Supremo não suspende Acordo Ortográfico para não prejudicar crianças

World Bank / Flickr

-

O Supremo Tribunal Administrativo considerou que impedir a aplicação do Acordo Ortográfico nas provas finais do 6º ano criaria instabilidade e confusão nas crianças, uma vez que utilizam a grafia em causa desde o início do 5º ano.

No início do mês, foi entregue no Tribunal uma providência cautelar destinada a suspender a aplicação obrigatória do Acordo Ortográfico (AO) aos exames do 6º ano, cuja primeira fase se realiza na próxima segunda-feira.

“Estando já os alunos do 6º ano a aprender segundo as regras do Acordo Ortográfico, utilizando manuais que já aplicam a grafia deste acordo desde o início do 5º ano, certamente que [o interesse da criança] é melhor defendido com a manutenção da grafia a que já se habituaram”, lê-se na decisão com data de 9 de maio proferida pelo tribunal, a que a agência Lusa teve acesso esta terça-feira.

O Supremo Tribunal Administrativo lembra que as provas têm início no dia 19 para dizer que se existe alguma situação de “especial urgência” na apreciação deste caso, ela foi “criada pelos próprios requerentes” ao requerem a providência cautelar só nas vésperas das provas, “quando o podiam ter feito antes”.

Na ação, movida por Manuel Alegre, Miguel Sousa Tavares e outros cidadãos, os réus são o Estado e o Ministério da Educação.

Porém, o tribunal concluiu que não está em causa uma situação de “produção iminente e irreversível de lesão dos direitos, liberdades e garantias invocados” ou outra de “especial urgência”.

Ação principal

Além da providência, contestada pelo Ministério da Educação, há uma ação principal que abrange os exames do 4º, 9º, 10º e 11ºanos.

Os requerentes pretendem suspender a resolução do Conselho de Ministros de 2011 e as normas do Ministério da Educação sobre a utilização do novo Acordo Ortográfico.

De acordo com o calendário de aplicação estabelecido, no âmbito do período de transição, a aplicação do acordo na avaliação dos alunos do 6º ano tornou-se obrigatória este ano letivo (2013-2014), o mesmo acontecendo para no próximo ano (2014-2015) relativamente aos 4º, 9º, 11º e 12º anos.

O tribunal não vê como uma norma ortográfica em vigor desde o ano letivo 2011-2012 pode lesar os direitos invocados de liberdade de aprender e ensinar e o superior interesse da criança.

Citando os constitucionalistas Gomes Canotilho e Vital Moreira em “Constituição da República Anotada”, o tribunal afirma que a liberdade de aprender e de ensinar se traduz, na sua essência, “na liberdade de escolha da escola, tipo de ramo de ensino ou curso e/ou liberdade de ministrar o ensino sem sujeição a uma determinada orientação filosófica e ideológica”.

Os autores das ações judiciais integraram a lista de subscritores de uma petição pela desvinculação de Portugal do Acordo Ortográfico, discutida em dezembro na Assembleia da República.

Consideram que a aplicação do acordo é prejudicial ao interesse público, alegando que os professores não sabem como aplicar as novas normas, nem os alunos, porque o documento do AO está “mal feito”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …