solares “estivessem ligadas a uma tempestade geomagnética, diria que excederiam os piores cenários que são frequentemente baseados em eventos do tipo Carrington”, observou Muscheler.

Embora sejam necessárias mais investigações para ver os danos que as erupções podem infligir, este trabalho sugere que “estes enormes eventos são uma característica recorrente do Sol – agora temos três grandes eventos nos últimos três mil anos“, disse Muscheler. “Pode haver mais que ainda não descobrimos.”

“Precisamos procurar sistematicamente estes eventos nos arquivos ambientais para ter uma boa ideia sobre as estatísticas – isto é, os riscos – para tais eventos e também eventos menores”, acrescentou.

ZAP // Live Science

PARTILHAR

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …