Suu Kyi garante regresso dos mais de 400 mil Rohingyas à Birmânia

Htoo Tay Zar / Wikimedia

Aung San Suu Kyi

A líder de facto da Birmânia, a Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, prometeu levar ajuda humanitária à região habitada pela minoria muçulmana ‘rohingya’ no estado de Rakhine, no oeste do país.

Aung San Suu Kyi também se comprometeu a resolver nos tribunais qualquer violação dos direitos humanos que possa ter ocorrido em Rakhine durante a ofensiva militar em resposta a um ataque de militantes ‘rohinya’ no passado 25 de agosto.

A líder da Birmânia e Nobel da Paz fez o anúncio numa conferência de imprensa realizada em Naipidaw na presença de diplomatas, autoridades e jornalistas e disse que o país está “pronto” para organizar o regresso de mais de 410 mil rohingyas refugiados no Bangladesh.

Suu Kyi afirmou “lamentar profundamente” a situação dos civis apanhados pela crise no estado de Rakhine. “Estamos prontos para iniciar a verificação” das identidades dos refugiados, com vista ao seu regresso”, disse.

A líder birmanesa disse que “apesar de todos os esforços” o Governo não conseguiu acabar com o conflito. “Não é intenção do governo evitar as responsabilidades”, continuou.

A Nobel da Paz também sublinhou que “condena todas as violações dos direitos humanos”.

Depois da conferência de imprensa, a Amnistia Internacional acusou a líder birmanesa de “praticar a política de avestruz” em relação “aos horrores” que se verificam no país.

“Existem provas ‘esmagadoras’ de que as forças de segurança estão envolvidas numa campanha de limpeza étnica”, acrescenta a organização não governamental.

Os investigadores da ONU que acompanham a situação na Birmânia, por sua vez, reiteraram o apelo “a um acesso completo e sem obstáculos” ao país, demonstrando “grande preocupação” sobre os direitos humanos.

“É importante vermos com os nossos próprios olhos onde se localizam os alegados abusos para falarmos diretamente com as pessoas afetadas e com as autoridades”, disse a presidente da missão de estabilização para a Birmânia, Marzuki Darusman, perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

Cerca de 400 mil rohingyas, uma minoria muçulmana na Birmânia, fugiram para o Bangladesh desde 25 de agosto devido a uma onda de repressão e violência por parte do exército birmanês, no oeste do país, maioritariamente budista, depois de uma série de ataques da rebelião rohingya.

As Nações Unidas consideraram esta violência como uma “limpeza étnica”.

Este conflito tem gerado a indignação da comunidade internacional e uma onda de solidariedade no mundo muçulmano e já se registaram manifestações de apoio aos rohingyas em países como o Paquistão, Malásia ou Indonésia.

Grupos islâmicos do Bangladesh apelaram ao seu Governo para que entre em guerra contra a Birmânia e intervenha militarmente no estado de Rakhine em defesa dos rohingyas.

A crise no país motivou vários protestos de organizações internacionais e uma petição com mais de meio milhão de subscritores a pedir a retirada do prémio Nobel da Paz a Aung San Suu Kyi.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Câmara dos Representantes condena "comentários racistas" de Trump

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou na terça-feira uma moção na qual condena o presidente Donald Trump pelos "comentários racistas" dirigidos a quatro mulheres congressistas, sugerindo-lhes que "regressassem aos seus países de origem". A …

PCP quer creches gratuitas e passes sociais em todo o país

O secretário-geral comunista destacou sete compromissos, incluindo a ideia de uma rede de creches gratuitas e o limite máximo de 40 euros para os passes sociais, na apresentação do programa eleitoral do partido, num hotel …

Governo retira estatuto do antigo combatente na véspera de votação

O Governo retirou a proposta de lei sobre o estatuto do antigo combatente por dificuldades no modelo de sustentabilidade financeira resultantes das propostas apresentadas pelos partidos no Parlamento. O anúncio da retirada da proposta foi feito …

Bolsonaro "está decidido". Vai indicar filho para embaixador nos Estados Unidos

Jair Bolsonaro disse que "está decidido" que irá indicar o filho Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington, capital dos Estados Unidos da América. Esta terça-feira, o Presidente do Brasil disse que “está decidido” a indicar o …

Sindicato dos motoristas aprovou aumentos salariais mais baixos dos que agora reclama

A reunião de segunda-feira entre os sindicatos de motoristas e a associação de empresas de transporte de mercadorias (Antram) acabou sem acordo para evitar a greve anunciada para 12 de agosto. Porém, de acordo com o …

"Lei dos primos" corre o risco de ser adiada para depois das eleições

A aprovação da lei do PS que aperta as regras de nomeações governamentais está em dúvida na maratona de votações de sexta-feira. Os sociais-democratas ainda não decidiram o sentido de voto. Na primeira versão, o PS …

Aprovadas multas entre os 25 e os 250 euros para quem atirar beatas ao chão

A partir de terça-feira, atirar uma beata para o chão passou a custar pelo menos 25 euros, podendo o valor chegar aos 250 euros. Um novo diploma aprovado no Parlamento obriga ainda empresas a disponibilizarem …

Arranca o concurso de acesso ao Ensino Superior. Cursos muito concorridos com mais 107 vagas

A primeira fase de candidatura ao ensino superior começa esta quarta-feira e termina no início de agosto, com 50.860 vagas no concurso nacional de acesso, um total praticamente inalterado face a 2018. Segundo dados oficiais, o …

Morreu o escritor italiano Andrea Camilleri, "pai" do inspetor Montalbano

O escritor italiano, considerado uma referência do romance policial, morreu esta quarta-feira em Roma, aos 93 anos, na sequência de uma paragem cardíaca. Andrea Camilleri, nascido a 6 de setembro de 1925 em Porto Empedocle, Itália, …

Rio quer financiar hospitais do SNS em função da eficiência (e mudar nome do Ministério)

O PSD defendeu esta terça-feira um novo modelo de gestão dos hospitais públicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), sem fechar a porta às PPP, e a mudança simbólica do nome do Ministério da Saúde …