As tecnologias, os voos low-cost e a UE mudaram a face da emigração

nicola_bigi / Flickr

As novas tecnologias, os voos low-cost, a adesão à União Europeia e as mudanças no mercado de trabalho mudaram o fenómeno da emigração portuguesa, que hoje tem mais opções de escolha, mas também novos desafios, defende o Observatório da Emigração.

Em entrevista à agência Lusa, Cláudia Pereira, investigadora permanente do Observatório da Emigração, começou por apontar que na década de 1960 Portugal era um país diferente do que é hoje, já que tinha uma população muito pouco qualificada e uma emigração mais diversificada, fruto do país ainda não ter aderido à União Europeia.

“Havia os países que recrutavam os emigrantes, como o Brasil, a Venezuela, Estados Unidos, Canadá, e depois havia os países para onde conseguiam entrar, como França e Alemanha, portanto nesse sentido era mais diversificada”, explicou.

Cláudia Pereira diz mesmo que há um antes e um depois da adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), já que a abertura para a Europa, e a maior facilidade de circulação, altera os destinos dos portugueses, aproximando-os de países como o Luxemburgo, a França ou a Suíça.

d.r. parsuk.pt

A antropóloga Cláudia Pereira

A antropóloga Cláudia Pereira

“Países como o Brasil ou os Estados Unidos deixaram de ser tão atrativos porque por muito que aceitassem imigrantes, eram sempre mais fechados com os países europeus e a emigração portuguesa foi-se tornando cada vez mais europeia”, adiantou a investigadora.

Comparando as dificuldades sentidas pelos emigrantes da década de 1960 com as dos emigrantes da atualidade, Cláudia Pereira dá como exemplo as comunicações, sublinhando que dantes eram sobretudo feitas à base de carta e telefone.

Hoje é muito mais fácil comunicar todos os dias e até com imagem, por exemplo com o skype, e isso diminui os custos emocionais de emigrar”, sublinhou.

Por outro lado, as viagens low-cost ajudaram a diminuir o intervalo de tempo passado entre cada visita à terra natal, fazendo com que seja possível vir a Portugal entre cada dois ou três meses.

“Outra facilidade é desde logo na saída: a escolha do país para onde se vai, o trabalho, o mercado é muito mais competitivo porque há mais gente, mas também há mais hipóteses, mais vagas de trabalho disponíveis”, destacou.

Não quer isto dizer, frisou a investigadora, que não continuem a haver dificuldades, já que emigrar “nunca é um processo fácil” e quem emigra passa sempre por ter de encontrar casa, integrar-se num mercado de trabalho mais competitivo, aprender outra língua, mesmo quando vai para um trabalho qualificado.

A propósito da questão da língua, a investigadora lembrou que nos anos 60 havia muito menos recursos e as pessoas não tinham como aprender línguas, dizendo mesmo conhecer casos de emigrantes que ainda hoje não falam a língua do país de destino, mesmo depois de já lá viverem há mais de 20 anos.

“Isso é algo que é muito mais difícil de acontecer hoje porque há uma maior competitividade no mercado de trabalho, enquanto antes isso funcionava na base de redes familiares e de amigos”, apontou.

No que diz respeito à realidade do mercado laboral, Cláudia Pereira diz que atualmente tanto há o caso do emigrante que sai do país com vista a um emprego na sua área, como há quem, apesar das qualificações, agarre o primeiro emprego que apareça, independentemente da área.

Uma realidade que leva a investigadora a sublinhar que apesar dos emigrantes de hoje serem mais qualificados do que os emigrantes da década de 1960, a taxa de emigração dos qualificados apesar de tudo é menor do que a população qualificada.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …

EUA e UE precisam "enfrentar juntos" a crise climática, diz Timmermans

O vice-presidente executivo da Comissão, Frans Timmermans, encarregado de supervisionar a acordo, pediu na segunda-feira uma atuação conjunta dos Estados Unidos (EUA) e da União Europeia (UE) para lidar com a crise climática e outras …

Transações com criptomoedas passam a ser ilegais na China

O banco central da China declarou ilegais todas as transações que envolvam a bitcoin e outras moedas virtuais, intensificando uma campanha para bloquear o uso de dinheiro digital não oficial. Após o anúncio, revelou esta sexta-feira …

Eduardo Bolsonaro e dois ministros de Estado testam positivo à covid-19

O filho do Presidente do Brasil, que também é deputado federal, é o terceiro membro da delegação brasileira que viajou para os EUA a testar positivo para a covid-19. O deputado federal brasileiro Eduardo Bolsonaro, filho …

Avião russo invade espaço aéreo da Estónia pela sexta vez este ano

A Estónia informou na quinta-feira que um avião da força aérea russa violou o seu espaço aéreo, sendo o sexto incidente do género este ano. A intrusão terá ocorrido ao meio-dia de quarta-feira, quando o avião …

Abel montou uma "equipa pequena, a jogar sempre com receio"

Opinião proveniente do Brasil lamenta a forma como o campeão sul-americano se apresenta em campo. É campeão sul-americano, por ter vencido a última Copa Libertadores, está a um jogo de estar novamente na final da Libertadores …

Pandemia com tendência decrescente nos serviços de saúde e na mortalidade

Portugal regista uma situação pandémica de “intensidade moderada”, mas com uma tendência decrescente da pressão sobre os serviços de saúde e na mortalidade associada à covid-19, refere o relatório das “linhas vermelhas” hoje divulgado. Segundo a …

Vacinas da gripe vão ser dadas nos centros de vacinação covid-19

Os centros de vacinação usados para administrar as vacinas contra a covid-19 vão também passar a ser usados para vacinar contra a gripe. Numa nota enviada às redações, a task force anunciou que os centros de …

Irmã de Kim Jong-un diz que acabar com a Guerra da Coreia é uma "ideia admirável"

Esta sexta-feira, Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un, disse que o país está disposto a retomar as conversações com a Coreia do Sul se o vizinho não provocar o Norte com políticas hostis. Ri …

"Que se lixe o Congresso", diz líder do CDS

O líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos disse não estar "minimamente preocupado" nem "concentrado em táticas para congressos internos". O presidente do CDS disse esta sexta-feira que não está “minimamente preocupado” com a próxima reunião magna …